Vanusa

VANUSA SANTOS FLORES
(73 anos)
Cantora, Compositora e Atriz

☼ Cruzeiro, SP (22/09/1947)
┼ Santos, SP (08/11/2020)

Vanusa Santos Flores, conhecida como Vanusa, foi uma cantora, compositora e atriz nascida em Cruzeiro, SP, no dia 22/09/1947, sendo criada nas cidades mineiras de Uberaba e Frutal.

Vanusa aprendeu violão muito jovem e com 16 anos passou a atuar como vocalista do conjunto Golden Lions. Numa de suas apresentações foi ouvida por Sidney Carvalho, então na agência de propaganda Prosperi, Magaldi & Maia, que a convidou para ir a São Paulo.

Vanusa iniciou a carreira em 1966, nos últimos tempos da Jovem Guarda, apresentando-se na TV Excelsior, concorrente da TV Record, que apresentava o programa "Jovem Guarda", chegando a participar do famoso programa vesperal, apenas em suas duas últimas edições.


Em 1966, estreou na televisão apresentando-se no programa de Eduardo Araújo, "O Bom", na extinta TV Excelsior de São Paulo. Ainda no mesmo ano, foi contratada pela RCA Victor e fez sucesso com a canção "Pra Nunca Mais Chorar" (Eduardo Araújo e Carlos Imperial). Foi justamente esse sucesso que a introduziu no ambiente do programa da TV Record. Logo depois, passou a atuar com Renato Aragão e Wanderley Cardoso no programa I, da TV Record de São Paulo.

Em 1968, gravou seu primeiro LP na RCA Victor, no qual estreou também como compositora, com as músicas "Mundo Colorido" (Vanusa), "Perdoa" (Vanusa) além de "Eu Não Quis Magoar Você" (Vanusa e David Miranda). Nos anos seguintes, atuou em diversos festivais no Brasil e no exterior.

Em 1971, participou do VI FIC, da TV Globo, com "Namorada", que fez grande sucesso em parceria com o seu então marido Antônio Marcos.

Em 1973, lançou LP pela Continental, trazendo seu maior sucesso, a música "Manhãs de Setembro" (Vanusa e Mário Campanha).

Em 1974, ganhou o prêmio de revelação feminina no Festival de Piriapolis, realizado no Uruguai.


Em 1975, lançou o LP "Amigos Novos e Antigos", no qual gravou três composições de sua autoria, "Rotina" (Vanusa e Mário Campanha), "Espelho" (I e Sérgio Sá) e "Vinho Rosé da Rainha Sem Rei" (Vanusa e Gabino Correia). Esse disco estourou com a faixa "Paralelas" (Belchior), uma das canções que marcaram a carreira da cantora.

Em 1977, lançou pela gravadora Copacabana, com o cantor Ronnie Von, o LP "Cinderela 77", trilha sonora da novela "Cinderela 77", da TV Tupi. No mesmo ano, gravou o LP "Vanusa 30 Anos", no qual interpretou "Lá no Pé da Serra" (Elpídio dos Santos) e "Problemas" (Mauro Motta e Raul Seixas).

Ao longo dos anos 1980, prosseguiu com sua carreira gravando vários discos e participando de festivais.

Ficou em terceiro lugar no Festival de Seul, realizado na Coréia do Sul, com "Mágica Loucura" (Vanusa e Augusto César Vannucci).

Em 1982, gravou "Basta Um Dia" (Chico Buarque).

Em 1985, gravou "Nossa Canção" (Piska e Ronaldo Bastos) e "Canção dos Amantes" (Renato Teixeira).


Em 1991, participou do famoso Festival de Viña del Mar, no Chile, quando obteve o quinto lugar com "Quando o Amor Termina" (Vanusa e Sérgio Augusto). Nesse mesmo ano lançou o LP "Viva Paixão", no qual interpretou "Paralelas" (Belchior).

Em 1994 lançou "Hino ao Amor", pela Leblon Discos, no qual interpretou a música título, de Edith Piaf e M. Monet, além de "Traição" (Vanusa), "Arco-Íris" (Vanusa), dentre outras.

Em meados da década de 1990, começou a escrever a sua autobiografia intitulada "Vanusa - A Vida Não Pode Ser Só Isso!", publicada em 1997 pela editora paulistana Saraiva. Ainda em 1997, teve seu show "A Arte do Espetáculo" gravado e lançado em CD pela RGE.

Nos primeiros anos 2000, continuou em atividade apresentando-se em programas televisivos e shows pelo Brasil.

Em 2001, a BMG lançou dois CDs com a regravação de quatro de seus LPs.


Em 2005, participou de diversos eventos e shows comemorativos dos 40 anos da Jovem Guarda, o projeto "Festa de Arromba - 40 Anos da Jovem Guarda", apresentado durante todo o mês de agosto, no Teatro II do Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro, passando também por Brasília e São Paulo, no qual fez dupla com os Golden Boys, em temporada de 3 dias, alternada com outros expoentes da Jovem Guarda, que também se apresentaram em duplas, como Erasmo Carlos e Wanderléa, Jerry Adriani e Waldirene, Wanderley Cardoso e Martinha. Com agenda lotada, Vanusa participou de gravações, shows e programas comemorativos por todo o Brasil.

Em 2015, lançou o CD "Vanusa Santos Flores", seu primeiro disco de músicas inéditas depois de 20 anos. Produzido por Zeca Baleiro, o CD contou com as músicas "Esperando Aviões" (Vander Lee), "Compasso" (Angela Rô Rô e Ricardo MacCord), "Abre Aspas" (Nô Stopa e Marcelo Bucoff), "O Silêncio dos Inocentes" (Zé Ramalho), "Traição" (Vanusa), "Era Disso Que Eu Tava Falando" (Renata Fausti e Mário Marcos), "Tapete da Sala" (Vanusa, Luiz Vagner e Antônio Luiz), "Haja o Que Houver" (Pedro Ayres Magalhães), "Tudo Aurora" (Vanusa e Zeca Baleiro) e "Mistérios"(Zé Geraldo e Mário Marcos).

Vanusa foi casada duas vezes, uma com o cantor Antônio Marcos, com o qual teve uma filha. E também com o ator e diretor de televisão Augusto César Vannucci, com quem teve outro filho.

Problemas de Saúde

Em março de 2009, ao participar do Primeiro Encontro Estadual Para Agentes Públicos na Assembleia Legislativa de São Paulo, Vanusa cantou o Hino Nacional Brasileiro de forma desafinada e errada. Mais tarde alegou a má interpretação por estar sob a ação de um remédio contra labirintite, errando a letra.

No ano seguinte, Vanusa voltou a ter problemas em outra apresentação, ao cantar no Parque do Idoso, em Manaus, em um evento em homenagem ao Dia dos Pais. Ela errou a letra de "Sonhos de Um Palhaço" (Antônio Marcos), e para compensar o equívoco, cantou um trecho de "Como Vai Você" (Antônio Marcos). Segundo ela, sempre confundia as duas canções.

Em setembro de 2020, Vanusa foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital dos Estivadores, em Santos, SP, após ter apresentado quadro de pneumonia. No mês seguinte obteve alta hospitalar, depois de 32 dias de internação.

Vanusa sofria de outras doenças, como uma síndrome demencial, semelhante ao Mal de Alzheimer. Todos esses problemas foram causados por um histórico de depressão pelo qual a artista passou durante a década de 2000, que a tornou dependente de remédios e bebidas alcoólicas.

Depois da alta hospitalar, Vanusa retornou para uma casa de repouso em Santos, SP, onde estava morando havia dois anos.

Morte

Vanusa morreu na manhã de domingo, 08/11/2020, aos 73 anos, vítima de insuficiência respiratória, em uma casa de repouso em Santos, no litoral de São Paulo.

Um enfermeiro do local, onde Vanusa morava há dois anos, percebeu que ela estava sem batimentos cardíacos, por volta das 5h30. Uma equipe da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) foi acionada e constatou que a causa da morte foi uma insuficiência respiratória.

Segundo funcionários da casa de repouso, Vanusa recebeu a visita de Amanda, sua filha mais velha, no sábado, 07/11/2020. Ela cantou, brincou, riu e se alimentou bem. Vanusa fazia fisioterapia e outros tratamentos na residência para idosos.

Em setembro e outubro de 2020, Vanusa esteve internada no Complexo Hospitalar dos Estivadores, em Santos, SP, por causa de um quadro grave de pneumonia.

Coincidentemente Vanusa faleceu no dia em que seu ex marido, Antônio Marcos, completaria 75 anos se estivesse vivo.

Aretha Marcos, também filha de Vanusa, publicou homenagens à mãe nas redes sociais. Em uma delas, ela relembrou que, neste domingo, seu pai, Antônio Marcos, completaria 75 anos, e escreveu:
"O amor é impossível. Hoje, aniversário do meu pai, Antônio Marcos ele veio buscar minha mãe para viverem juntos na eternidade. A vida é arte!"
O filho Rafael Vannucci, ator, cantor e produtor de eventos, que mora em Goiânia, foi para São Paulo para encontrar a família.

Discografia

  • 1968 - Vanusa (RCA Victor, LP)
  • 1969 - Vanusa (RCA Victor, LP)
  • 1971 - Vanusa (RCA Victor, LP)
  • 1973 - Vanusa (Continental, LP)
  • 1974 - Vanusa (Continental, LP)
  • 1975 - Amigos Novos e Antigos (RCA Victor, LP)
  • 1977 - Trinta Anos (Som Livre, LP)
  • 1977 - Cinderela 77 (Copacabana, LP)
  • 1979 - Viva Vanusa (RCA Victor, LP)
  • 1980 - Vanusa (RCA Victor, LP)
  • 1981 - Vanusa (RCA Victor, LP)
  • 1982 - Primeira Estrela (RCA Victor, LP)
  • 1985 - Vanusa (Barclay, LP)
  • 1986 - Mudanças (Inverno e Verão, LP)
  • 1988 - Cheiro de Luz (Discoban, LP)
  • 1991 - Viva Paixão (CID, LP)
  • 1994 - Hino Ao Amor (Leblon Records, LP)
  • 1997 - A Arte do Espetáculo (RGE, CD)
  • 2001 - Vanusa 2 LPs Em 1, Volume 2 (BMG, CD)
  • 2001 - Vanusa 2 LPs Em 1, Volume 1 (BMG, CD)
  • 2005 - Diferente
  • 2015 - Vanusa Santos Flores (Saravá Discos, CD)

#FamososQuePartiram #Vanusa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!