Mostrando postagens com marcador Compositor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Compositor. Mostrar todas as postagens

Júlio Barroso

Júlio Barroso
(30 anos)
Jornalista, Cantor, Compositor, Guitarrista e DJ

☼ Rio de Janeiro, RJ (15/11/1953)
┼ São Paulo, SP (06/07/1984)

Júlio Barroso foi um jornalista, compositor, guitarrista, cantor e disk jockey (DJ) brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 15/11/1953.

Nascido no Rio de Janeiro e radicado em São Paulo, Júlio Barroso mudou-se para os Estados Unidos depois de uma tentativa fracassada de fazer sucesso com uma banda performática. Em New York, tomou contato com o movimento New Wave.

Júlio Barroso fundou o grupo Gang 90 & Absurdettes no início da década de 1980, do qual também participava sua irmã, Denise Barroso.

Após a participação no Festival MPB-Shell, promovido pela TV Globo em 1981, concorrendo com o hit "Perdidos Na Selva" (Júlio Barroso, Márcio Vaccari e Guilherme Arantes), posteriormente gravado pelo Barão Vermelho em 1996, Júlio Barroso e seu grupo gravaram o LP "Essa Tal de Gang 90 & Absurdettes".

Como compositor, Júlio Barroso foi parceiro de Guilherme Arantes, Wander Taffo, Alice Pink Pank, Lobão, Ritchie, dentre outros.

Em 1991, sua irmã Denise Barroso lançou o livro póstumo "A Vida Sexual Do Selvagem", em homenagem ao irmão.

Júlio Barroso é considerado junto à crítica musical especializada em rock um dos precursores do rock brasileiro surgido na década de 1980. Seu conjunto, ao lado da Blitz, teria tido um papel fundamental na consolidação do gênero nesse período.

Gang 90 & Absurdettes

Gang 90 & Absurdettes foi um grupo de rock brasileiro dos anos 1980, fundado pelo disc jockey e jornalista Júlio Barroso. Suas canções misturavam new wave com viagens beatnik, e ainda carregava batidas fortes e coro feminino, inspirado no grupo B-52s.

Sua primeira aparição foi na discoteca Paulicéia Desvairada em 1981. Participou do Festival MPB Shell do mesmo ano, com a música "Perdidos Na Selva", o que tornou o grupo famoso.

Para divulgar o grupo, o programa Fantástico de 02/08/1981 apresentou o clipe de "Perdidos Na Selva". Nesta época, a banda chamava-se simplesmente Gang 90. A música foi lançada originalmente em compacto pelo selo HOT, tendo a faixa "Lilik Lamê" no lado B, cantada por Alice Pink Pank, uma das cantoras-musas da banda, ao lado de May East e Lonita Renaux.

Um momento particularmente importante para a banda foi sua participação, também em 1981 do festival MPB Shell, promovido pela TV Globo. Naquela ocasião, e defendendo a canção "Perdidos Na Selva", conseguiram um grau de exposição e notoriedade até então incomum para bandas da cena pop brasileira, o que já prenunciava o vigor do movimento de rock nacional que surgiria a seguir ao longo da década de 80.


Em 1983, a banda lançou o LP "Essa Tal de Gang 90 & Absurdettes", que continha os sucessos anteriores da banda e que emplacou uma canção como tema de novela das 20h00 da TV Globo, "Louco Amor", de Gilberto Braga. No mesmo ano, participaram do especial da TV Globo "Plunct, Plact, Zuuum" com a música "Será Que o King Kong é Macaca?".

Após o falecimento de Júlio Barroso, em 06/07/1984, a tecladista Taciana Barros assumiu a liderança do grupo e tentou insistir em sua continuidade lançando um álbum "Rosas e Tigres" que tinha em seu repertório uma série de canções inéditas de Julio Barroso. O trabalho acabou tendo muito pouca repercussão comercial apesar de haver sido razoavelmente bem recebido pela crítica especializada.

Uma última tentativa, em 1987, foi o álbum "Pedra 90" já sem praticamente nenhum integrante original do grupo e que selou o fim da banda.

Além de Júlio Barroso, participaram desse projeto músicos como Alice Pink Pank, Lobão, May East, Lonita Renaux (Denise Barroso), Luíza Maria, Miguel Barella, Wanderley Taffo, Guilherme Arantes, Lee Marcucci, Sandra Coutinho, Gigante Brasil, Herman Torres, Otávio Fialho, Luiz Paulo Simas, Taciana Barros, Beto Firmino, Gilvan GomesPaulo Lepetit, Curtis e Claudia Niemeyer.

Morte

Enfrentando problemas com drogas e alcoolismo, Júlio Barroso faleceu tragicamente, aos 30 anos, ao cair da janela de seu apartamento, no 11º andar, em São Paulo, no dia 06/07/1984, em circunstâncias nunca completamente esclarecidas, encerrando prematuramente a sua carreira, no auge do sucesso. A hipótese mais aceita é de que a queda tenha sido acidental.

Fonte: Wikipédia
Indicação: Carlos

Dona Ivone Lara

IVONE LARA DA COSTA
(97 anos)
Cantora e Compositora

☼ Rio de Janeiro, RJ (13/04/1921)
┼ Rio de Janeiro, RJ (16/04/2018)

Ivone Lara da Costa, mais conhecida como Dona Ivone Lara, foi uma cantora e compositora brasileira, conhecida como Rainha do Samba de raiz e Grande Dama do Samba.

Dona Ivone Lara nasceu em 13/04/1921, na Rua Voluntários da Pátria, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro. Foi a primeira filha da união entre a costureira Emerentina Bento da Silva e José da Silva Lara. Paralelamente ao trabalho, ambos tinham intensa vida musical: Ele era violonista de sete cordas e desfilava no Bloco dos Africanos. Ela era ótima cantora e emprestava sua voz de soprano a ranchos carnavalescos tradicionais do Rio de Janeiro, como o Flor do Abacate e o Ameno Resedá, nos quais seu José da Silva Lara também se apresentava.

Formada em enfermagem e serviço social, com especialização em terapia ocupacional, foi uma profissional na área até se aposentar em 1977. Nesta função trabalhou em hospitais psiquiátricos, onde conheceu a Drª Nise da Silveira.

Com a morte do pai aos 3 anos de idade, e da mãe aos 12 anos, foi criada pelos tios e com eles aprendeu a tocar cavaquinho e a ouvir samba, ao lado do primo Mestre Fuleiro. Teve aulas de canto com Lucília Guimarães e recebeu elogios do marido desta, o maestro Villa-Lobos.


Dona Ivone Lara casou-se aos 25 anos de idade com Oscar Costa, filho de Alfredo Costa, presidente da escola de samba Prazer da Serrinha, com quem teve dois filhos, Alfredo e Odir. Foi no Prazer da Serrinha onde conheceu alguns compositores que viriam a ser seus parceiros em algumas composições, como Mano Décio da Viola e Silas de Oliveira.

Compôs o samba "Nasci Para Sofrer", que se tornou o hino da escola. Com a fundação do Império Serrano, em 1947, passou a desfilar na ala das baianas. E também Compôs o samba "Não Me Perguntes". Mas a consagração veio em 1965, com "Os Cinco Bailes da História do Rio", quando tornou-se a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores da escola de samba.

Em 1975, depois de seu filho Odir sofrer um acidente de carro, com o susto, seu marido Oscar Costa, teve um infarto e faleceu. Apesar de seu marido nunca ter nada contra sua carreira, ele não gostava das rodas de samba.

Aposentada em 1977, passou a dedicar-se exclusivamente à carreira artística. Entre os intérpretes que gravaram suas composições destacam-se Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paula Toller, Paulinho da Viola, Beth Carvalho, Mariene de Castro, Roberta Sá, Marisa Monte e Dorina.

Dona Ivone Lara também teve trabalhos como atriz, com participação em filmes, e foi a Tia Nastácia em especiais do programa "Sítio do Pica-Pau Amarelo".


Em 2008, Dona Ivone Lara interpretou a canção "Mas Quem Disse Que Eu Te Esqueço" no projeto Samba Social Clube. A faixa foi incluída, no ano seguinte, numa coletânea com as melhores performances do projeto.

Em 2008 ela perdeu seu filho Odir, vítima de complicações decorrentes da diabetes.

Em 2010 foi a homenageada na 21ª edição do Prêmio da Música Brasileira. 

No ano de 2012, foi homenageada pelo Império Serrano, no grupo de acesso, com o enredo "Dona Ivone Lara: O Enredo Do Meu Samba".

Em dezembro de 2014 foi a homenageada na 19ª edição do Trem do Samba. Um mês antes, Dona Ivone Lara havia participado do primeiro dia de gravações do Sambabook, em homenagem à sua carreira da gravadora Musickeria. Cantores como Maria Bethânia, Elba Ramalho, Criolo, Zeca Pagodinho, Martinho da Vila, Arlindo Cruz, Adriana Calcanhoto e Zélia Duncan fizeram versões de canções de Dona Ivone Lara, enquanto ela própria gravou com Diogo Nogueira uma canção inédita, composta com seu neto, André.

Em 2015, entrou para a lista das Dez Grandes Mulheres que Marcaram a História do Rio.

Morte

Dona Ivone Lara faleceu na noite de segunda-feira, 16/04/2018, no Rio de Janeiro, RJ, em consequência de um quadro de insuficiência cardiorrespiratória. Ela estava internada desde sexta-feira, 13/04/2018, data em que completou 96 anos, no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Dona Ivone Lara já vinha apresentando um quadro de anemia e precisou receber doações de sangue. O estado de saúde dela já era considerado bastante grave.

O velório aconteceu na Quadra da Império Serrano, sua escola do coração, em Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro. O sepultamento de Dona Ivone Lara aconteceu no Cemitério de Inhaúma, no Rio de Janeiro.

Discografia

  • 1970 - Sambão 70
  • 1972 - Quem Samba Fica?
  • 1974 - Samba Minha Verdade, Minha Raiz
  • 1979 - Sorriso De Criança
  • 1980 - Serra Dos Meus Sonhos Dourados
  • 1981 - Sorriso Negro
  • 1982 - Alegria Minha Gente
  • 1985 - Ivone Lara
  • 1986 - Arte Do Encontro (Com Jovelina Pérola Negra)
  • 1998 - Bodas De Ouro
  • 1999 - Um Natal De Samba (Com Délcio Carvalho)
  • 2001 - Nasci Para Sonhar E Cantar
  • 2004 - Sempre A Cantar (Com Toque de Prima)
  • 2009 - Canto De Rainha (DVD)
  • 2010 - Bodas De Coral (Com Délcio de Carvalho)
  • 2010 - Nas Escritas Da Vida (Com Bruno Castro)
  • 2012 - Baú da Dona Ivone
  • 2015 - Sambabook Dona Ivone Lara (DVD)
  • 2015 - Sambabook Dona Ivone Lara (2 CDs)

Filmografia

  • 1977 - A Força de Xangô ... Zulmira de Iansã
  • 1982 - Especial Sítio do Pica-Pau Amarelo ... Tia Nastácia

Fonte: Wikipédia
Indicação: Valmir Bonvenuto

Miranda

CARLOS EDUARDO MIRANDA
(56 anos)
Produtor Musical, Tecladista, Compositor e Jurado

☼ Porto Alegre, RS (21/03/1962)
┼ São Paulo, SP (22/03/2018)

Carlos Eduardo Miranda foi um produtor musical nascido em Porto Alegre, RS, no dia 21/03/1962. Atuou como jurado em vários programas de calouros do SBT, tais como "Ídolos", "Astros" e "Qual é o Seu Talento?".

Na década de 1980, Carlos Eduardo Miranda foi um dos mais atuantes músicos do cenário de rock alternativo do Rio Grande do Sul. Tecladista e compositor, fez parte de pelo menos dois grupos locais que alcançaram expressão nos anos 1980, como Taranatiriça, Atahualpa Y Us Panquis e Urubu Rei.

Miranda, mudando-se para São Paulo, se envolveu com o cenário independente paulistano, incluindo grupos como Akira S e As Garotas Que Erraram. Nessa época, meio da década de 80, Carlos Eduardo Miranda participou da equipe da revista "Bizz" e suas iniciais se tornariam bastante conhecidas nas resenhas de discos, fazendo trocadilho com o número 100. Era considerado um dos mais polêmicos críticos musicais da revista, por causa de suas resenhas de discos e artistas, que dividiu opiniões.


Na década de 1990, com os selos Banguela Records e Excelente, lançou nomes como Raimundos.

Como produtor musical lançou, entre outros grupos, Skank, O Rappa, Virgulóides, Blues Etílicos, Cordel do Fogo Encantado, Cansei de Ser Sexy, Móveis Coloniais de Acaju, MQN, Mundo Livre S/A e o primeiro disco da Graforréia Xilarmônica, "Coisa de Louco II" e também criou e dirigiu o site Trama Virtual, que é um projeto de distribuição on-line de artistas independentes por MP3. Nessa época, retomava o trabalho de músico com a banda de rock experimental Aristóteles de Ananias Jr.


Nesta época já mostrava talento para a produção, sendo uma espécie de padrinho de bandas como Defalla, Os Replicantes e muitas outras.

Miranda também fez uma edição especial da revista "Ação Games", foi um dos jurados da primeira e segunda temporada de "Ídolos" e do programa "Astros". De 2009 a 2012 foi jurado do programa "Qual É o Seu Talento?".

Também trabalhou com Titãs, O Rappa e com a cantora paraense Gaby Amarantos. Também teve uma participação importante no movimento "Manguebeat", ao lançar a banda Mundo Livre S/A nos anos 90.

Em 2014 foi anunciado como jurado do novo reality show do SBT, "Esse Artista Sou Eu", comandado por Márcio Ballas.

Miranda era casado com Isabel Hammes, cantora e preparadora vocal.

Morte



Miranda faleceu na quinta-feira, 22/03/2018, após sofrer um mal súbito em sua casa, localizada em São Paulo, SP, um dia após seu aniversário. Miranda teve fortes dores de cabeça antes do colapso

Carreira


Televisão

  • 2006-2007 - Ídolos
  • 2009-2012 - Qual é o Seu Talento?
  • 2008-2009 e 2012 - Astros
  • 2014 - Esse Artista Sou Eu
  • 2016 - João Kléber Show

Ary Cordovil

NICANOR DE PAULA RIBEIRO FILHO
(58 anos)
Cantor e Compositor

☼ Rio de Janeiro, RJ (05/05/1923)
┼ Rio de Janeiro, RJ (29/11/1981)

Nicanor de Paula Ribeiro Filho, mais conhecido como Ary Cordovil, foi um Cantor e compositor brasileiro, essencialmente de sambas, nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 05/05/1923. Ary Cordovil foi o primeiro a gravar, de Haroldo Lobo e Niltinho Tristeza, o samba "Tristeza", lançado no Carnaval de 1966 e que ficaria famoso na interpretação de Jair Rodrigues.

Ary Cordovil estudou no colégio Arte e Instrução no subúrbio de Cascadura no Rio de Janeiro. Trabalhou no Ministério da Justiça e na antiga Polícia Especial, a qual deixou para seguir a carreira artística.

Começou a carreira artística apresentando-se em circos e gafieiras. Teve a primeira composição gravada em 1944, o samba "Olha Ela Aí, Valdemar" (Ary Cordovil e Gil Lima), lançado por Aracy de Almeida pela gravadora Odeon. Nessa época, começou a se apresentar em programas de calouros na Rádio Transmissora.

Em 1946, gravou na Continental os sambas "O Chico Da Cuíca" (Elpídio Viana e Arnô Canegal), e "O Requebrado Da Cabrocha" (de Elpídio Viana e Valdemar Fernandes), com acompanhamento de Benedito Lacerda e seu conjunto regional. No mesmo ano, gravou em dueto com Jorge Veiga o samba "Fui Um Louco" (Haroldo Lobo e Milton de Oliveira), que fez bastante sucesso, e a marcha "O Expresso Não Parou" (Ary Cordovil e Isidoro de Freitas) pela Continental, também com acompanhamento de Benedito Lacerda e seu conjunto regional. 

Em 1949, começou a trabalhar na Rádio Mayrink Veiga, onde permaneceu por dois anos.

Em 1950, passou a integrar o Conjunto Pereira Filho no qual permaneceu por oito anos.

Em 1951, gravou no pequeno selo Carnaval o samba "Eu Quero É Sambar" (Marino Pinto e Humberto de Carvalho) e o "Baião Da Rosa" (Ary Cordovil e Gerêncio Cardoso).

Em 1953, compôs com Buci Moreira o samba "Porque É Que Você Chora?", gravado por Aracy de Almeida na Continental.


Em 1954, fez uma excursão à Argentina e teve seu samba "Vergonha" (Ary Cordovil e Fernando Lobo) gravado por Linda Batista. No mesmo ano, Alcides Gerardi gravou o samba "Ninguém Tem Dó" (Ary Cordovil, Arnô Canegal e Ivo Santos) na Odeon.

Em 1955, seu samba "Calo Na Mão" (Ary Cordovil, Fernando Lobo e Arnô Canegal) foi gravado por Linda Batista na RCA Victor. No mesmo ano, Dircinha Batista lançou na mesma gravadora o samba "Grande Amor" (Ary CordovilFernando Lobo e Arnô Canegal).

Em 1956, compôs com Haroldo Lobo o samba "Velho Estácio", gravado na Continental por Gilberto Milfont. No mesmo ano, gravou na Todamérica os sambas "Formiga" (Raimundo Olavo e Sebastião Nunes), e "Tava Gostoso" (Alberto Jesus e Sebastião Nunes).

Em 1957, passou a se apresentar em programas de televisão e gravou as marchas "Casadinho Mora Junto" (Antônio Almeida e Sebastião Nunes) e "Quem Perdeu Foi Ela" (Otolindo Lopes, Arnô Provenzano e Fausto Guimarães). No mesmo ano, gravou o samba "Palavras Malditas" (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito).

Em 1958, gravou os sambas "Chega" (Osvaldo dos Santos e Salvador Miceli) e "Giro Pelo Norte" (Monsueto Menezes).

Em 1959, gravou dois discos pela Sinter com os sambas "Cabeça É Pra Pensar" (Raimundo Olavo e Átila Nunes), "Blusa Roxa" (Haroldo Lobo e Rubens Machado), "Piston De Gafieira" (Billy Blanco), e "Alegria De Pobre" (Armando Peçanha e Miguel Alves). Ainda no mesmo ano, também pela Sinter, gravou o LP "Ary Cordovil No Baile Da Gafieira".


Em 1960, gravou os sambas "É Melhor Refletir" (Valdemar Gomes) e "Quem Viu Maria?" (Antônio Domingues). Ainda em 1960, foi para a Philips e gravou os sambas "Pois Sim" (Ary Cordovil e Sidney Más), "Saudade Intrusa" (Vadico), e "Terminemos Aqui" (Benil Santos e Raul Sampaio).

Em 1961, gravou o samba "É Malvada" (Ary CordovilHaroldo Lobo e Henrique de Almeida).

Em 1962, transferiu-se para a Continental e lançou os sambas "O Que Ela Me Fez" (Jota Júnior e Oldemar Magalhães) e "Seu Gregório" (Alberto Ribeiro).

Em 1963, na CBS, gravou "Zé Da Conceição" (João Roberto Kelly) e "Balança, Balança" (Roberto Martins e Arlindo Veloso). No mesmo ano, gravou do iniciante compositor Bezerra da Silva o samba "Conselho Do Papai". Lançou também pela CBS seu grande sucesso, a marchinha de carnaval "Pistoleira" (Ary CordovilHaroldo Lobo e Milton de Oliveira).

Em 1966, lançou o samba "Tristeza" (Haroldo Lobo e Niltinho) pela CBS, música por sinal que obteve repercussão no mundo inteiro.

Em 1967, gravou "Maria Bonita", música composta por Volta Seca, do grupo de Lampião, também pela CBS. Ainda em 1967 lançou o LP "Ary Cordovil Em Ritmo Contagiante" pela CBS, lançado nos Estados Unidos, por iniciativa de um diretor americano da gravadora, com o título "The Sound Of Ary Cordovil".

Ary Cordovil gravou mais de 20 discos entre as gravadoras Continental, Todamérica, Sinter, Philips, Carnaval, Albatrz e CBS em 78 rpm e alguns LPs.

Em 2000, a Inter Records lançou o CD "O Samba É Assim Com Ary Cordovil", com, entre outras, "Indiferença" (Gil Lima e Miguel Lima), "Giro Pelo Norte" (Monsueto Menezes), "Engano" (Zé do Violão e Plínio Gesta) e "Dança Alucinante" (Hélio Nascimento e Gil Lima).

Ary Cordovil faleceu aos 58 anos, no Rio de Janeiro, RJ, no dia 29/11/1981.

Discografia

  • 2000 - O Samba É Assim Com Ary Cordovil (Inter Records, LP)
  • 1967 - Ary Cordovil Em Ritmo Contagiante (CBS, LP)
  • 1967 - The Sound Of Ary Cordovil (CBS, LP)
  • 1964 - Vida De Peixe / Eu Peno Mais (Albatroz, 78)
  • 1964 - Festa Da Penha / Cheiro De Vela (Albatroz, 78)
  • 1963 - Zé Da Conceição / Balança, Balança (CBS, 78)
  • 1963 - Na Base Do João / Conselho Do Papai (CBS, 78)
  • 1962 - O Que Ela Me Fez / Seu Gregório (Continental, 78)
  • 1961 - É Malvada / Quem Vai Sou Eu (Philips, 78)
  • 1960 - É Melhor Refletir / Quem Viu Maria? (Todamérica, 78)
  • 1960 - Pois Sim / Saudade Intrusa (Philips, 78)
  • 1960 - Terminemos Aqui / Destino Malvado (Philips, 78)
  • 1959 - Ary Cordovil No Baile Da Gafieira (Sinter , LP)
  • 1959 - Cabeça É Pra Pensar / Blusa Roxa (Sinter, 78)
  • 1959 - Piston De Gafieira / Alegria De Pobre (Sinter, 78)
  • 1958 - Chega / Giro Pelo Norte (Todamérica, 78)
  • 1958 - Cabeça Erguida / Sem Saudade (Todamérica, 78)
  • 1957 - Casadinho Mora Junto / Quem Perdeu Foi Ela (Todamérica, 78)
  • 1957 - Engano / Meu Aniversário (Todamérica, 78)
  • 1957 - Voltarei / Palavras Malditas (Todamárica, 78)
  • 1956 - Formiga / Tava Gostoso (Todamérica, 78)
  • 1951 - Eu Quero É Sambar / Baião Da Rosa (Carnaval, 78)
  • 1951 - A Mulher Quer Mais Um (Carnaval, 78)
  • 1946 - O Chico Da Cuíca / O Requebrado Da Cabrocha (Continental, 78)
  • 1946 - Fui Um Louco / O Expresso Não Parou (Continental, 78)


Niltinho Tristeza

NILTON DE SOUZA
(81 anos)
Cantor e Compositor

☼ Rio de Janeiro, RJ (15/10/1936)
┼ Rio de Janeiro, RJ (10/02/2018)

Niltinho Tristeza foi um cantor e compositor nascido em no Rio de Janeiro, RJ, no dia 15/10/1936. Foi integrante da ala de compositores da Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, ex funcionário do INPS e linotipista. Nilton de Souza prestou serviços também na União Brasileira de Compositores (UBC) e na Sociedade Administradora de Direitos de Execução Musical do Brasil (SADEMBRA), entretanto, sua grande paixão e vocação sempre foi a música.

Nasceu em Botafogo, Rio de Janeiro, na Rua Real Grandeza, e lá mesmo foi criado, até se casar, na época do sucesso de "Tristeza", quando mudou-se do bairro. Porém até chegar a este momento trabalhou antes em muitos eventos. Niltinho Tristeza não teve influencias musicais da família. A música já nasceu consigo, um dom natural.

Niltinho Tristeza  começou no Bloco da São Clemente passando depois para o Foliões de Botafogo. Carrega este apelido devido ao grande sucesso de sua musica "Tristeza", composta em 1963 para o bloco Foliões de Botafogo e, sem sombra de dúvida, sua maior inspiração, sua composição mais conhecida até hoje, tanto no Brasil como no resto do mundo.

Seu amigo Paulo Duque incentivou-o com a primeira versão da música. Na realidade, somente 3 anos após ser composta, e com a nova parceria de Haroldo Lobo, que impressionou-se ao ouvi-la, a música recebeu algumas modificações que a tornaram mais popular. Seu parceiro não chegaria a ouvir a música nas rádios, falecendo antes de o samba ser lançado. Na época houve uma certa revolta dos dirigentes da São Clemente devido ao grande sucesso da musica, que afinal , foi cantada no bloco rival. A versão original é bastante conhecida pelos frequentadores mais assíduos do antigo Cantinho da Fofoca, e é também muito bem elaborada e de grande qualidade musical.

João Nogueira levou-o para o Cacique de Ramos em 1970 e em 1971, Zé Katimba o carregou definitivamente para a Imperatriz Leopoldinense.


Casado com Neuza Maria, a inspiradora de sua grande obra, há mais de 42 anos. Mulata que, como ele próprio, também trabalhava nos espetáculos produzidos por Oswaldo Sargentelli, e com ele trabalharam por mais ou menos 10 anos. Desse casamento tiveram um filho e 3 netos. Ela foi , na época, a grande batalhadora para que "Tristeza" alcançasse o sucesso. Por mito tempo Neuza Maria ainda trabalhou com o samba ensinando e ensaiando a dança para as novas gerações, além de integrar a ala das baianas da Imperatriz Leopoldinense.

Somente em 1966 a música estourou nas rádios e passou a ser uma das mais cantadas no Carnaval daquele ano, na voz de Ari Cordovil, passando daí ao exterior onde foi gravada centenas de vezes.

Além de "Tristeza"Niltinho Tristeza possui cerca de 150 sambas gravados e, pelo menos mais uns 40 guardados, inéditos. Somente "Tristeza" foi gravada 575 vezes. Graças à musica conseguiu estabilidade na vida.

Outro grande sucesso seu é a musica "Chinelo Novo", em parceria com João Nogueira (1971).

Em 1984, integrante da ala de compositores da Imperatriz Leopoldinense, ganhou o samba na Escola com "Alô Mamãe" (Niltinho Tristeza, Guga, Toninho e Jurandir). Em 1985 fizeram "Adolã - A Cidade Mistério". Em 1986 fizeram "Um Jeito Para Ninguém Botar Defeito" e em 1987 foi "A Estrela Dalva".

Em 1989, criou em parceria, o samba enredo "Liberdade! Liberdade! Abre As Asas Sobre Nós" (Niltinho Tristeza, Preto Jóia, Vicentinho e Jurandir) contribuindo assim para que a Imperatriz Leopoldinense se tornasse a campeã do carnaval daquele ano. Este samba já teve diversas regravações, sendo até hoje considerado o mais belo samba-enredo daquela agremiação.


A partir do sucesso de "Tristeza", Niltinho passou a ser muito solicitado no meio artístico e vários cantores começaram a gravar suas musicas, entre eles: Elizeth Cardoso, Pery Ribeiro, Wilson Simonal, Elza Soares, Jorge Goulart, Maria Creuza, Emílio Santiago, Dominguinhos do Estácio, Jair Rodrigues (Com sua voz é que "Tristeza" estourou de vez em 1966, sendo depois regravada no LP "Dois Na Bossa" com Elis Regina), Sergio Mendes, Doris Monteiro, Miltinho, Agnaldo RayolElis Regina, Toquinho, Vinicius de Moraes, Paulinho Mocidade, dentre vários outros.

O musico de jazz Oscar Peterson chegou a gravá-la em um LP com o título de sua música. Em outros países também foi gravado por Paul Mauriat, Astrud Gilberto, Freddy Cole, Julio Iglesias, Ray Connif, e três vezes diferentes por Ornella Vanoni.

Niltinho Tristeza atribui também o sucesso de sua musica a uma grande enchente que houve no Rio de Janeiro devido às densas chuvas que caíram nos meses que antecederam o Carnaval daquela época, inclusive ameaçando a suspensão do Carnaval.

Com o ambiente triste envolvendo a cidade, o povo saiu as ruas cantando em alto e bom som:
Tristeza

Por favor vá embora
Minha alma que chora
Está vendo o meu fim
Fez do meu coração a sua moradia
Já é demais o meu penar
Quero voltar aquela vida de alegria
Quero de novo cantar!

Em 1971, mudou-se para São Paulo para uma pequena temporada de shows, ficando por lá pelo menos 14 anos. A partir de 1972 levou para lá toda a sua família.

No final de 1981, recebeu um convite para montar um show de mulatas no chile e ficou por lá por volta de 6 meses.

Somente em 1985, Niltinho voltaria para o Rio de Janeiro. Adquirindo uma casa de vila em Ramos, para justamente ficar próximo ao Cacique de Ramos.

Alguns de seus grandes sucessos são "A Onda do Mar Levou" (Niltinho Tristeza e Nonô), "Barra de Ouro, Barra de Rio, Barra de Saia" (Niltinho Tristeza e Zé Katimba), este foi seu primeiro samba ganhador na Imperatriz Leopoldinense, "Liberdade! Liberdade! Abre As Asas Sobre Nós" (Niltinho Tristeza, Preto Jóia, Vicentinho e Jurandir), "Tristeza" (Niltinho Tristeza e Haroldo Lobo), "A Infelicidade" (Niltinho Tristeza e Mauro Duarte) e o samba introdutório da Imperatriz Leopoldinense, samba que é cantado na concentração antes da entrada da escola na passarela.

Niltinho Tristeza participou do CD "Meninos do Rio", em 2001, juntamente com outros compositores de renome da música, interpretando suas composições "Chinelo Novo", "Liberdade! Liberdade! Abre As Asas Sobre Nós" e "Tristeza".

Em 2003, participou juntamente com Noca da Portela, Darcy da Mangueira e Roberto Serrão, como um dos convidados de Leandro Fregonesi do Café Cultural Sacrilégio.

Em 2006 ganhou na Imperatriz Leopoldinense, o samba enredo da escola, em parceria com os compositores Amaurizão, Maninho do Ponto e Tuninho Professor. Ao todo já ganhou 5 vezes o samba enredo da Imperatriz Leopoldinense. 

Niltinho Tristeza gostava também de compor e cantar outros gêneros musicais tais como o samba canção, bossa nova, bolero e seresta. Curiosamente, apesar de seu potencial musical, Niltinho Tristeza gravou apenas três compactos pela RCA, Continental e RGE, fora, é claro, as gravações que fez para o CD "Meninos do Rio".

Morte

Niltinho Tristeza faleceu na tarde de sábado, 10/02/2018, no Rio de Janeiro, RJ, aos 81 anos. Ele estava internado há 15 dias no Hospital Getúlio Vargas, na Penha, Zona Norte do Rio de Janeiro, e lutava contra um câncer no pulmão.

O velório ocorreu no Cemitério do Caju às 10h00 de domingo, 11/02/2018, e o sepultamento às 14h30.

Nas Redes Sociais, familiares, amigos e admiradores do artista fizeram homenagens ao cantor.

Fonte: Dr. Zem e O Globo
Indicação: Valmir Bonvenuto

Ruy Faria

RUY ALEXANDRE FARIA
(80 anos)
Cantor, Compositor e Produtor Musical

☼ Cambuci, RJ (31/07/1937)
┼ Rio de Janeiro, RJ (11/01/2018)

Ruy Alexandre Faria foi um cantor, compositor e produtor musical brasileiro, fundador e integrante do grupo MPB-4, do qual foi membro entre os anos de 1964 e 2004, nascido no Município de Cambuci, Rio de Janeiro, no dia 31/07/1937.

Filho de Enedina Alexandre Faria, que tocava piano e Octávio Faria, segundo pistom de uma banda. Iniciou suas atividades musicais como crooner do Boêmios do Ritmo, um conjunto de baile de Santo Antônio de Pádua, RJ.

Em Niterói, com Gerardo, Gilberto Peruzinho formou o Trio Alvorada, cover do Trio Irakitan e atuou como músico, cantor e ator no Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes (UNE), ao lado de Carlos Vereza, João das Neves e Oduvaldo Viana Filho, entre outros.

Em 1964, integrou o Conjunto do CPC, um embrião do que viria a ser o MPB-4, que em 1965 por força do golpe militar de 1964, virou profissional, em São Paulo. Formou então um dos principais grupos musicais da Música Popular Brasileira, ao lado de Magro, Miltinho e Aquiles, fazendo parte do MPB-4 até o ano de 2004. A escala vocal de Ruy Faria era a 1ª voz, marcando musicalmente os arranjos das músicas do quarteto.

MPB-4
Ainda nos anos 1960, o grupo iniciou uma frutífera parceria com Chico Buarque, que durou dez anos. Os grandes sucessos comerciais do grupo, porém, vieram nos anos 1970, com álbuns como "De Palavra Em Palavra" (1971), "Cicatrizes" (1972), "Canto Dos Homens" (1976) e "Cobra De Vidro" (1978).

Ruy Faria foi responsável por assinar roteiros para espetáculos do MPB-4, como "Canções e Momentos""Feitiço Carioca" e "Arte de Cantar".

Paralelamente ao seu trabalho com o MPB-4, Ruy Faria gravou, com produção e direção próprias, o álbum solo "Amigo É Pra Essas Coisas", remasterizado e relançado em CD pela gravadora Velas. Fez shows individuais em várias cidades cantando músicas do disco.

Atuou como diretor artístico e produtor musical de um disco de Roberto Nascimento e do LP "Pronta Pra Consumo", de Cynara, do Quarteto em Cy, com quem foi casado e teve três filhos: João, Irene e Francisco.

Ruy Faria foi responsável por assinar inúmeros roteiros para espetáculos do MPB-4, como "Canções e Momentos", "Feitiço Carioca" (Em homenagem a Noel Rosa em 1987), "Melhores Momentos" (Em homenagem aos 30 anos do Canecão, RJ) e, com Miguel Falabela e Maria Carmem, "Arte de Cantar" (Em comemoração aos 30 anos de carreira do grupo). Atuou também como diretor artístico do CD "Melhores Momentos", gravado ao vivo pelo MPB-4 no Teatro Rival.

MPB-4 em 1995
Participou de projetos como roteirista e diretor geral de shows de Danilo Caymmi, Marisa Gata Mansa e Reinaldo Gonzaga em homenagem à obra de Antonio Maria. Do show de lançamento do CD da cantora Dora Vergueiro e do show de lançamento do instrumentista, compositor e cantor Kiko Furtado.

Em 2004, saiu do MPB-4 após desentendimentos com Milton Lima dos Santos Filho (Miltinho), pois não concordava que ele assumisse a dianteira nos assuntos empresariais do grupo. Em seguida, foi substituído por Dalmo Medeiros, que ocupa atualmente sua posição vocal.

Ao deixar o MPB-4, após 40 anos de trabalho em conjunto, Ruy Faria fez shows em dupla com o compositor Carlinhos Vergueiro, no Rio de Janeiro e em 2005, lançaram juntos o CD "Dupla Brasileira - Só Pra Chatear", reverenciando duplas que marcaram o cenário da Música Popular Brasileira, como Francisco Alves e Mário Reis, Cascatinha e Inhana, Zé da Zilda e Zilda do Zé, Jackson do Pandeiro e Almira, Joel e Gaúcho, Jonjoca e Castro Barbosa, Toquinho e Vinicius, Irmãos Tapajós e ainda Cynara e Cybele.


Em 2007, após 43 anos formado pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Ruy Faria conseguiu emitir seu registro como advogado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional do Rio de Janeiro e atuou em um dos conceituados escritórios na cidade.

Em 2008, Ruy adaptou e dirigiu o espetáculo musical "Calabar", de Chico Buarque e Rui Guerra, no Teatro Niemeyer, Niterói.

Ruy Faria foi casado com Cynara, integrante do Quarteto Em Cy. Os dois tiveram três filhos: JoãoIrene e Francisco. O casamento também rendeu boas parcerias musicais, como a música "Mar Da Tranqüilidade" (Ruy FariaCynara e Aquiles), 1968, e os LPs "Cobra De Vidro" (1978), "Bate-Boca" (1997), "Somos Todos Iguais Nesta Noite" (1998) e "Vinícius, a Arte do Encontro" (2000).

Os filhos João Faria e Chico Faria seguiram a carreira musical. O primeiro excursiona com artistas consagrados, como o MPB-4, e segue também carreira solo. Seu irmão Francisco também realiza estas atividades e lança também suas próprias composições.

Morte

Ruy Faria faleceu na tarde de quinta, 11/01/2018, aos 80 anos. Ele estava internado para tratar de uma pneumonia desde 09/12/2017, no Hospital Federal de Bonsucesso. A causa da morte foi falência múltipla dos órgãos em decorrência de uma pneumonia.

O velório e o sepultamento de Ruy Faria ocorreu na sexta-feira, 12/01/2018, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, às 14h00, na capela 9.

Indicação: Valmir Bonvenuto

Elson do Forrogode

ELSON CRUZ
(75 anos)
Cantor e Compositor

☼ São Fidélis, RJ (20/03/1942)
┼ Rio de Janeiro, RJ (02/11/2017)

Elson Cruz, mais conhecido como Elson do Forrogode, foi um cantor e compositor brasileiro, nascido em São Fidélis, RJ, no dia 20/03/1942. Seu nome artístico originou-se da junção de dois ritmos populares nacionais, o forró e o pagode.

Após participar de vários programas, nas rádios Tupi, Nacional, dentre outras, e programas de televisão como "A Grande Chance", com Flávio Cavalcanti, Elson teve participação marcante nos festivais de música na época, tais como o Festival Internacional da Canção (FIC) onde cantou em 1971 e 1972 as músicas "Karanuê" e "Nó Na Cana" (César Fome e Ary do Cavaco).

Em 1973, na RCA faz de seu primeiro compacto simples com produção de Milton Nascimento e arranjos de Wagner Tiso.

Em 1975 lançou seu primeiro LP "Desafio da Navalha" também pela RCA, com produção do jornalista Sérgio Cabral, tendo como arranjadores, Wagner Tiso, Oberdan Magalhães, Rildo Hora e Paulo Moura.

O nome artístico de Elson do Forrogode já anunciava a mistura sonora que o artista procurou emplacar a partir de 1987, promovendo no álbum "Forrogode", a fusão de forró - genérico gênero musical que designa vários ritmos nordestinos, dos quais o cantor sempre gostou, com o pagode que conquistou o Brasil a partir de 1985 e que gerou ídolos como Zeca Pagodinho. A rigor, a mistura não emplacou.

Seu auge ocorreu em 1989, com a canção "Talismã" (Michael Sullivan e Paulo Massadas), lançada no álbum "Alô Brasil" pela gravadora RGE, foi uma das mais executadas, fato que lhe garantiu o disco de ouro na época. A música seria regravada tempos depois pela dupla Leandro & Leonardo.

"Talismã" se tornou uma das músicas mais tocadas no Brasil naquele ano de 1989 e virou o maior sucesso da carreira de Elson do Forrogode.

Em 1993, lançou o álbum "Cada Dia Quero Mais", contendo o sucesso "Jeito Atrevido" (Arandas Júnior). Desde então, Elson do Forrogode participou ativamente da vida cultural do país, seja compondo, fazendo shows e produzindo e dirigindo projetos.

Entre um disco e outro, Elson gravou álbuns como "Imã" (RGE, 1990) e "Amor Na Palma Da Mão" (CID, 2002), além de ter feito shows pelo Brasil e na África, no rastro do estouro de "Talismã".

Morte

Elson do Forrogode morreu na tarde de quinta-feira, 02/11/2017, aos 75 anos em decorrência de complicações do diabetes e insuficiência renal. Ele estava internado desde o dia 06/10/2017 no Hospital Mario Kroeff, na Penha Circular, Zona Norte do Rio de Janeiro, após ser transferido do Hospital Municipal Rocha Faria.

Elson foi velado na sexta-feira, 03/11/2017, às 7h00, no Cemitério do Caju, Zona Norte do Rio de Janeiro. O sepultamento foi marcado para às 12h00.

Discografia
  • 1975 - Desafio Da Navalha
  • 1987 - Forrogode
  • 1989 - Alô Brasil
  • 1990 - Imã
  • 1993 - Cada Dia Quero Mais
  • 1994 - Coisas Do Peito
  • 1996 - Não Vivo Sem Você
  • 1996 - 20 Preferidas
  • 1998 - Só Vale a Paixão
  • 2000 - Talismã e Outros Sucessos
  • 2000 - Amor Na Palma Da Mão
  • 2006 - 7 Dias De Forró
  • 2015 - Me Leva

Fonte: Wikipédia
Indicação: Miguel Sampaio

Ataulpho Alves Júnior

ATAULPHO ALVES DE SOUZA JÚNIOR
(74 anos)
Cantor e Compositor

☼ Rio de Janeiro, RJ (05/08/1943)
┼ Rio de Janeiro, RJ (15/10/2017)

Ataulpho Alves Júnior foi um cantor e compositor brasileiro nascido no bairro do Méier, subúrbio do Rio de Janeiro, no dia 05/08/1943.

Filho do compositor Ataulfo Alves de Souza, herdou do pai o tradicional lenço branco que foi sua marca registrada.

Inicialmente, integrou o trio Os Herdeiros do Samba, juntamente com Aluízio e sua irmã Matilde. O nome do trio foi dado pelo pai, sendo ensaiado pelo violonista Meira.

Em 1963, apresentou-se pela primeira vez para o público no Teatro Record, em São Paulo, no "Programa Bossaudade", de Elizeth Cardoso, sua madrinha artística.

Entre 1963 e 1969, trabalhou ao lado do pai em diversos shows por todo o Brasil. Neste mesmo ano, gravou seu primeiro disco, um compacto simples pela gravadora Continental.

Em 1973, compôs a sua primeira música, "A Mangueira é Você", em parceria com Barbosa da Silva, gravada por Moreira da Silva.


Em 1976, gravou seu primeiro grande sucesso, "Os Meninos da Mangueira" (Rildo Hora e Sérgio Cabral). A música alcançou o primeiro lugar nas paradas de sucesso da época, abrindo caminho para outros sucessos do cantor, como "Pedro Sonhador" (Rildo Hora e Sérgio Cabral), "Canto de Amor" (Rildo Hora e Sérgio Cabral), "A Bela da Tarde" (Rildo Hora e Sérgio Cabral), "Mais Um Samba de Amor", "Razão Pra Cantar", "Emoções Fortes" e "Paixão Estilo Antigo".

Entre 1992 e 1993, excursionou pela Europa, apresentando-se em várias cidades. Voltou à Europa nos anos de 1996, 1997 e 1998, apresentando-se em várias casa noturnas como Casino Vilamoura (Algarve), Casino Solverde (Espanha), Ilha da Madeira, Expo-98, em Lisboa, Sevilla, Astúrias, Oviedo e em Granada.

Em 1999, participou do projeto "Discoteca do Chacrinha", gravando pela Universal/Polydor um dos CD's do projeto ao lado de vários outros artistas.

Em 2002, fez espetáculo juntamente com Heitorzinho dos Prazeres, no qual reviveu mais de quatro décadas depois o conjunto Herdeiros do Samba, seu momento inicial de carreira e alguns sucessos de Ataulfo Alves e Heitor dos Prazeres.

No ano de 2003, apresentou o show "Os Grandes Mestres da MPB", no Café Cultural Sacrilégio, na Lapa, centro do Rio de Janeiro.

Em 2005 foi um dos convidados do programa "Dorina Samba", apresentando-se no auditório da Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Desenvolveu também neste mesmo ano o projeto "Herdeiros do Samba".

Morte

Ataulpho Alves Júnior faleceu na noite de domingo, 15/10/2017, aos 74 anos, vítima de um infarto. Ele estava no apartamento em que morava com a família, no bairro da Glória, Zona Sul do Rio de Janeiro. A mulher dele, Malu, relatou que o marido havia sofrido um infarto há três meses e estava em tratamento. O casal assistia à televisão quando o sambista caiu sobre o ombro dela e não acordou mais.
"Ele estava em tratamento, tomava os remédios direitinho. Estávamos recostados, vendo o 'Fantástico', e ele me contava que, quando voltasse (aos shows) chamaria o Jorginho do Império, estava conversando só coisa boa, sempre cheio de planos. Aí, do nada, ele bateu com a cabeça no meu ombro. Perguntei se ele estava brincando, mas vi os olhos fechados, a boca, e chamei meu filho!"
De acordo com Malu, ela e o filho chamaram um médico que morava no 3º andar. Ele realizou massagem cardíaca enquanto os bombeiros chegavam ao apartamento. A mulher chorava muito quando recebeu a notícia de que o marido não havia resistido.

O velório e o sepultamento do sambista ocorrerá na tarde de segunda-feira, 16/10/2017, no jazigo da família, no Jardim da Saudade, em Sulacap.

Discografia

  • 1999 - Discoteca Do Chacrinha (Universal/Polydor, CD)
  • 1998 - Bodas De Ouro (Sony Music, CD - Participação)
  • 1997 - Geração Samba (Warner Music, CD)
  • 1996 - Aos Mestres Com Carinho Vol. 2 (CID, CD)
  • 1995 - Leva Meu Samba / Clássicos Do Mestre Ataulfo (Eldorado, CD)
  • 1991 - Samba Que Te Quero Samba (Som Livre, LP)
  • 1984 - Leva Meu Samba - Ataulpho Alves JR e Elizete Cardoso (Eldorado, LP)
  • 1980 - Leva Meu Samba - Homenagem Aos 80 Anos Do Mestre Ataulfo (Som Livre, LP)
  • 1979 - Emoções Fortes (WEA Discos, LP)
  • 1979 - A Bela Da Tarde (WEA Discos, Compacto Simples)
  • 1979 - Alegria De Viver (WEA Discos, Compacto Simples)
  • 1978 - Vida, Viola E Samba (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1978 - Banda De Ipanema (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1977 - Pedro Sonhador (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1976 - Os Meninos Da Mangueira (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1976 - Ataulpho Alves Júnior (RCA Victor, LP)
  • 1974 - Razão Pra Cantar (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1974 - Mais Um Samba De Amor (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1973 - Se Eu Pudesse (RCA Victor, Compacto Simples)
  • 1973 - Ataufo Alves Júnior (RCA Victor, LP)
  • 1969 - Ataulpho Alves Júnior (Continental, Compacto Simples)
  • 1969 - O Herdeiro Sou Eu (Polydor/PolyGram, LP)
  • 1963 - Eternamente Samba (Polydor/PolyGram, LP)

Indicação: Miguel Sampaio

Archimedes Messina

ARCHIMEDES MESSINA
(85 anos)
Compositor, Jornalista, Publicitário e Radialista

☼ São Paulo, SP (1932)
┼ São Paulo, SP (31/07/2017)

Archimedes Messina foi um compositor, jornalista, publicitário e radialista brasileiro, nascido em São Paulo em 1932.

Archimedes Messina fez parte do dia-a-dia dos brasileiros nos últimos 50 anos. Dentre os muitos jingles que ele criou e que viraram clássicos na cabeça de várias gerações, o mais famoso deles ainda vai ao ar todas as semanas: "Silvio Santos Vem Aí", a trilha sonora que acompanha o maior apresentador do país desde o início de sua carreira no rádio, foi composta por Archimedes Messina e ajudou a torná-lo um dos maiores compositores de jingles brasileiros.

Archimedes Messina sempre sonhou em trabalhar com rádio. Quando menino, ouvia toda a programação de jornais, radionovelas e programas de auditório. Entrando na vida adulta, surgiu a primeira oportunidade de se tornar radioator na Rádio São Paulo, líder de audiência na época. Mais tarde passou a escrever programas de rádio e o primeiro foi para o drama "Aqueles Olhos Azuis".

A atuação como ator em pequenos papéis acompanhou trabalhos de locução na TV Record e os primeiros projetos como compositor, fazendo músicas para as novelas nas quais atuava. Mas foi com marchinhas carnavalescas que Archimedes Messina começou a se projetar nacionalmente: "Faz Um Quatro Aí", de 1957, foi seu primeiro sucesso, que o colega de rádio, o humorista Chocolate, gravou.

O sucesso com essa e outras marchinhas chamou atenção do amigo Jorge Adib, que comandava uma agência de publicidade chamada Multi Propaganda. Uma proposta de aumento de salário, que era o dobro do que Archimedes Messina ganhava na Rádio São Paulo, foi o suficiente para superar o receio do então radioator em mudar radicalmente de função. Ele fechou um contrato de três meses para compor jingles para os clientes da Multi Propaganda. Deu tão certo que ao final dos três meses ele recebeu o dobro do que havia sido combinado e entrou de vez para o mercado publicitário.


Três anos depois, integrava o elenco de compositores da Sonotec, onde durante 15 anos compôs os jingles da Varig, como "Urashima Tarô" e do "Seu Cabral" além de ter composto o jingle para o Café Seleto.

Os anos trabalhando em rádio já haviam colocado Archimedes Messina no caminho de Senor Abravanel, já Silvio Santos, que trabalhava para Manuel de Nóbrega na Rádio Nacional.

Em 1964, o comunicador ganharia seu primeiro programa solo aos domingos e coube a Archimedes Messina compor a trilha sonora do programa. O compositor encontrou Silvio Santos em um corredor da Rádio Nacional e perguntou como ele queria que fosse a música: "Silvio pediu simplesmente uma música animada, bem alegre e simples, que pegasse rápido, afinal seria o tema de abertura do seu programa", contou o especialista em jingles Fábio Barbosa Dias.

Segundo Fábio Barbosa Dias, o futuro Homem do Baú ainda sugeriu que a música começasse com um "lá, lá, lá" e que depois Archimedes Messina poderia continuar como quisesse. Surgiram então os versos:

Lá, lá, lá, lá
Lá, lá, lá, lá
Lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá

Agora é hora de alegria
Vamos sorrir e cantar
Do mundo não se leva nada
Vamos sorrir e cantar

Lá, lá, lá, lá
Lá, lá, lá, lá
Lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá
Silvio Santos vem aí!


Silvio Santos aprovou a música de cara e o sucesso com o público foi tão grande que ela o acompanhou no ano seguinte em sua chegada à televisão. Com ela, fez sucesso na TV Paulista, na TV Globo e finalmente na TVS, hoje SBT, que o próprio Silvio Santos inaugurou em 1981.

Trilha de todos os domingos, a música foi até tema do jingle eleitoral de Silvio Santos em sua fracassada tentativa de se candidatar à presidência da República em 1989. Anos mais tarde, a música traria dores de cabeça a Silvio Santos.

Em 2001, Archimedes Messina moveu um processo contra Silvio Santos reclamando os direitos autorais que a composição arrecadou ao longo de todos os anos em que foi executada. Os cálculos dos advogados levaram a um pedido de R$ 50 milhões. O SBT recorreu e o processo se arrastou até 2011, quando a Justiça determinou que fosse paga uma indenização de R$ 5 milhões para Archimedes Messina e que a música não fosse mais executada. No ano seguinte, em condições mantidas em sigilo, Silvio Santos e Archimedes Messina entraram em um acordo e em 2013 a música voltou a fazer parte dos domingos dos brasileiros.

Ainda que esse seja o seu maior sucesso, a carreira de Archimedes Messina passa longe de se resumir ao jingle de Silvio Santos. O fenômeno com o jingle do apresentador chamou a atenção de Carlos Ivan Siqueira, diretor de propaganda da Varig, que em 1967 encomendou uma música que vendesse viagens para Portugal: "Archimedes criou uma historinha que envolvia um tal de 'Seu Cabral', que vinha ao Brasil de caravela e voltava a Portugal em um avião da Varig", contou Fábio Barbosa Dias.


Foi só o primeiro dos muito jingles que Archimedes Messina fez para a companhia aérea em 20 anos de parceria. Sempre que precisava vender algum novo destino da companhia, Archimedes Messina pesquisava algo sobre a cultura ou a história daquele país que lhe servissem de gancho. Foi assim que a lenda de Urashima Taro, uma tartaruga salva por um pescador, se tornou a base para outro sucesso: O pescador trouxe a tartaruga para o Brasil e ela voltou a sua terra natal, o Japão, em um jatinho da Varig. A música foi gravada por Rosa Miyake, apresentadora do programa "Imagens do Japão".
"Ele me convidou para gravar e eu achei o máximo! No dia da gravação eu estava muito nervosa. Ele me chamou no estúdio e disse: 'Rosinha, esse pedaço do estúdio é todinho seu, cante como se estivesse no palco'. Eu estava suando! Foi uma experiência que eu nunca vou esquecer. Ele era querido por todos por sua lealdade e sensibilidade."
(Recordou Rosa Miyake)

Foram 12 músicas para a companhia aérea, cada uma sobre um Estado brasileiro ou país. Em alguns casos, Archimedes Messina viajou com custos cobertos pela Varig para conhecer melhor a história do lugar e assim criar uma história que cativasse o público. Outro de seus sucessos foi o jingle do Café Seleto, composto em 1974 sem que Archimedes Messina recebesse qualquer informação sobre o produto. E não precisou. Assim mesmo a música caiu nas graças do povo e de Manoel da Silva, o Maneco, dono da marca: "Ao receber a gravação finalizada, seus olhos encheram de lágrimas", aponta Fábio Barbosa Dias.

Archimedes Messina trabalhou até o final de sua vida. Embora raramente compusesse jingles, dedicou seus últimos anos a colocar melodia nas letras que havia composto ao longo de sua carreira, mas que não teve tempo de musicar por causa do volume de trabalho. O processo de composição seguiu o mesmo: batucando em uma caixinha de fósforo para encontrar a melodia correta para "grudar" nos ouvidos do público.

Morte

Archimedes Messina faleceu na segunda-feira, 31/07/2017, aos 85 anos. Na sexta-feira, 28/07/2017,  Archimedes Messina sofreu um aneurisma no fígado em casa e foi internado no Hospital Santa Maggiore, na região central de São Paulo. Uma cirurgia estava marcada para esta quarta-feira, 02/08/2017, mas ele não resistiu a uma ruptura no vaso do fígado. O velório ocorreu justamente na quarta-feira, na Vila Mariana, em São Paulo.

Archimedes Messina deixou dois filhos, três netos e a mulher, Inajá, companheira desde 1962 e com quem era casado desde 1965.

Indicação: Miguel Sampaio