Mostrando postagens com marcador Procurador. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Procurador. Mostrar todas as postagens

Albino Pinheiro

ALBINO COELHO PINHEIRO
(65 anos)
Jornalista, Procurador, Pesquisador da MPB e Especialista em Samba e Carnaval

* Rio de Janeiro, RJ (23/09/1933)
+ Rio de Janeiro, RJ (24/06/1999)

Filho de Albino de Mesquita Pinheiro e Elza Maria Coelho.

Crítico, jornalista, pesquisador da Música Popular Brasileira, especialmente em samba e em carnaval, um dos fundadores da Banda de Ipanema (1965), conhecido como General da Banda e Festeiro-Mor, foi um dos mais célebres personagens da música e da vida boêmia do Rio de Janeiro.

Foi o prefeito espiritual do Rio de Janeiro, título há muito tempo outorgado pela unanimidade dos cariocas ligados à cultura popular. "O maior prefeito que esta cidade já teve, sem nunca ter sido prefeito", como expressou em crônica o jornalista e escritor Fausto Wolff. No mesmo texto, Fausto Wolff se refere a Albino Pinheiro como o "maior poeta que não escreveu um verso, e maior compositor que não escreveu um samba".

Procurador aposentado, podia ser encontrado quase todos os dias tomando chope em algum bar tradicional e era um dos mais conhecidos agitadores culturais da cidade. Ele levou para Ipanema e toda a  zona sul as tradições de boêmia da Lapa, das gafieiras e do carnaval de rua do subúrbio.

Foi um dos responsáveis pela transformação de Ipanema no bairro da moda na década de 60. Em 1965, vendo o desaparecimento dos blocos e festas populares da zona sul, Albino Pinheiro e alguns amigos criaram a Banda de Ipanema, que ajudou a revitalizar o carnaval de rua.

Albino Pinheiro era responsável por um programa, "Só Para Lembrar", exibido pela TV Educativa, onde focalizava os grandes mestres ­ compositores, instrumentistas, cantores ­ do cancioneiro carioca. Foi, também, jurado de festivais de música popular em todo o país, colaborando em jornais e revistas, além de ter sido comentarista dos desfiles das escolas de samba na televisão.

Dentre os vários trabalhos que Albino Pinheiro criou e produziu, o "Projeto Seis e Meia", foi sem dúvida alguma, um dos mais importantes. Nesse projeto foram revelados vários intérpretes e compositores, que ficaram conhecidos do grande público.

Albino Pinheiro costumava dizer que no Rio de Janeiro jamais morreria sozinho. Dito e feito. Cantando, dançando e chorando, a Banda de Ipanema o acompanhou ao Cemitério de São João Batista.

Participou do filme "Memória Viva" (1987), sob a direção de Octávio Bezerra.

Albino Pinheiro faleceu vítima de um infarto aos 65 anos, no dia 24/06/1999. Ele sofria de câncer na Medula Óssea há 2 anos.