Evaldo Braga

EVALDO BRAGA
(25 anos)
Cantor e Compositor

* Campo dos Goytacazes, RJ (28/09/1947)
+ Três Rios, RJ (31/01/1973)

Nos 25 anos em que viveu, o cantor percorreu uma trajetória bastante peculiar, marcada pela tragédia pessoal e pela aclamação popular. Conviveu de forma intensa com a tristeza e a alegria, a sarjeta e a glória, tudo percorrido na velocidade de um cometa.

Evaldo Braga passou a infância no antigo Serviço de Amparo ao Menor (SAM). Existe um boato segundo o qual Evaldo Braga, ainda bebê, teria sido jogado pela mãe biológica numa lata de lixo. Entretanto, esse boato foi veementemente desmentido pelo irmão de Evaldo, o músico e cabeleireiro Antônio C. Braga, em depoimento num documentário realizado por Armando B. Mendes Filho em 1997, intitulado "Evaldo Braga - O Ídolo Negro", que está disponível no site Youtube em três partes (Parte 1, Parte 2 e Parte 3). O esclarecedor depoimento de Antônio C. Braga aparece na parte 2 do documentário, exatamente a 1 minuto e 52 segundos.

Passados os dias de infância no Serviço de Amparo ao Menor, o jovem negro, assim como tantos outros lá internados naqueles tempos, saiu a procurar uma maneira de ganhar a vida, e também como tantos outros jovens negros como ele pelas cidades brasileiras, passou a trabalhar como engraxate.

Passava os dias engraxando sapatos na Rua Mayrink Veiga, perto da famosa Praça Mauá, rua onde ficava a não menos famosa Rádio Mayrink Veiga, e ali acabou por fazer contato com os artistas daquela rádio e pouco a pouco foi acalentando o desejo de se tornar cantor.

Foi quando conheceu o produtor e compositor Osmar Navarro, que gostou de sua voz e da maneira dele pronunciar bem cada palavra, e o apresentou ao produtor Jairo Pires da gravadora Polydor, que andava procurando um cantor que fizesse frente à Nilton César, contratado de outra gravadora.

Evaldo Braga lançou seu primeiro disco em 1971, e logo se tornou um sucesso com a música "A Cruz Que Carrego" (Isaías Souza), com uma carga dramática e autobiográfica incrível, em versos como "Sinto a cruz que carrego bastante pesada, já não existe esperança no amor que morreu / a solidão e amargura / sempre me marcaram" que imediatamente podem ser remetidos a todo seu drama.

O fato é que essa composição caiu logo no gosto popular e mesmo que a crítica especializada da época não desse muita importância a ele, nem ao menos se dando ao trabalho de avaliar seus dotes vocais e muito menos querendo travar qualquer contato com as músicas que cantava, seu sucesso aumentou, e em 1972, ele lançou "O Ídolo Negro – Volume 2".

Esse seu segundo LP que contou com os arranjos dos maestros Waltel Branco e Perucci, e apresentou novamente uma ambigüidade temática que tanto podia levar a ilações quanto a um relacionamento amoroso desfeito, logicamente a interpretação mais imediata, como remeter também a sua biografia.

Evaldo Braga faleceu com apenas dois discos gravados. Um terceiro foi lançado no ano de sua morte, mas era na realidade, uma coletânea. Trinta e nove anos depois de seu falecimento, a Música Popular Brasileira passou por transformações avassaladoras, algumas das quais já se processavam quando de sua morte. Com isso teria ele caído no esquecimento? Não, pelo contrário, seu mito manteve-se vivo na memória popular mesmo que nenhuma estação de televisão se dê ao trabalho de apresentar qualquer especial sobre sua vida e carreira.


Em condições normais, ele teria caído no esquecimento, mas, no entanto, mesmo no ano de 2012, depois de 39 anos, seu túmulo é visitado por romarias de fãs no dia de finados, seus discos continuam a ser adquiridos e podem ser encontrados com facilidade nos locais que cultuam a chamada música brega.

Em levantamento recente feito no site Dicionário Cravo Albin da MPB chegou-se a conclusão que seu nome era o mais pesquisado entre todos os quase sete mil verbetes ali catalogados.

Como explicar esse fenômeno de um artista que a crítica esqueceu como apenas mais um representante da música brega, que para muitos cultores da chamada Música Popular Brasileira com letras maiúsculas e garrafais, nem ao menos mereceria uma nota de roda-pé?

Talvez essa explicação ou busca de compreensão não passe apenas pela análise formal de suas gravações, seja daquelas músicas compostas por ele ou daquelas que outros para ele compuseram, mesmo que elas falem muito, por um lado, dele mesmo, numa talvez involuntária autobiografia musical, ou sirvam como trilha sonora de amores baratos e desfeitos na permanente solidão das cidades. Por mais que se buscasse dissecá-las musicalmente nota por nota, ainda assim, haveria quem lhes negasse maior valor exatamente pelo que elas têm de mais valoroso, o gosto e a dicção popular, que muitos até por preconceito logo identificam com som de cabarés. Embora seja certo que o que parece um insulto é na verdade a constatação do quanto as músicas por ele compostas ou gravadas estão entranhadas na musicalidade e na alma popular, e tocam sim nos cabarés onde o amor custa pouco (ou muito dependendo do ponto de vista) e a humanidade exercita de forma explicita suas emoções da maneira mais exacerbada possível.

E não é isso exatamente o que a música brega-romântica faz? Exacerba os sentimentos e lhes dá uma vestimenta que condiz com a alma desbragada de nosso povo, por mais que dizer isso possa parecer tatear no espaço vazio. O fato é que esse derramamento que os intelectuais e membros da elite execram, o povo abraça, e o mais é motivo de discussão, mas que não pode levar a conclusões definitivas sobre o melhor e o pior.

Seja como for, 39 anos depois de sua morte, Evaldo Braga é mais e mais um enigma como pessoa, como artista e como representante artístico dessa face dita bastarda da música popular, execrada e desqualificada pela maioria dos críticos, que é a música brega.

No entanto, a questão aqui não é exatamente discutir o lugar da música brega na Música Popular Brasileira, mas sim, chamar a atenção para o Ídolo Negro, Evaldo Braga, mesmo sem chegar a conclusões sobre ele e seu sucesso, mas muito mais para homenageá-lo e lançar um pouco de luz sobre esse raro cantor negro cuja carreira, que tinha tudo para ser das mais brilhantes da música popular, foi bruscamente cortada por um golpe da sorte numa curva qualquer de uma estrada brasileira.

Evaldo Braga morreu num acidente automobilístico na BR-03, Rio-Bahia, em um Wolkswagem TL, após tentativa de ultrapassagem forçada segundo populares. Importante ressaltar que no momento do acidente Evaldo Braga não dirigia o carro, e sim seu motorista. Seu túmulo é um dos mais visitados pelos fãs no feriado de Finados no Cemitério do Caju, Rio de Janeiro.

Discografia

  • 1973 - Evaldo Braga (Polydor)
  • 1972 - O Ídolo Negro Vol. 2 (Polydor)
  • 1972 - O Ídolo Negro (Polydor)


Projetos / Extras

  • 1987 - Eu Ainda Amo Vocês (Polydor)
  • 1972 - Mis Canciones En Castellano (Polydor)


Referências / Tributos

  • 1973 - Os Garotos da Praia Interpretam o Inesquecível Evaldo Braga (Som / Copacabana)


Coletâneas

  • 2001 - Sem Limite - Evaldo Braga (Universal Music)
  • 1999 - Millennium - 20 Músicas do Século XX - Evaldo Braga (Universal Music)
  • 1983 - O Inesquecível Evaldo Braga (Elenco / Opus) 
  • 1981 - A Voz de Evaldo Braga (Polyfar / Philips)
  • 1977 - Série Autógrafo de Sucessos - Evaldo Braga (Polyfar / Philips)
  • 1975 - O Imortal (Polyfar / Philips)
  • N/D - Minha História - Evaldo Braga (Polygram)


Compactos / Singles

  • 1969 - Dois Bobos / Não Importa (RCA Victor)
  • 1971 - Só Quero / Por Uma Vez Mais (Polydor)
  • 1972 - Nunca Mais, Nunca Mais / Meu Deus / A Cruz Que Carrego / Eu Desta Vez Vou Te Esquecer (Polydor)
  • 1972 - Todas As Noites / Nunca Mais, Nunca Mais (Polydor)
  • 1972 - O Ídolo Negro Vol. 2 (Polydor)

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #EvaldoBraga

16 comentários:

  1. Essa história de o Evaldo ser filho de umaprostituta e ter sido abandonado na lata do lixo é desconhecido por muita gente que o conhecia de verdade.Tem detalhes da vida dele que uma pessoa que o conhecia me falou que ele tinha uma família, embora fosse infeliz por não ter conhecido sopais verdadeiros.

    ResponderExcluir
  2. Na época de sua morte eu tinha apenas nove anos de idade, porém me lembro de haver chorado muito quando soube de sua morte, aliás a primeira vez que chorei pela morte de um artista famoso. Aprendi a admirar o Evaldo Braga através de meus pais os quais também eram seus fãs. Tenho até hoje guardado com muito carinho um Compact Disc com suas principais canções.

    ResponderExcluir
  3. Tinha eainda tenho verdadeira paixão pelo Evaldo. Corria para perto do rádio cada vez que tocava uma canção dele. Chorrei demais ao saber que ele havia morrido. Eu tinha apenas três anos e até hoje também guardo o Compact Disc que meu amado irmão comprou para mim. Tenho muita saudade do Evaldo. Acho o cantor sertanejo Rick muito parecido com o Evaldo, até pelo terço que usa sempre não mão. As histórias de vidas dos dois é diferente mas fisicamente e no olhar são parecidíssimos.
    Amo o Rick também!

    ResponderExcluir
  4. Meu amigo, 25 anos não é idade para se morrer e sim para começar a viver!

    ResponderExcluir
  5. acho que as emissoras de rádio e TV de todo Brasil, deviam dar mais enfase ás musicas deste talentoso artista,e não deixarem cair no esquecimento.

    ResponderExcluir
  6. evaldo braga e a voz mais linda e pefeita de todos os tempos quando ele morreu eu tinha 8 anos e me lembro muito bem. o que nos conforta e q temos entre nps graças a DEUS e e existencia de AGUINALDO TIMOTIO q com igual perfeiçao e amor esta sempre mantendo vivo as obras de evaldo. OBRIGADO TIMOTIO. SOU SEU FAN UM ABRAÇO. VALDEIR GOIANIA GO

    ResponderExcluir
  7. anônimo de salvador-ba 07/04/12

    quando o e. braga morreu em tinha 13 anos, fiquei muito triste, pois gostava e gosto até hoje de suas musicas, é uma pena ter videos desse grande artista.
    gostaria muito de assisti-lo.

    ResponderExcluir
  8. Tudo que é bom dura pouco,e o Evaldo Braga era bom mas pena que durou pouco,sempre adorei as musicas dele

    ResponderExcluir
  9. Pena que hoje em dia ninguem compõe ou canta como esse cara que eternizou suas músicas com uma vos inigualavel sou fã desse grande "idolo negro"

    ResponderExcluir
  10. Tenho seus dois álbuns e gosto muito das músicas desse grande intérprete que tão cedo nos deixou. Não me lembro de sua morte em 1973, tinha à época 6 anos de idade. Sua pronúncia e dicção eram impecáveis, enfim um grande cantor que passou tão rapidamente pelo gosto do povo brasileiro que jamais o esquecerá.

    ResponderExcluir
  11. Grande Evaldo Braga que nos deixou prematuramente!Somente uma ressalva:Evaldo esta sepultado no cemitério São João Batista, em Botafogo no Rio, e não no cemitério do Caju!

    ResponderExcluir
  12. Evaldo Braga esse de voz e talento perfeito, era um cantor popular mas de grande aceitação e partiu muito jovem e deixou um legião de fãs em todo Brasil........

    ResponderExcluir
  13. Evaldo Braga partiu muito cedo, mas de um talento e uma voz incomparável, deixou muitos fãs e suas musicas que ate hoje são ouvidas

    ResponderExcluir
  14. com seu Talento e sua voz inconfundivel partiu prematuramente para o andar de cima e deixou muitos fãs por todo Brasil,Evaldo Braga foi sem sombras de dúvidas o melhor da musica brega

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!