Mostrando postagens com marcador Lutador. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lutador. Mostrar todas as postagens

Yoshihide Shinzato

Yoshihide Shinzato
(80 anos)
Mestre em Karate

☼ Okinawa, Japão (15/03/1927)
┼ Santos, SP (13/01/2008)

Yoshihide Shinzato foi um mestre de karatê nipo-brasileiro. Começou a praticar karatê aos 12 anos de idade, na escola (curso ginasial) com Anbun Tokuda (1886-1945), contemporâneo de Choshin Chibana e, como este, discípulo do Grão-Mestre Anko Itosu.

Nasceu em Okinawa, província situada no extremo sul do Japão, mais precisamente no arquipélago de Ryukyu, a capital política é a cidade de Naha. Estudou até o 1º ano do Ensino Médio na Escola Estadual de Okinawa e depois fui para o colégio militar em Tóquio. Em Pequim, China, atuou como rádio comunicador.

Após completar os estudos, Yoshihide Shinzato entrou para a academia do renomado Mestre Choshin Chibana. Durante a Segunda Guerra Mundial, Yoshihide Shinzato serviu no exército japonês como rádio-telegrafista, em Tóquio, retornando ao fim da guerra a Okinawa, onde retomou os treinamentos com Choshin Chibana.

Devido às grandes dificuldades decorrentes do período pós-guerra, Yoshihide Shinzato resolveu aceitar o convite de um tio que havia emigrado para o Brasil e tomou um navio, desembarcando em Santos, SP, em 15/01/1954. Fixou residência no município de Praia Grande. Assim que chegou, imbuído do espírito de aventura, Yoshihide Shinzato passou a trabalhar na lavoura onde plantava principalmente agrião, tornando-se, em seguida, feirante em Santos. Neste período, ele começou a praticar o karatê nos fundos de sua casa, onde ensinava ao filho mais velho e aos filhos de alguns membros da colônia Okinawana local.

A Fundação da Associação Okinawa

Em 1962 Yoshihide Shinzato fundou a sua primeira academia em Santos, a Associação Okinawa Shorin-ryu Karate-Do do Brasil, que viria mais tarde a se tornar uma forte associação. 5 anos depois, fundou uma organização nacional, a União Shorin-ryu Karate-Do do Brasil, com centenas de academias e clubes filiados.

Apesar de muito ligado ao espírito marcial do karatê, Yoshihide Shinzato dava muita importância ao aspecto esportivo da luta, incentivando a prática do karatê de competição, sem o qual, nos dias de hoje, uma arte marcial não sobrevive, principalmente com o advento do karatê olímpico, após o reconhecimento da modalidade pelo Comitê Olímpico Internacional.

Apesar de dar aulas nos fundos de sua casa na Praia Grande algum tempo após sua chegada ao Brasil, somente em 03/06/1962 Yoshihide Shinzato fundou a sua primeira escola, a Academia Santista de Karate-Do, na Rua Brás Cubas, em Santos.

Em 15/12/1962 a academia foi transferida para a Rua 15 de Novembro, 198. Três anos mais tarde, em 10/06/1965, passou a se chamar Associação Okinawa Shorin-ryu Karate-Do do Brasil, sendo transferida mais uma vez para a Rua General Câmara e depois para Avenida Senador Feijó, 219, 2º andar, em 15/05/1976.

Hoje sua academia, também conhecida como Shin Shu Kan - nome derivado dos ideogramas que compõem o seu próprio nome, Shin de Shinzato e Shu ou Yoshi de Yoshihide, e Kan que significa academia - fica situada na Avenida Senador Feijó, sempre em Santos, para onde foi transferida em janeiro de 2000.

Seu dojo é frequentemente visitado por karatecas, de todas as faixas e graus, não só do Brasil como também do exterior. Nele são realizados os mais importantes cursos, dos quais participam praticantes, inclusive de outros estilos, sendo considerado a sede da União Shorin-ryu Karate-Do do Brasil, e reuniões e assembleias onde são tomadas as principais decisões da entidade.

Bastante espaçosa e bem equipada com makiwara (tábua de madeira para calejamento de mãos e pés), sunatawara (sacos de areia para treinamento de socos, cuteladas e chutes), e equipamento de musculação (apesar de utilizar ainda os antigos implementos inventados pelos professores de Okinawa, tais como os feixes de bambu e os jarros de cerâmica cheios com areia), a academia recebe mais de 200 alunos por dia.

Yoshihide Shinzato e um aluno
Pelos registros já passaram pela escola mais de 7000 alunos do sexo masculino e mais de 300 do sexo feminino. Na academia são ministradas aulas pela manhã e à tarde nas segundas, quartas, sextas-feiras e sábados, e à tarde nas terças e quintas-feiras.

Em quase todas as aulas o Mestre Shinzato participava com seus ensinamentos preciosos, onde faziam sucesso as técnicas de yakusoku-kumite - treinamento de defesa pessoal. O seu método de aula incorporava uma ginástica completa (com quase uma hora de duração), bases de ataque e defesa, katas, técnicas de defesa pessoal, luta de competição, prática com armas antigas e treinamento em aparelhos de fortalecimento físico e teoria de karate, onde estavam incluídos o embasamento biofísico e bioquímico e filosofia zen-budista. O principal objetivo era atingir o fortalecimento físico e mental do praticante através de uma equilibrada harmonia de interação e a construção de uma perfeita ética de conduta moral.

Dentre os alunos de Yoshihide Shinzato destacaram-se caratecas famosos, alguns campeões nacionais e internacionais do cenário brasileiro, sul-americano e pan-americano, outros eminentes políticos da Baixada Santista. Pelo seu grande trabalho de divulgação nacional e internacional do caratê em prol, não apenas da modalidade, mas também de formação do caráter da juventude que pratica este esporte maravilhoso, Yoshihide Shinzato recebeu muitos prêmios, sendo o mais famoso deles o título de Cidadão Santista, dado pela Câmara Municipal de Santos, em 1983.

Em Okinawa seu trabalho foi reconhecido também e de Katsuya Miyahira recebeu, em 1986, o título de 9º Dan Hanshi. Na Confederação Brasileira de Karate Shinzato é considerado 8º Dan.

Todo último domingo de cada mês são realizados treinamentos especiais para faixas-pretas (os quais são obrigatórios para aqueles que almejam os graus mais altos). Cursos de arbitragem são ministrados pela União com a anuência da Confederação Brasileira de Karatê e da Federação de Karate do Estado de São Paulo. Nos outros estados também é grande a participação das filiadas nos cursos organizados pelas Federações locais. Diversos torneios são realizados a nível estadual e municipal, mas uma vez por ano é realizado um campeonato do estilo Shorin Ryu do qual todas as academias e clubes filiados costumam participar. No fim de cada ano a União, sob a égide de Yoshihide Shinzato, realizava-se o Shorin-ryu Karate-Do Bonenkai, uma grande festa de confraternização onde são realizadas demonstrações e cursos de atualização de kata.

Mudanças na Shorin em Okinawa

De tempos em tempos, Yoshihide Shinzato viajava a Okinawa para reciclar o seu karate com Choshin Chibana, sempre trazendo as novidades da ilha para o Brasil, procurando evitar a degeneração do estilo devido à distância em relação aos centros onde o Shorin-ryu é praticado em Okinawa.

Após a morte de Choshin Chibana em 1969, Yoshihide Shinzato passou a manter relações mais estreitas com Katsuya Miyahira, o sucessor de Choshin Chibana no estilo Shorin da linha Kobayashi em Okinawa. Paralelamente, Yoshihide Shinzato associou-se com o Mestre Katsuyoshi Kanei, falecido em 1993, então presidente da International Okinawa Kobudo Association, procurando complementar o curriculum do Shorin-ryu com as técnicas de lutas com as armas tradicionais de Okinawa.

Katsuya Miyahira
Visitas do Mestre Miyahira ao Mestre Shinzato

Katsuya Miyahira visitou o Brasil em 1977, participando dos festejos do 15º aniversário de fundação da Associação Okinawa Shorin-ryu Karate-Do do Brasil e do 10º aniversário da União Shorin-ryu Karate-Do do Brasil, e em 1991, na comemoração do 20º aniversário da Associação, ocasião em que fez demonstrações e ministrou cursos de kata para os caratecas brasileiros.

Em 1992, Yoshihide Shinzato reuniu uma equipe com os melhores atletas do estilo e participou, em Okinawa, do Uchinanchu Festival, onde fez demonstrações e visitou mestres e academias famosos da ilha.

A Ligação de Mestre Shinzato ao Karatê

Quando indagado, Yoshihide Shinzato costumava responder que, para ele, o caratê se resume em: disciplina, responsabilidade, harmonia, humildade e dignidade.

Além disso, informava que, quando chegou ao Brasil, foi muito difícil se estabelecer, mas, segundo uma velha frase de seus antepassados que diz "Três anos sobre a pedra", atingiu seus objetivos graças ao esforço e à participação de seus alunos, bem como à compreensão do povo brasileiro que o recebeu com muito carinho e entusiasmo.

Com relação à técnica do karatê, Yoshihide Shinzato explicava que a prática do kata é a essência da arte. No entanto, a prática dos kihons também devia ser enfatizada para que o aprendizado fosse completo, tanto que tinha elaborado e sistematizado kihons ao longo de sua vida, tornando o estilo Shorin um dos mais bem fundados neste tópico.

O Livro Kihon

Em 2006, Mestre Shinzato publicou um livro onde mostra a sua grande visão sobre o karatê, apresentando o estilo Shorin e registrando para a posteridade os kihons e os katas do estilo que são os seguintes: Naihanchi Shodan, Fukyu-gata dai Ichi, Naihanchi Nidan, Naihanchi Sandan, Fukyu-gata dai Ni, Pinan Shodan, Pinan Nidan, Pinan Sandan, Pinan Yondan, Pinan Godan, Itosu no Passai, Kusanku Sho, Matsumura no Passai, Kusanku Dai, Chinto, Jion, Gojushiho, Unshu, Teesho, Koryu Passai (estes dois últimos incorporados recentemente pelo Mestre Katsuya Miyahira) e Ryuko (este incorporado recentemente pelo próprio Mestre Shinzato), dos quais destaca como mais importantes os Naihanchi, os Kusanku e os Passai.

Quando perguntado a Yoshihide Shinzato qual o professor de karatê mais importante para o Brasil, ele respondeu que foi o pioneiro o Mestre Harada (do estilo Shotokan), praticamente o primeiro a introduzir a luta no nosso país. Indagando, então, sobre os que ainda estão vivos e atuantes, disse Koji Takamatsu, pelo Wado-ryu, e Juichi Sagara, pelo Shotokan.

Mestre Shinzato e Sua Família

Yoshihide Shinzato tinha cinco filhas, três filhos que também praticavam o karatê assiduamente e 15 netos. O mais velho é o único nascido em Okinawa, Masahiro Shinzato, atualmente graduado como 9º Dan e que, até 1999, era o presidente da Federação de Paulista de Karate-do. O seu filho do meio, formado em engenharia aeronáutica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Nelson Mitsuhide Shinzato, é 4º Dan. O caçula, Eraldo Kazuo Shinzato, é engenheiro formado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e é 1º Dan.

Shin Shu Kan no Exterior

Com o crescente aumento do número de praticantes do Shorin-ryu Karate-Do nos países vizinhos ao Brasil, tais como Uruguai, Argentina e Bolívia, sempre sob a tutela do Mestre Shinzato, os representantes desses países resolveram fundar, em 1991, a International Union Shorin-ryu Karate-Do Federation. Embora na Argentina o Shorin-ryu já estivesse representado pelo Mestre Shoei Miyazato (8º Dan), um discípulo direto de Katsuya Miyahira, esse okinawano deixou suas atividades relativas ao caratê por motivos de saúde, fazendo com que Katsuya Miyahira delegasse ao Mestre Shinzato a coordenação do estilo naquele país. Com a fundação da International Union, Yoshihide Shinzato passou a ter um controle mais organizado das atividades, agora não apenas na Argentina, mas também nos outros países da América do Sul onde se verificava a presença do Shorin-ryu. Existem representantes ainda nos Estados Unidos e na Austrália.

Yoshihide Shinzato esperava que este organismo internacional crescesse ainda mais nos próximos anos, principalmente depois que o karatê foi oficialmente reconhecido pelo Comitê Olímpico Internacional. Por outro lado, Yoshihide Shinzato já havia dado os primeiros passos no sentido de registrar o estilo na World Karate-do Federation (WKF), substituta da primeira World Union Of Karate-do Organizations (WUKO), hoje extinta, que é a entidade internacional representante do esporte perante o Comitê Olímpico Internacional.

Homenagens

  • 23/06/1972 - Cidadão Santista - Câmara Municipal de Santos
  • 1978 - Medalha Primavera - Sociedade Geográfica Brasileira, São Paulo
  • 1994 - Grã-Cruz - Ordem ao Mérito Municipalista - Sociedade dos Estados Municipalistas, São Paulo
  • 31/03/2001 - Defensor de Bens Culturais - Câmara Municipal de São Paulo
  • 16/06/2001 - Medalha de Honra ao Mérito - Brás Cubas - Câmara Municipal de Santos
  • 8° Dan, pela World Karate Federation (WKF)
  • 9° Dan - Kobu-do Shin Shu Kan
  • 9° Dan, pela Federação Paulista de Karate-do (FPK)
  • 9° Dan, pela Confederação Brasileira de Karatê-do (CBK)
  • 10° Dan - Okinawa Shorin-Ryu Karate-do
  • Comendador do Outono do Governo do Japão

Fonte: Wikipédia

Mestre Pastinha

VICENTE JOAQUIM FERREIRA PASTINHA
(92 anos)
Lutador de Capoeira

* Salvador, BA (05/04/1889)
+ Salvador, BA (13/11/1981)

Vicente Joaquim Ferreira Pastinha nasceu em 1889, filho do espanhol Jose Señor Pastinha e de Maria Eugenia Ferreira. Seu pai era um comerciante, dono de um pequeno armazém no centro histórico de Salvador e sua mãe ,com a qual ele teve pouco contato, era uma negra natural de Santo Amaro da Purificação e que vivia de vender acarajé e de lavar roupas.

Mestre Pastinha foi um dos principais mestres de Capoeira da história. Ele dizia não ter aprendido a Capoeira em escola, mas "com a sorte". Afinal, foi o destino o responsável pela iniciação do pequeno Pastinha no jogo, ainda garoto.

Viveu uma infância feliz, porém, modesta. Durante as manhãs frequentava aulas no Liceu de Artes e Ofício, onde também aprendeu pintura. À tarde, empinava arraia e jogava capoeira. Com 13 anos era o mais respeitado e temido do bairro. Mais tarde, foi matriculado por seu pai na Escola de Aprendizes de Marinheiro que não concordava muito com a prática da capoeira pois achava que era muita vadiagem. Conheceu os segredos do mar e ensinou aos amigos que conquistou a arte da capoeira.


Em depoimento prestado no ano de 1967, no Museu da Imagem e do Som, Mestre Pastinha relatou a história da sua vida:

"Quando eu tinha uns dez anos - eu era franzininho - um outro menino mais taludo do que eu tornou-se meu rival. Era só eu sair para a rua - ir na venda fazer compra, por exemplo - e a gente se pegava em briga. Só sei que acabava apanhando dele, sempre. Então eu ia chorar escondido de vergonha e de tristeza."

A vida iria dar ao moleque Pastinha a oportunidade de um aprendizado que marcaria todos os anos da sua longa existência.

"Um dia, da janela de sua casa, um velho africano assistiu a uma briga da gente. Vem cá, meu filho, ele me disse, vendo que eu chorava de raiva depois de apanhar. Você não pode com ele, sabe, porque ele é maior e tem mais idade. O tempo que você perde empinando raia vem aqui no meu cazuá que vou lhe ensinar coisa de muita valia. Foi isso que o velho me disse e eu fui." 

Começou então a formação do mestre que dedicaria sua vida à transferência do legado da Cultura Africana a muitas gerações. Segundo ele, a partir deste momento, o aprendizado se dava a cada dia, até que aprendeu tudo. Além das técnicas, muito mais lhe foi ensinado por Benedito, o africano seu professor.

"Ele costumava dizer: não provoque, menino, vai botando devagarinho ele sabedor do que você sabe (…). Na última vez que o menino me atacou fiz ele sabedor com um só golpe do que eu era capaz. E acabou-se meu rival, o menino ficou até meu amigo de admiração e respeito."


Ensino e Difusão

Foi na atividade do ensino da Capoeira que Pastinha se distinguiu. Ao longo dos anos, a competência maior foi demonstrada no seu talento como pensador sobre o jogo da Capoeira e na capacidade de comunicar-se. Os conceitos do Mestre Pastinha formaram seguidores em todo Brasil. A originalidade do método de ensino, a prática do jogo enquanto expressão artística formaram uma escola que privilegia o trabalho físico e mental para que o talento se expanda em criatividade. Foi o maior propagador da Capoeira Angola, modalidade tradicional do esporte no Brasil.

Em 1941, fundou a primeira escola de capoeira legalizada pelo governo baiano, o Centro Esportivo de Capoeira Angola (CECA), no Largo do Pelourinho, na Bahia. Hoje, o local que era a sede de sua academia é um restaurante do Senai.

Em 1966, integrou a comitiva brasileira ao primeiro Festival Mundial de Arte Negra no Senegal, e foi um dos destaques do evento. Contra a violência, o Mestre Pastinha transformou a capoeira em arte. Em 1965, publicou o livro "Capoeira Angola", em que defendia a natureza desportista e não-violenta do jogo.

Entre seus alunos estão Mestres como João Grande, João Pequeno, Curió, Bola Sete (Presidente da Associação Brasileira de Capoeira Angola), entre muitos outros que ainda estão em plena atividade. Sua escola ganhou notoriedade com o tempo, frequentada por personalidades como Jorge Amado, Mário Cravo e Carybé, cantada por Caetano Veloso no disco "Transa" (1972).

Durante décadas, dedicou-se ao ensino da Capoeira, e mesmo quando cego não deixava de acompanhar seus alunos.

"Tudo o que eu penso da Capoeira, um dia escrevi naquele quadro que está na porta da Academia. Em cima, só estas três palavras: Angola, capoeira, mãe. E embaixo, o pensamento: Mandinga de escravo em ânsia de liberdade, seu princípio não tem método e seu fim é inconcebível ao mais sábio capoeirista."

Com 84 anos de idade, doente, e fisicamente debilitado, foi morar no Pelourinho em um pequeno quarto, com sua segunda esposa, Dona Maria Romélia. Deixando a antiga sede da Academia, devido aos problemas financeiros, o único meio de sobrevivência provinha dos acarajés que sua esposa vendia.

Em abril de 1981, Mestre Pastinha participou da última roda de Capoeira de sua vida.

Apesar da fama, o Velho Mestre terminou seus dias esquecido. Expulso do Pelourinho em 1973 pela prefeitura, sofreu dois derrames seguidos, que o deixaram cego e indefeso. Numa sexta-feira, 13/11/1981, Mestre Pastinha se despediu desta vida aos 92 anos, cego e paralítico, vítima de uma Parada Cardíorrespiratória.


Eduardo Maiorino

EDUARDO MAIORINO
(33 anos)
Lutador de Muay Thai

* Campo Grande, MS (16/08/1979)
+ Campo Grande, MS (23/12/2012)

Eduardo Maiorino fez 11 lutas profissionais no Mixed Martial Arts (MMA), com três vitórias e oito derrotas. Ele já perdeu para alguns nomes bem conhecidos do esporte, como Junior Cigano (no Minotauro Fights 5, em 2006), Rafael Feijão (no Pantanal Combat, em 2006), e o italiano Alessio Sakara (no Real Fight 1, em 2004). O último combate dele foi contra Gerônimo Mondragon, também do Ultimate Fighting Championship (UFC), em maio deste ano, quando foi nocauteado com 50 segundos do primeiro round no Max Fight 13.

Ele foi ainda três vezes campeão brasileiro de Muay Thai, campeão do K-1 Brasil, da World Muay Thai Association (WMTA), campeão da World Kick-Boxing Corporation (WKBC) e ministrava aulas de Muay Thai e MMA em Campo Grande.

Eduardo Maiorino voltou a Campo Grande neste ano, depois de uma temporada nos Estados Unidos. No tempo em que esteve fora, Eduardo Maiorino treinou os lutadores da American Top Team (ATT), uma das principais equipes de Mixed Martial Arts (MMA) do mundo e ministrou aulas nas academias Pacific Ring Sports e Ralph Gracie.

Morte

Morpheus, como era conhecido, sofreu um ataque cardíaco no começo da tarde de domingo, 23/12/2012. Segundo Maycom Gomes, que era aluno de Eduardo Maiorino, o ex-campeão mundial estava na casa de um aluno se preparando para um campeonato em São Gabriel do Oeste,  MS, a 140 km de distância da capital, quando começou a passar mal. Ele foi levado para a Santa Casa, mas não resistiu e morreu por volta das 16:10 hs. Eduardo Maiorino seria árbitro do evento em São Gabriel do Oeste.

O corpo de Eduardo Maiorino foi transferido para o Instituto Médico e Odontológico Legal para a realização da necropsia. O velório e sepultamento ocorre na segunda-ferira, 24/12/2012 no Cemitério Parque de Campo Grande.

Eduardo Maiorino deixou esposa e três filhos.

Fonte: Esporte ÁgilMidia Max News e Campo Grande News

Ted Boy Marino

MARIO MARINO
(72 anos)
Ator e Lutador de Luta Livre

* Fuscaldo Marina, Itália (18/10/1939)
+ Rio de Janeiro, RJ (27/09/2012)

Ted Boy Marino nasceu em Fuscaldo Marina, na Calábria, província italiana. Foi para Buenos Aires em 1953, no porão de um navio, aos 12 anos de idade, com os pais e mais 5 irmãos. Trabalhava como sapateiro em Buenos Aires, mas aproveitava o tempo livre para treinar luta livre e praticar halterofilismo. Em 1962 já estava participando de programas de Telecatch nos canais 9 de Buenos Aires e 12 de Montevidéu.

Em 1965, Ted Boy Marino chegou ao Brasil. Pouco tempo depois, foi contratado como lutador de Telecatch pela TV Excelsior, onde fez grande sucesso. Nos ringues de luta-livre, ao lado de lutadores como Tigre Paraguaio, Electra, Alex e outros, derrotava vilões como Aquiles, Verdugo, Rasputim Barba Vermelha, El Chasques e Múmia.

Nessa época, também participou do programa "Os Adoráveis Trapalhões", pela mesma TV Excelsior. A diretoria da emissora mandou Wilton Franco fazer um programa com ele e mais o cantor Wanderley Cardoso, ídolo da juventude. Contudo, Wilton Franco precisava de alguém para segurar o texto e escolheu para isto o cantor Ivon Curi, além de escalar Renato Aragão, para fazer o público rir.

Daí surgiu o quarteto, cujo programa atingia entre 50 e 60 pontos de ibope. Em 1968 Renato Aragão e Ted Boy Marino estrelaram o filme "Dois na Lona", no qual Ted Boy Marino vive um lutador que disputa o campeonato brasileiro e enfrenta na final o sanguinário Lobo, vivido por Roberto Guilherme, que até hoje trabalha nos programas de Renato Aragão, sendo o papel mais comum o de Sargento Pincel.

Na TV Globo, Ted Boy Marino participou de quatro programas que apareciam quase que diariamente na telinha. De segunda a sexta tinha o "Sessão Zás Trás", na parte da tarde, onde apresentava desenhos animados. De segunda a sexta, antes do "Jornal Nacional", entrava a novelinha "Orion IV x Ted Boy Marino", onde o protagonista combatia vilões. Nas terças, era a vez do "Oh, Que Delícia de Show", um programa de variedades onde Ted Boy Marino apresentava cantores e números circenses em companhia da atriz Célia Biar. Já aos sábados era exibido o Telecatch, no horário nobre das 9 às 10 da noite e também aos domingos, em São Paulo, ao vivo.


A partir da década de 1980, com o declínio do gênero Telecatch, Ted Boy Marino atuou como coadjuvante no programa "Os Trapalhões", geralmente no papel de vilão, além de fazer pontas em programas humorísticos como a "Escolinha do Professor Raimundo". Também se apresentou em clubes e teatros do interior.

Aposentado, Ted Boy Marino morava no bairro do Leme, Rio de Janeiro, e podia ser visto frequentemente na orla, na altura do Restaurante Mariu's, com seus amigos do vôlei de praia.

Em entrevista recente, Ted Boy Marino disse detestar ver o esporte que praticava comparado com o MMA. "Na verdade, sou um grande aluno dos mexicanos da lucha libre. O que eles fazem é um esporte alegre, divertido, de circo. Como muitos deles, eu não consigo bater em moscas. Se elas vêm, eu só abano. Não sou como o Anderson Silva, que movimentou o Brasil todo com aquela luta agressiva", disse. "Aquilo é coisa para bandido, pô! É matar ou morrer, cheio de violência. Eles dão soco na cara, cotovelada, joelhada... O que é isso", afirmou.

Ted Boy Marino defendia a proibição das transmissões do UFC. "Ou exibir em horário bem tarde para evitar que crianças pudessem assistir". Decepcionado com a decadência do Telecatch no Brasil, Ted Boy Marino comparava a popularidade do esporte no México: "Lá se pratica mais luta livre do que futebol. Tenho muita saudade", confessou. 


Morte

Ted Boy Marino morreu no início da noite de quinta-feira, 27/09/2012, no Rio de Janeiro. Foi submetido a uma cirurgia de urgência no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de janeiro. Aos 72 anos, após cerca de nove horas de operação, Ted Boy Marino não resistiu a uma parada cardíaca e morreu. A informação foi confirmada pela família e pelo hospital. O ator-lutador deu entrada no setor de emergência do hospital durante a manhã com um quadro de trombose e foi encaminhado para o centro cirúrguco imediatamente.

Segundo um de seus filhos, Ted Boy Marino, o ex-lutador já estava sendo submetido a sessões de hemodiálise há três anos, o que enfraqueceu seu organismo. No fim da tarde de quarta-feira, ao chegar de sua última sessão, Ted Boy Marino teria sentido uma dormência nas pernas e não sentia uma delas. Ao ser levado para o hospital, os médicos constataram que houve um entupimento das artérias. Ele foi submetido a uma cirurgia, mas não resistiu.

"Ele era um cara muito debochado, estava feliz até seus últimos dias. Enfrentava a vida da melhor forma possível" - afirmou o filho.

Ted Boy Marino será velado na sexta-feira, 28/09/2012, a partir das 9:00 hs, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, Zona Sul do Rio.

Filmografia

  • 1983 - Os Três Palhaços e o Menino
  • 1982 - Os Paspalhões em Pinóquio 2000
  • 1967 - Dois na Lona


Mestre Bimba

MANOEL DOS REIS MACHADO
(73 anos)
Lutador de Capoeira

* Salvador, BA (23/11/1900)
+ Goiânia, GO (05/02/1974)

Também conhecido como Mestre Bimba, foi criador da Luta Regional Baiana, mais tarde chamada de Capoeira Regional.

Mestre Bimba era filho de Luiz Cândido Machado e Maria Martinha do Bonfim. Nasceu no bairro de Engenho Velho, freguesia de brotas, Salvador, Bahia em 23 de novembro de 1900. Recebeu esse apelido devido a uma aposta que sua mãe fez com a parteira que o "aparou". Ao contrário do que a mãe achava, a parteira disse que iria nascer um menino, se fosse receberia o apelido de Bimba pôr se tratar, na Bahia, de um nome popular do órgão sexual masculino.

Começou a praticar Capoeira aos 12 anos de idade na estrada das Boiadas, hoje o bairro Negro da Liberdade, com o africano Bentinho, capitão da navegação baiana.

Foi estivador durante 14 anos e começou a ensinar capoeira aos 18 anos de idade no bairro onde nasceu, no Clube União em Apuros. Até 1918 não existia academias como hoje e treinava-se nas esquinas, nas portas dos armazéns e até no meio do mato.

Considerada ineficaz e muito folclorizada a Capoeira da época, devido ao fato de os movimentos serem extremamente disfarçados. Mestre Bimba resolveu desenvolver um estilo de capoeira mais eficiente, inspirando-se no antigo "Batuque" (luta na qual seu pai era um grande lutador, considerado até um campeão) e acrescentando a sua própria criatividade, introduziu movimentos que ele julgava necessário para que a Capoeira fosse mais eficaz.

Então em 1928, Mestre Bimba criou o que ele denominou Capoeira Regional Baiana por ser esta praticada única e exclusivamente em Salvador.

O Reconhecimento da Capoeira no Brasil

A partir da década de 30, com a implantação do Estado Novo, o Brasil atravessou uma fase de grandes transformações políticas e culturais, onde os ideais nacionalistas e de modernização ficaram em evidência. Nesse contexto, surge a oportunidade de Mestre Bimba fazer com que o seu novo estilo de capoeira alcançasse as classes sociais mais privilegiadas.

Em 1936 fez a 1º apresentação do trabalho e no ano seguinte foi convidado pelo governador da Bahia, general Juracy Magalhães, para fazer uma apresentação do palácio do governador onde estavam presentes autoridades e convidados, inclusive o presidente da época que gostou muito da apresentação.

Dessa forma a Capoeira é reconhecida como Esporte Nacional e Mestre Bimba foi reconhecido pela Secretaria de Educação Ass. Pública do estado da Bahia como professor de Educação Física e sua academia foi a primeira no Brasil reconhecida por Lei.

A Diferença

O que fez com que Mestre Bimba se destacasse do demais capoeiristas de sua época, é que ele foi o primeiro a desenvolver um sistema de ensino e a ensinar em recinto fechado. Além desse sistema, ele elaborou técnicas de defesa pessoal até mesmo contra armas. Mestre Bimba preocupava-se demais com a imagem da Capoeira, não permitindo treinar em sua academia aqueles que não trabalhavam nem estudavam.

Antigo Método de Treinamento de Bimba

Mestre Bimba desenvolveu o primeiro método de ensino que vemos a seguir como ele funcionava:

• Exame de Admissão

Dizia-se que em outros tempos, Mestre Bimba aplicava uma gravata no pescoço do indivíduo que quisesse treinar e dizia "Agüenta ai sem chiar". Se agüentasse o tempo que ele mesmo determinava estaria matriculado. Mestre Bimba justificava esse critério dizendo que só queria macho em sua academia. Mais tarde mudou os critérios, submetendo o candidato a fazer alguns movimentos para que ele pudesse avaliar se o pretendente tinha condição ou não para praticar a Capoeira Regional. A próxima fase seria aprender a "Seqüência de Ensino".

• O Aprendizado

O aluno nesta fase, aprendia o que se chamava "Seqüência de Ensino" que eram as oito seqüências de movimentos de ataque, esquivas e contra ataque destinadas somente aos iniciantes, simulando as situações mais comuns que o aluno enfrentaria durante o jogo de Capoeira.

A Morte

Em 1973, Mestre Bimba, por motivos financeiros, deixou a Bahia. Faleceu em fevereiro de 1974 em Goiânia, vítima de um Derrame Cerebral.

Fonte: True Net

Hélio Gracie

HÉLIO GRACIE
(95 Anos)
Lutador de Jiu-Jitsu

* Belém, PA (01/10/1913)
+ Itaipava, RJ (29/01/2009)

Hélio Gracie junto com o patriarca da família Gracie, Carlos Gracie, foi responsável pela difusão do Jiu-Jitsu no Brasil e idealizador do estilo conhecido mundialmente como Brazilian Jiu-Jitsu.

Descendente distantes de escoceses, quando era apenas uma criança sua família mudou-se para o Rio de Janeiro. Devido à sua frágil saúde, Hélio, o mais franzino dos Gracie, não podia treinar o Jiu-Jitsu tradicional ensinado pelos seus irmãos, especialmente Carlos Gracie.

Observador, Hélio passou a acompanhar, dos seus treze aos dezesseis anos, as aulas ministradas por Carlos. Aprendeu todas as técnicas e ensinamentos de seu irmão, mas, para compensar seu biotipo, Hélio aprimorou a parte de solo tradicional, através do uso do dispositivo de alavanca, dando-lhe a força extra que não possuía, criando assim o Brazilian Jiu-Jitsu.

Hélio começou sua carreira de lutas quando finalizou o lutador de boxe profissional Antonio Portugal em 30 segundos em 1932. No mesmo ano Gracie lutou contra o estadunidense Fred Ebert por 14 rounds de 10 minutos cada, até que a luta foi interrompida pela polícia.

Em 1934, Hélio lutou contra Wladak Zbyszko, que era chamado de "campeão do mundo", por 3 rounds de 10 minutos. Esta luta terminou empatada.

Lutas Contra Judocas

Em 1932 Hélio Gracie lutou contra o judoca Namiki. A luta terminou empatada, mas segundo a família Gracie o sinal do fim da luta tocou segundos antes que Namiki batesse o braço. Hélio enfrentou duas vezes o judoca japonês Yasuichi Ono, depois que o japonês estrangulou o irmão George Gracie em outra luta. Ambas as lutas terminaram empatadas. Hélio Gracie também lutou contra o judoca japonês Kato duas vezes. A primeira luta, no estádio do Maracanã terminou empatada. Hélio pediu então uma segunda luta, realizada no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Hélio ganhou a segunda luta estrangulando Kato.

Em 1955, Hélio Gracie lutou contra o judoca Masahiko Kimura no Maracanã. Kimura ganhou usando uma chave de braço chamada ude-garame - que mais tarde seria chamada de kimura pelos gracies. Em 1994, durante uma entrevista, Hélio Gracie admitiu que ficou inconsciente ao ser estrangulado por Kimura, mas que reviveu e continuou lutando. A luta terminou com Kimura quebrando o braço de Hélio, que se recusava a bater (desistindo da luta). Seus técnicos então jogaram a toalha, terminando a luta. A imprensa brasileira relatou a luta como uma "vitória moral" de Hélio Gracie.

Hélio sofria de Leucemia Aguda. Segundo boletim emitido pelo hospital, Hélio Gracie teve falência Múltipla dos Órgãos. Foi enterrado no Cemitério Municipal de Petróplis, região serrana do Rio de Janeiro.

Mensagem do Mestre

"O Jiu-Jitsu que criei foi para dar chance aos mais fracos enfrentarem os mais pesados e fortes. E fez tanto sucesso, que resolveram fazer um Jiu-Jitsu de competição. Gostaria de deixar claro que sou a favor da prática esportiva e da preparação técnica de qualquer atleta, seja qual for sua especialidade. Além de boa alimentação, controle sexual e da abstenção de hábitos prejudiciais à saúde. O problema consiste na criação de um Jiu-Jitsu competitivo com regras, tempo inadequado e que privilegia os mais treinados, fortes e pesados. O objetivo do Jiu-Jitsu é, principalmente, beneficiar os mais fracos, que não tendo dotes físicos são inferiorizados. O meu Jiu-Jitsu é uma arte de autodefesa que não aceita certos regulamentos e tempo determinado. Essas são as razões pelas quais não posso, com minha presença, apoiar espetáculos, cujo efeito retrata um anti Jiu-Jitsu"

Hélio Gracie, em entrevista à Fightingnews


Fonte: Wikipédia e http://webmais.com


Ryan Gracie

RYAN GRACIE
(33 anos)
Lutador de Jiu-Jitsu

* Rio de Janeiro, RJ (14/08/1974)
+ São Paulo, SP (15/12/2007)

Ryan Gracie foi um lutador brasileiro de jiu-jitsu. Era membro da família Gracie, filho de Robson Gracie e Vera Lucia Gracie, e neto de Carlos Gracie, um dos criadores do Brazilian Jiu-Jítsu. Tem como irmãos: Renzo Gracie, Flavia Gracie e Ralph Gracie. É pai de Rayron Gracie, nascido em 08/12/2001.

Ryan Gracie foi o idealizador do Projeto Kapacidade, que usa o jiu-jitsu como ferramenta de inclusão social, visando educar, capacitar, elevar a auto estima e criar novos cidadãos. Hoje o projeto é tocado pela sobrinha Kyra Gracie, penta campeã mundial de jiu-jitsu, e já conta com mais de 150 crianças carentes. Ganhou cinco lutas no evento PRIDE Fighting Championships, na Copa Company McDonald's de Judô, no Panamericano de Jiu-Jitsu em 1997, no Campeonato Brasileiro de 1997 e no Campeonato Sem Kimono.

Temperamento

Ryan Gracie formou-se faixa preta de jiu-jitsu na Gracie Barra no Rio de Janeiro junto de seu irmão Renzo Gracie, e mudou-se para São Paulo para representar a equipe em 1994. Desde então construiu seu império na capital paulista, hoje a Gracie SP conta com cerca de 30 filiais.

De acordo com a polícia Ryan Gracie era uma pessoa de gênio bastante difícil, tendo sido preso diversas vezes. Em março de 2000, Ryan Gracie ficou dezoito dias preso no Rio de Janeiro, sua cidade natal, acusado de esfaquear um estudante durante uma briga que destruiu uma casa de festas na Barra da Tijuca. O caso foi apurado e Ryan Gracie foi absolvido pois a denuncia não procedia. Segundo testemunhas que estavam no local a briga começou por volta da meia-noite com uma discussão perto da piscina da casa, localizada na Ilha da Fantasia. Marcus Vinícius Marins da Rosa, 26 anos, conhecido como Chuck Noris do Meier e figura conhecida por arranjar confusões, ficou provocando o lutador Ryan Gracie e acabou acontecendo a briga. Segundo relatos, a faca pertencia a Marcus Vinicius e na briga o lutador Ryan Gracie a tomou de Marcus Vinicius e ele, Marcus Vinicius, acabou se ferindo. Marcus Vinicius já teve passagem pela polícia pelo mesmo fato. Acusou outra pessoa de ter lhe esfaqueado e ganhou uma boa soma em dinheiro devido a indenização.

Em 2005, foi preso em São Paulo, acusado de agredir fisicamente um policial civil e xingar uma delegada dentro do 78ª DP, nos Jardins. Ryan Gracie é acusado de agredir policial dentro de delegacia.

Numa de suas últimas lutas no PRIDERyan Gracie xingou o juiz e o encarou demonstrando estar pronto para agredi-lo, por considerar errada a interrupção da luta que estava a seu favor. Os dois lutadores recomeçaram a luta em pé, e Ryan Gracie venceu seu adversário. Para seus fãs e espectadores, ficava claro que seu temperamento estava cada vez mais instável.

Teve muitas brigas fora de ringue com o lutador Jorge "Macaco" Patino, inclusive chegando a depredarem uma loja em uma dessas brigas.

Também teve notória rivalidade com Wallid Ismail, hoje dono do Jungle Fight. A luta entre os dois não chegou a acontecer.


Morte

Ryan Gracie foi encontrado morto na manhã de sábado, 15/12/2007, em uma das celas da carceragem do 91º Distrito Policial (CEAGESP), em São Paulo. Ele havia sido preso na tarde de sexta, 14/12/2007, e indiciado por roubo e tentativa de roubo. Ele chegou às 3:00 hs de sábado ao 91º DP, onde fica a carceragem provisória para os detidos durante a noite, finais de semana e feriados. Ryan Gracie seria encaminhado a um Centro de Detenção Provisória (CDP) na segunda-feira, 17/12/2007.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o lutador recebeu o acompanhamento de um médico particular durante seu exame de corpo de delito antes de ser encaminhado ao 91º DP.

Ryan Gracie foi encontrado morto, deitado na cela, por volta das 7:30 hs, horário de troca de turno dos carcereiros, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública. Ele estava sozinho no local. 

Prisão

Ryan Gracie havia sido detido sob acusação de ter roubado o carro de um idoso de 76 anos no Itaim Bibi, bairro nobre da zona oeste da cidade. O lutador acabou contido por motoboys e foi preso, em seguida, pela Polícia Militar.

Na delegacia, Ryan Gracie chegou agitado e dizendo que estava sendo "perseguido" quando foi preso. O delegado Aílton Camargo Braga, que registrou a ocorrência, disse que o lutador dizia que estava sendo perseguido "pelo pessoal da favela e pelo PCC (Primeiro Comando da Capital)".

Ele foi encaminhado para o Instituto Médico Legal para realizar também, além do corpo de delito, exames toxicológicos, para saber se ele estava sob efeito de drogas.

"Infelizmente, ele estava muito alterado, não conseguimos pegar o depoimento dele com muito discernimento. Já soube que ele passava por problemas psicológicos. Ele, inclusive, parecia estar alterado pelo uso de medicamentos fortes que ele aparentemente tomava", afirmou o delegado, após ouvir o lutador.

Quando elaborava a ocorrência envolvendo Ryan Gracie, o delegado disse que recebeu uma ligação do advogado de uma clínica de tratamento psicológico, localizada no interior de São Paulo, para informar que o lutador passava por tratamento no local.

Questionado, o advogado disse desconhecer se Gracie apresentava problemas psicológicos pois mantinha somente um relacionamento profissional com seu cliente. No entanto, ele admitiu que o lutador não tinha noção dos acontecimentos e que dizia o tempo todo que estava sendo perseguido. O advogado alegou que o lutador não cometeu crime.

Agressões

Testemunhas que presenciaram a ação de Ryan Gracie disseram à polícia que, além de roubar o Corolla, o lutador agrediu o dono do veículo com uma faca de cozinha cortando um dedo da mão esquerda da vítima. Com o carro, Ryan Gracie andou por pouco tempo e bateu. Depois, tentou roubar uma moto.

Quando abordou o motoboy, Ryan Gracie teria mostrado uma faca e disse que era assalto. "Desce da moto, senão eu te mato", teria dito Ryan Gracie. O motoqueiro pegou a encomenda que levaria para Cotia, Grande São Paulo, enquanto Ryan Gracie subiu na moto sem conseguir ligá-la.

Outros motoboys pararam no semáforo e encorajaram a vítima a não deixar que Ryan Gracie levasse o veículo. O dono da moto afirmou que bateu com o capacete na cabeça de Ryan Gracie, que caiu e foi imobilizado pelo grupo de motociclistas.

"Acredito que ele realmente estivesse sob efeito de drogas, porque se ele estivesse são, teria derrubado todo mundo. ele era muito forte", disse o delegado.

Sabino Ferreira de Farias Netto
Laudo Médico

O laudo médico foi divulgado em 18/02/2008. O promotor do caso pretendia acusar o psiquiatra que atendeu Ryan Gracie por homicídio doloso.

"O que mais chama a atenção é a quantidade de drogas(remédios) que foram usadas ao mesmo tempo. Uma interage com a outra, o que pode aumentar o número de efeitos colaterais. Nesse caso, principalmente os cardíacos. O coração pode começar a bater fora do ritmo e entrar num quadro mais grave, que pode levar a parada cardíaca."
(Marcelo Feijó De Mello, psiquiatra da Unifesp)

Ryan Gracie e seu pai Robson
Prosseguimento do Inquérito

Em fevereiro de 2008, o advogado Pedro Lazarini, que defendia o psiquiatra, pediu a reconstituição do caso, sob a alegação de que a polícia impediu a remoção de Ryan Gracie para um hospital na noite de 15 de dezembro. Ao mesmo tempo, o  Drº Sabino Faria de Ferreira Netto foi indiciado por homicídio culposo (o promotor pretendia modificar para doloso), com base no laudo médico, que apontou pelo menos sete substâncias ingeridas pelo lutador dadas pelo médico e psiquiatra.

Em abril de 2008, o  Drº Sabino Faria de Ferreira Netto foi acusado de corrupção ativa. Ele teria oferecido dinheiro para um carcereiro do 91º Distrito Policial, do Ceasa, na Zona Oeste de São Paulo, para que seu paciente tivesse regalias na carceragem da delegacia. A denúncia por corrupção contra o médico foi feita pelo Grupo de Atuação Especial e Controle Externo da Atividade Policial (GECEP). "A vantagem indevida oferecida e prometida deveria causar e, de fato, causou amplas facilidades para o médico na carceragem do distrito", disse a polícia.

Cinco Anos Depois

Cinco anos depois, a família Gracie finalmente respira aliviada. Na primeira quinzena de novembro de 2012, o psiquiatra Sabino Ferreira de Farias Netto, acusado de negligência na morte do lutador, em 15/12/2007, ao causar a morte do lutador com excesso de remédios, foi condenado a dois anos de serviços comunitários por imprudência.

"Felizmente, depois de mais de cinco anos e uma luta diária para provar a culpa desse irresponsável que se denomina médico e se intitula também como um dos melhores do mundo, como pode ser, visto em depoimento ao Ministério Público, chegamos ao fim de uma grande batalha", comemora Flávia Gracie, irmã de Ryan Gracie.

"Sei que é uma pena muito branda diante de uma vida, mas nós nos sentimos vitoriosos por provar que ele é um irresponsável e assassino, e com isso impedir que ele venha a cometer outros crimes e a devastar a vida de outras famílias."

Não satisfeita, Flávia Gracie pede que o psiquiatra perca o direito de exercer sua profissão.

"Sabemos também que os casos contra erros médicos só aumentam, mas que cassação é rara. O caso do meu irmão Ryan não é um fato isolado na carreira do Drº Sabino, que já foi envolvido em várias denuncias ao Ministério Público e acontecimentos trágicos na sua clinica em Atibaia. Ele já teve, inclusive, seu CRM cassado e sua clinica fechada por movimento e passeata dos moradores da cidade."

Fonte: WikipédiaFolha On Line e Tatame