Mostrando postagens com marcador Jogador Futebol. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jogador Futebol. Mostrar todas as postagens

Mateus Caramelo

MATEUS LUCENA DOS SANTOS
(22 anos)
Jogador de Futebol

☼ Araçatuba, SP (30/08/1994)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Mateus Lucena dos Santos, conhecido como Mateus Caramelo, ou simplesmente Caramelo, foi um jogador de futebol brasileiro que atuou como lateral-direito, nascido em Araçatuba, SP, no dia 30/08/1994.

Mogi Mirim

Mateus Caramelo destacou-se pelo Mogi Mirim no Campeonato Paulista de 2013. Morando no alojamento do clube, a revelação fez sua estreia na vitória diante do São Paulo, pela última rodada, e foi o titular nas duas partidas que o Mogi Mirim faria pelo mata-mata da competição.

Seu apelido chamou a atenção de torcedores e imprensa: devido à música "Camaro Amarelo", da dupla sertaneja Munhoz & Mariano, em que os intérpretes cantam "Agora fiquei doce igual Caramelo, tô tirando onda de Camaro Amarelo", e a brincadeira com a composição foi inevitável. O próprio atleta dizia desconhecer a origem da alcunha.

São Paulo

Após as eliminações do São Paulo no Campeonato Paulista e na Libertadores na mesma semana, o presidente Juvenal Juvêncio fez uma reformulação no elenco, afastando sete atletas e contratando outros três, incluindo Mateus Caramelo e Roni, do Mogi Mirim.

Mateus Caramelo estreou cinco dias depois, em um amistoso contra o Londrina, mas, em jogos oficiais, teve de esperar até setembro, quando ganhou uma chance contra a Ponte Preta no primeiro jogo de Muricy Ramalho em sua última passagem como técnico do time. Mateus Caramelo atuaria apenas mais uma vez no ano, contra o Fluminense, entrando no segundo tempo, e acabou emprestado no início do ano seguinte, para adquirir experiência.

Atlético Goianiense

Em 17/01/2014, foi anunciado seu empréstimo ao Atlético Goianiense, com contrato até o fim da temporada. Mateus Caramelo ficou na reserva durante quase todo o período, mas lá marcou o único gol de sua carreira profissional, contra o América Mineiro. Nessa passagem, fez parte do elenco campeão goiano.

Chapecoense

Após voltar do empréstimo e seguir sem espaço no São Paulo, Mateus Caramelo foi novamente emprestado, até o fim de 2015, para a Chapecoense. Assim como no empréstimo anterior, também ficou na reserva na maior parte dos jogos, mas, mesmo assim, o clube catarinense queria estender o empréstimo.

Quando seu empréstimo à Chapecoense venceu, o São Paulo deu uma chance para Mateus Caramelo mostrar seu valor ao recém-chegado técnico Edgardo Bauza, no início de 2016. Ele foi aprovado por Edgardo Bauza e inscrito para a Libertadores, o que foi considerado uma surpresa.

Após a contratação do lateral argentino Buffarini e más atuações em jogos importantes, como um clássico contra o Santos Futebol Clube onde o São Paulo jogou com um time reserva, Mateus Caramelo perdeu espaço e foi procurado pelo Sport e Chapecoense.

No Morumbi, era visto como uma promessa. Alguém em quem o clube confiava para o futuro. Um jogador de muita força, profissional, sereno e bom de grupo. As duas temporadas por empréstimo na Chapecoense, 2015 e 2016, serviriam como amadurecimento para retornar e ser aproveitado.

Morte

Mateus Caramelo faleceu aos 22 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Chapecoense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Fonte: Wikipédia

Marcelo

MARCELO AUGUSTO MATHIAS DA SILVA
(25 anos)
Jogador de Futebol

☼ Juiz de Fora, MG (26/08/1991)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Marcelo Augusto Mathias da Silva, mais conhecido como Marcelo, foi um jogador de futebol brasileiro que atuou como zagueiro, nascido em Juiz de Fora, MG, no dia 26/08/1991.

Aos 19 anos, Marcelo viu a fome de perto quando jogava nas categorias de base do Macaé Esporte Futebol Clube e ouvia promessas não cumpridas dos dirigentes. Certa vez, segundo ele, ficou sem janta e precisou caminhar na praia para passar o tempo até o café da manhã. Descobriu por terceiros que seria dispensado do clube, assim como todos os outros jogadores dos juniores.

Com uma pubalgia, se desiludiu e decidiu abandonar o futebol. De volta a sua cidade, Juiz de Fora, Marcelo, precisou trabalhar um tempo como marceneiro. Mas Paulo, seu pai, não se conformava em ver o filho desistir do sonho e o convenceu a aceitar um convite do Volta Redonda Futebol Clube para conversar.
"Ele arrumou um carro de um amigo e me levou. Chegamos lá, eu não acreditava muito no que me prometiam. Estava desiludido, parecia tudo muito fácil do jeito que falavam. Não queria mais sofrer. Ele se sentou atrás de uma caçamba de entulho, me chamou e disse que eu deveria aceitar. Que Deus havia me colocado naquele caminho. Começou a chorar. Não tive como recusar. Fiquei e hoje sou muito grato ao Volta Redonda"
Volta Redonda

Marcelo foi contratado pelo Volta Redonda antes do início da Copa Rio de 2013 e foi um dos principais responsáveis pela defesa titular do Volta Redonda não levar gols durante dez jogos seguidos na competição. Nesta competição, Marcelo esteve presente em 14 dos 16 jogos do Volta Redonda e a equipe sofreu apenas cinco gols na Copa Rio nas partidas em que ele atuou.

No ano seguinte se destacou no Campeonato Carioca de 2014. O defensor jogou em 14 dos 15 jogos do Volta Redonda, que teve a sexta melhor defesa da competição, com 19 gols sofridos, e fez um gol.

Suas boas atuações chamaram a atenção do Fluminense. O Volta Redonda não fez boa campanha, terminando na 11ª colocação, mas o zagueiro chamou a atenção em pelo menos três jogos contra equipes grandes e outras partidas do torneio, mostrando segurança, poder de antecipação e eficiência no jogo aéreo, após boas partidas contra Flamengo, Vasco da Gama e Botafogo, quando deu um belo chapéu no centroavante Ferreyra.

No total, Marcelo atuou em 28 jogos com a camisa do Volta Redonda, fez um gol, levou seis cartões amarelos e nos jogos em que esteve em campo, a equipe sofreu 23 gols.

Cianorte

Marcelo deixou o Volta Redonda tendo parte dos direitos econômicos adquirida por investidores e foi vinculado ao Cianorte, do Paraná. O valor pago ao clube da Cidade do Aço girou na casa de R$ 500 mil.

Flamengo

O Flamengo encaminhou a contratação de Marcelo, que foi chamado de "Novo Dedé", em 17/04/2014. A contratação, por empréstimo, com opção de compra, foi finalizada em 23/04/2014, onde Marcelo foi novamente chamado de "Novo Dedé". Foi apresentado oficialmente com a camisa rubro-negra em 26/04/2014, junto com o atacante Arthur.
"É um motivo de alegria vestir a camisa do Flamengo. É o sonho de qualquer atleta. Cheguei com o intuito de vencer e ajudar o clube em qualquer situação. Pretendo fazer o meu melhor, o Flamengo merece. Lutei bastante para estar aqui. Se cheguei aqui, acredito que estou preparado. Vou buscar o meu espaço, correr pelas pontas, respeitar meus companheiros e fazer o melhor para o Flamengo!"
Foi regularizado em 30/04/2014 e realizou sua estreia pelo Rubro-Negro no clássico contra o Botafogo no Maracanã, jogando como titular. Estava fazendo uma boa partida quando, perto do fim do jogo, ele acabou cometendo um erro em que perdeu a bola e quase resultou no gol de empate do Botafogo, mas o Flamengo venceu o rival por 1x0.

Em seu quinto jogo com a camisa do Flamengo, ele entrou pela primeira vez na Seleção da Rodada do Campeonato Brasileiro, feita pelo GloboEsporte.com, após fazer uma grande partida contra o Coritiba, ajudando a equipe a conquistar a primeira vitória fora de casa.

No dia 31/08/2014, no jogo contra o Vitória, no Barradão, seu oitavo jogo pelo clube, ele marcou, de cabeça, o seu primeiro gol com a camisa rubro-negra, após cobrança de escanteio batida pelo Everton. Por conta de sua atuação, ele entrou novamente na Seleção da Rodada do site GloboEsporte.com.

Marcelo terminou o primeiro turno o brasileirão com a melhor média entre os zagueiros, no Troféu Armando Nogueira, do SporTV.

Também ficou marcado por protagonizar uma entrevista polêmica, onde afirmava que tinha a "total dúvida" que o time estava de parabéns, pois o Flamengo havia vencido o jogo com sobras.

Chapecoense

Após não renovar com o Flamengo, Marcelo foi anunciado como reforço da Chapecoense para a temporada de 2016.

Morte

Marcelo faleceu aos 25 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Flamengo
  • 2015 - Torneio Super Series

Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Fonte: Wikipédia

Waldir Peres

WALDIR PERES DE ARRUDA
(66 anos)
Goleiro

☼ Garça, SP (02/01/1951)
┼ Mogi Mirim, SP (23/07/2017)


Waldir Peres de Arruda, mais conhecido como Waldir Peres, foi um futebolista brasileiro que atuava como goleiro, nascido em Garça, SP, no dia 02/01/1951.

Waldir Peres era considerado um dos mais importantes goleiros do futebol brasileiro. Defendeu o São Paulo de 1973 a 1984 e a Seleção Brasileira em três Copas do Mundo, 1974, 1978 e 1982. Jogou nas décadas de 1970 e 1980, e foi considerado em boa parte desse tempo um dos melhores goleiros do Brasil.

Foi reserva nas Copas do Mundo de 1974 e 1978, sendo titular na Copa do Mundo de 1982, na Espanha, onde era um dos destaques de um time que contava com Zico, Sócrates, Falcão e Oscar. Waldir Peres é o goleiro com menor média de gols sofridos na Seleção Brasileira entre os que atuaram em Copas do Mundo.

Waldir Peres começou a carreira como revelação da Ponte Preta, mas foi no São Paulo, aonde chegou em 1973, onde ganhou projeção. Não estava na convocação original do Brasil para a Copa do Mundo de 1974, mas, com a contusão do goleiro reserva Wendel no joelho esquerdo, o titular do São Paulo foi chamado. Entretanto, sua primeira partida pela Seleção só aconteceria mais de um ano depois, em 04/10/1975, uma vitória por 2 x 0 sobre o Peru, pelas semifinais da Copa América de 1975 - o Brasil perdeu a classificação para a final no sorteio.

Nesse período, ele já tinha conquistado o primeiro título de sua carreira, o Campeonato Paulista de 1975. A final contra a Portuguesa só foi decidida nos pênaltis, e Waldir Peres espalmou as cobranças de Dicá e Tatá. Como Wilsinho chutou para fora e o São Paulo tinha convertido suas três penalidades, o tricolor comemorou o título. A torcida gritou o nome do goleiro e carregou-o em seus braços, já com a faixa de campeão.


Seu segundo título também veio nos pênaltis: o Campeonato Brasileiro de 1977, decidido apenas em 05/03/1978. Ele começou o campeonato em um rodízio com Toinho, em que cada um disputava três jogos, mas retomou o posto de titular na reta final. Na final, o São Paulo, que tinha 10 pontos a menos que o adversário, o Atlético-MG, empatou por 0 x 0 no Mineirão, tanto no tempo normal como na prorrogação. Nos pênaltis, o goleiro do São Paulo manteve-se frio e catimbou bastante, ajudando a deixar nervosos Joãozinho Paulista, Toninho Cerezo e Márcio, que chutaram suas cobranças para fora, dando o título à equipe paulista. Nessa época, foi considerado um dos três melhores goleiros em atividade no Brasil.

Nessa condição ele foi convocado para a Copa do Mundo de 1978, mas, assim como quatro anos antes, não entrou em campo. Só voltaria a ser convocado mais de dois anos depois, e em condições parecidas com a sua convocação em 1974.

O técnico da Seleção Brasileira, Telê Santana, não convocou Waldir Peres para o Mundialito, que se realizaria entre o fim de 1980 e o início de 1981 para comemorar o cinquentenário da Copa do Mundo, mas teve de chamá-lo em 5 de janeiro, depois do titular Carlos se contundir na primeira partida, contra a Argentina. A convocação de Waldir Peres gerou polêmica, por causa da boa fase de Leão, então no Grêmio. Isso apesar do goleiro ter acabado de conquistar o Campeonato Paulista de 1980 com o São Paulo. Waldir Peres, no entanto, não entrou em campo nos dois outros jogos da campanha do vice-campeonato. Ele só voltaria a defender o gol do Brasil, pela primeira vez desde 19/05/1976, na partida contra a Venezuela em 08/02/1981, pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1982.

Seu grande momento na Seleção Brasileira veio um mês e meio depois, em 19 de maio, num amistoso contra a Alemanha. Quando Luisinho cortou um cruzamento de Karl-Heinz Rummenigge com a mão, o árbitro inglês Clive White marcou o pênalti. Faltavam 10 minutos para o fim do jogo, e o Brasil vencia por 2 x 1. Paul Breitner, que nunca tinha perdido uma penalidade em sua carreira até ali, partiu para a cobrança, e a bola foi no canto esquerdo, e Waldir Peres defendeu. O árbitro anulou a defesa, alegando que o goleiro se adiantou. Paul Breitner chutou novamente, desta vez no outro canto, e Waldir Peres defendeu mais uma vez. O Neckarstadion ficou em silêncio.


A atuação serviu de consolo para o goleiro, que tinha perdido no início do mês o Campeonato Brasileiro de 1981, com duas derrotas para o Grêmio. De qualquer maneira, Waldir Peres protagonizou um lance que fez a torcida lembrar da final de 3 anos antes. Quando Baltazar correu para cobrar um pênalti no primeiro jogo, Waldir Peres partiu em sua direção e impediu a cobrança. O atacante adversário teve de repeti-la, mas, possivelmente nervoso, chutou para fora.

Ainda em 1981, conquistou o bicampeonato paulista. Mantendo a posição de titular da Seleção Brasileira desde o começo do ano, no ano seguinte, foi convocado para ser o goleiro titular do Brasil na Copa do Mundo de 1982. Sofreu um frango incrível na primeira partida, contra a União Soviética, mas foi mantido na posição. Curiosamente, foi o único jogador do Brasil em toda a Copa a receber um cartão amarelo. A derrota por 3 x 2 para a Itália, que determinou a eliminação brasileira, foi o único jogo oficial pela Seleção Brasileira em que Waldir Peres sofreu mais de um gol. Foi também seu último jogo com a camisa da Seleção Brasileira.

Waldir Peres deixou o São Paulo na metade de 1984, onde jogou de 03/11/1973 e 26/05/1984, indo para o America-RJ. Em seguida, foi para o Guarani. No Campeonato Brasileiro de 1985, defendeu três pênaltis em um jogo contra o Flamengo, ajudando a garantir a vaga para a fase seguinte.

Em 1986 chegou ao Corinthians. Apesar de ter passado 12 anos em um dos maiores rivais do clube, teve seu nome cantado pela torcida em várias partidas.

No Campeonato Paulista de 1987, foi um dos destaques do time que deixou a lanterna no primeiro turno para chegar ao vice-campeonato.

No início de 1988, o jogador comprou seu próprio passe por 764 mil cruzados.

Waldir Peres encerrou a carreira em 1989 na mesma Ponte Preta em que começou, depois de uma passagem pelo Santa Cruz.

Morte

Waldir Peres morreu no domingo, 23/07/2017, aos 66 anos, vítima de um infarto fulminante, durante um almoço com a família, na cidade de Mogi Mirim, no interior paulista.

Waldir Peres se sentiu mal e teve um infarto por volta das 14h00. Foi levado por familiares ao hospital 22 de Outubro, em Mogi Mirim, mas não resistiu e teve a morte decretada por volta de 15h30.

Waldir Peres deixou dois filhos, que moravam em São Paulo, e uma filha, que está na Malásia. Ele não era casado, mas estava acompanhado da noiva.

O corpo do Waldir Peres saiu de Mogi Mirim na segunda-feira, 24/07/2017, às 17h00, para São Paulo. O velório de será a partir de terça-feira, 25/07/2017, e o sepultamento na quarta-feira, 26/07/2017, às 9h00, para aguardar a filha que vem do exterior, no Cemitério Gethsêmani, no Morumbi.

Títulos

São Paulo
  • 1977 - Campeonato Brasileiro
  • 1975 - Campeonato Paulista
  • 1980 - Campeonato Paulista
  • 1981 - Campeonato Paulista

Corinthians
  • 1988 - Campeonato Paulista

Seleção Brasileira
  • 1976 - Taça Oswaldo Cruz
  • 1976 - Taça do Atlântico
  • 1976 - Copa Roca
  • 1976 - Taça Rio Branco

Fonte: Wikipédia
Indicação: Miguel Sampaio

Lucas Gomes

LUCAS GOMES DA SILVA
(26 anos)
Jogador de Futebol

☼ Bragança, PA (29/05/1990)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Lucas Gomes da Silva, mais conhecido como Lucas Gomes, foi um jogador de futebol brasileiro que atuou como atacante, nascido em Bragança, PA, no dia 29/05/1990. Sua última atuação foi pela Chapecoense, emprestado pelo Londrina.

Nascido em Bragança, Lucas Gomes estreou no time profissional do Bragantino em 2010. Após atuar por clubes da região Norte, foi contratado pelo Londrina em 04/05/2013.

Em 18/09/2013, foi emprestado ao Sampaio Corrêa para a disputa da Série C de 2013. Após o acesso do clube maranhense, ele retornou ao Londrina em dezembro, fez parte do elenco que conquistou o Campeonato Paranaense de 2014 e foi novamente emprestado, dessa vez ao Icasa, em julho de 2014.

Em 23/12/2014, Lucas Gomes foi emprestado ao Fluminense por um ano.

Em janeiro de 2016, Lucas Gomes foi anunciado como reforço da Chapecoense.

Morte

Lucas Gomes faleceu aos 26 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Londrina
  • 2014 - Campeonato Paranaense

Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Fonte: Wikipédia

Josimar

JOSIMAR ROSADO DA SILVA TAVARES
(30 anos)
Jogador de Futebol

☼ Pelotas, RS (18/08/1986)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Josimar Rosado da Silva Tavares, mais conhecido como Josimar, foi um jogador de futebol brasileiro que atuava como volante, nascido em Pelotas, RS, no dia 18/08/1986. Sua última atuação foi pela Chapecoense.

Sua primeira oportunidade no Internacional foi em 2007, aos 20 anos, jogando pelo time B que representou o clube nas primeiras rodadas do Gauchão. Depois disso, teve passagens de empréstimo por Brasil de Pelotas, Fortaleza, e Al-Watani, da Arábia Saudita.

Retornou ao Internacional em 2009, sendo titular no meio-campo do time B, durante a Copa Arthur Dallegrave (FGF), na qual o Internacional foi campeão. Com a conquista do título Estadual, o grupo B representou o Internacional nas primeiras partidas do Gauchão 2010, com Josimar novamente no comando do meio-campo colorado. Com boas atuações rapidamente subiu ao time principal.

Em maio de 2010, é anunciado seu empréstimo à Ponte Preta para a disputa da Série B do Brasileirão.

Josimar voltou ao Internacional em 2012. Disputou posição no meio-campo colorado, tendo sido inscrito na Pré-Libertadores. Apesar de ter sido trocado por Dátolo na lista de inscritos da competição, continuou sendo relacionado pelo técnico Dorival Júnior. Com a classificação colorada nas oitavas de final da Libertadores, foi reinscrito.

Depois de anos no Internacional, Josimar marcou seu primeiro gol pelo clube em partidas oficiais no dia 02/09/2012, em partida contra o Flamengo. Na ocasião, o Internacional venceu por 4x1.

Em 2013, Josimar ganhou sequência como titular pelo técnico Dunga, tendo ido ao ataque e arriscando chutes a gol.

Em 2014, por indicação do técnico Gilson Kleina, com quem trabalhou na Ponte Preta, foi emprestado ao Palmeiras até o final do ano. Após a goleada sofrida de 6x0 para o Goiás, Josimar acabou sofrendo tentativas de agressão e foi repassado seu empréstimo para o Ponte Preta.

Morte

Josimar faleceu aos 30 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Internacional B
  • 2009 - Copa FGF

Internacional
  • 2013 - Taça Farroupilha
  • 2013 - Campeonato Gaúcho
  • 2013 - Taça Piratini1
  • 2012 - Taça Farroupilha
  • 2012 - Campeonato Gaúcho
Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Fonte: Wikipédia

Gil

JOSÉ GILDEIXON CLEMENTE DE PAIVA
(29 anos)
Jogador de Futebol

☼ Santo Antônio, RN (03/09/1987)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

José Gildeixon Clemente de Paiva, mais conhecido como Gil, foi um jogador de futebol brasileiro que atuava como volante, nascido em Santo Antônio, RN, no dia 03/09/1987.

Gil era um menino franzino, desconfiado, mas com um sonho de ser tornar jogador de futebol. Habilidoso, começou a dar os primeiros toques em uma escolinha no município de Nova Cruz, no interior do Rio Grande do Norte. O primeiro treinador foi Valdo Salú, ex-jogador, que tornou-se agente de Gil com o passar dos anos. A primeira "peneira" que participou foi aos 14 anos, onde mostrou que teria um futuro brilhante.

Entre os 15 e os 16 anos, Gil realizou testes para entrar nas categorias de base de três clubes: Sport, CSA e União Recreativa dos Trabalhadores (URT). Sem sucesso nas investidas, quase desistiu do sonho de calçar uma chuteira. Motivado pelo professor, foi levado para mais uma etapa eliminatória na carreira e, desta vez, firmou vínculo no Mogi Mirim. Aos 16 anos, foi destaque na Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2005, onde ficou por mais três anos.

Aos 19 anos, voltou a Nova Cruz e fez parte da equipe amadora da cidade potiguar em um campeonato com clubes do interior do Rio Grande do Norte.

Em 2008, foi negociado por empréstimo ao Guaratinguetá, e, em seguida, para o Vitória. Nesse período, mudou de agente esportivo e perdeu contato com Valdo Salú.

"Nessa saída dele do Mogi Mirim para o Guaratinguetá, houve um contrato diferente e nós perdemos o contato. Mesmo assim, o acompanhei na carreira e vi a evolução técnica dele, que era um excelente volante!"


Do Guaratinguetá, Gil passou ainda pelo Vitória e Santo André, mas não obteve o sucesso e o rendimento esperado.

Em 2010, foi emprestado para a Ponte Preta, mas também não conseguiu demonstrar o futebol que o marcou no início da carreira.

Negociado com o Coritiba em 2011, Gil teve uma alavancada na carreira. Gil estreou no Coritiba pelo Campeonato Brasileiro, substituindo Tcheco em uma vitória de 3x1 em casa diante do Ceará.

No seu começo no Coritiba não teve muito destaque, ficando na maioria das vezes na reserva ou nem isso, muito em conta do ex-treinador Marcelo Oliveira. Com a chegada de Marquinhos Santos no segundo semestre de 2012, Gil obteve espaço e se tornou titular absoluto da equipe alviverde, sendo de forma direta um dos grandes responsáveis pela arrancada da equipe no segundo turno do Brasileirão.

Esteve em campo com a camisa do Coritiba em 107 jogos. Sem espaço na equipe, foi emprestado a Chapecoense e completou 96 partidas, com cinco gols. Valdo Salú lamenta a perda do amigo, a quem chamava de irmão.

"Era um cara muito simples, humilde, sempre na dele, nunca bebeu e nunca teve vício nenhum. Sempre teve uma boa personalidade. Depois das travadas no início da carreira, conseguiu uma alavancada impressionante. Perdemos um grande amigo, perdi um irmão e Nova Cruz perdeu um grande uma pessoa. A cidade está triste. O pessoal que gosta de futebol está sentindo muito. Os amigos estão inconsoláveis!"

Morte

Gil faleceu aos 29 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Mogi Mirim
  • 2006 - Campeonato Paulista Sub-20

Coritiba
  • 2012 - Campeonato Paranaense
  • 2013 - Campeonato Paranaense

Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Gimenez

GUILHERME GIMENEZ DE SOUZA
(21 anos)
Jogador de Futebol

☼ Ribeirão Preto, SP (18/06/1995)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Guilherme Gimenez de Souza, mais conhecido como Gimenez, foi um jogador de futebol brasileiro que atuou como lateral-direito, nascido em Ribeirão Preto, SP, no dia 18/06/1995.

Gimenez foi um volante rápido e habilidoso, que se aprimorou na lateral-direita, tendo se destacado na Copa Paulista de 2014 pelo Botafogo (SP).

Revelado em 2012 pelo extinto Olé Brasil, clube da sua cidade natal, foi campeão paulista Sub-17. Gimenez passou pelo Comercial (SP) em 2013 e chegou ao Botafogo (SP) em abril de 2014.

Marcou seu único gol da careira como profissional, na vitória contra o São Paulo por 2x0, pelo Campeonato Paulista de 2015. Essa atuação chamou a atenção do Goiás, que contratou o atleta dois meses depois para a disputa do Campeonato Brasileiro.

Permaneceu no Esmeraldino até dezembro de 2015, quando foi contratado pela Chapecoense e se mudou para Santa Catarina com a família. Porém, apesar de jovem, Gimenez nunca escondeu o sonho de voltar à Ribeirão Preto e encerrar suas atividades profissionais.

Gimenez chegou em dezembro a Santa Catarina para começar sua história na Chapecoense. Na época, em entrevista, o jovem falou das suas expectativas no clube de Chapecó.

"Vou honrar o manto da Chape com muita vontade e orgulho. No que depender de mim, trarei muita alegria para a diretoria e torcida!"

No clube, disputou 51 partidas como titular, a última contra o Palmeiras pelo Campeonato Brasileiro. Os clubes em que ele jogou nos últimos anos decretaram luto oficial e paralisaram as atividades em homenagem a Gimenez, que deixa a esposa e uma filha de dois anos.

Pela Chapecoense, conquistou o Campeonato Catarinense em campo e a Copa Sul-Americana post-mortem, ambos em 2016.

Era casado com Patricia, com quem teve uma filha, Ana Clara.

Morte

Gimenez faleceu aos 21 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Filipe Machado

FILIPE JOSÉ MACHADO
(32 anos)
Jogador de Futebol

☼ Gravataí, RS (13/03/1984)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Filipe José Machado, mais conhecido como Filipe Machado, foi um jogador de futebol brasileiro que atuava como zagueiro, nascido em Gravataí, RS, no dia 13/03/1984.

Filipe Machado foi revelado pelo Internacional e teve uma trajetória de 14 anos no futebol. Com passagens por clubes como Fluminense, Esportivo (RS), CSKA Sofia (Bulgária), Salernitana (Itália), Inter Baku (Azerbaijão) e Al Dhafra (Emirados Àrabes) antes de defender a Chapecoense, o zagueiro era idolatrado no Macaé.

Ele foi um dos destaques do título do Leão na Série C do Campeonato Brasileiro de 2014 e era um dos jogadores mais queridos do clube. Na despedida do time para defender o Saba Qom, do Irã, em 2015, Filipe Machado se emocionou e prometeu retornar ao clube.

"É muito dolorido ter que deixar a cidade, o clube. Mas eu estou aqui como um pai de família, pensando no futuro da minha filha. Quero procurar dar um bom estudo para ela, o melhor para a vida dela... Quero agradecer o carinho que a cidade sempre teve por mim, pela minha família, por estes anos. Dizer que eu vou voltar um dia. É só um até logo. É dolorido ter que deixar amigos, uma cidade que sempre me tratou bem, a minha família!"

Carismático, querido e guerreiro, Filipe Machado era conhecido pela humildade e pelo jeito receptivo e acolhedor com os companheiros de equipe e com os jornalistas. Descontraído, gostava de brincar com tudo - até mesmo com os profissionais da imprensa. Técnico, só utilizava chuteiras pretas por ordem do pai e gostava de ser lembrado como um "zagueiro à moda antiga", que sabia sair jogando. Era visto constantemente nos gramados com a filha Antonella nos braços.

Será lembrado principalmente pelo sorriso largo que carregava.

Morte

Filipe Machado faleceu aos 32 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Macaé
  • 2014 - Campeonato Brasileiro - Série C

Chapecoense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Fausto dos Santos

FAUSTO DOS SANTOS
(34 anos)
Jogador de Futebol

☼ Codó, MA (28/01/1905)
┼ Santos Dumont, MG (28/03/1939)

Fausto dos Santos, conhecido por Maravilha Negra, foi um jogador de futebol nascido em Codó, MA, no dia 28/01/1905. Fausto dos Santos era um volante de muita disposição, grande técnica, habilidade e chute razoavelmente forte, que liderava o meio de campo de sua equipe com muita elegância e tinha precisão no toque de bola.

Fausto dos Santos teve uma infância difícil, por força da miséria no Nordeste brasileiro. Sua mãe, Dona Rosa, queria um futuro melhor para o filho, coisa que dificilmente teria no interior maranhense. Por isso foi com a família tentar a sorte no Rio de Janeiro, então a capital e maior cidade do Brasil.

Naqueles áureos tempos em que os campos de futebol se espalhavam por todos os cantos da cidade, Fausto dos Santos encontrou sua vocação, ao manter uma relação íntima com a bola. Ele a chamava de tu e ela o obedecia em todos os malabarismos que fazia, caindo sempre aos seus pés, como se uma escrava fosse. Era aquilo que hoje chamamos de domínio da bola.

Em 1926, aos 21 anos, Fausto dos Santos, alto e magro, aparecia jogando como titular da equipe do Bangu Atlético Clube, atuando de meia atacante e mostrando sinais evidentes de que se tratava de um verdadeiro craque. Era bonito vê-lo tocar na bola, dar a matada no peito, driblar, fazer ginga, no desarme e na preparação do gol. Todas essas qualidades encantaram a Henry Welfare, um inglês radicado no Brasil e técnico do Clube de Regatas Vasco da Gama.

Nos campeonatos cariocas de 1926 e 1927, Fausto dos Santos mostrava que era bom de bola, porém era mais conhecido pela sua vida boêmia.

Tinoco, um de seus muitos amigos de jornadas noturnas, jogava no Vasco da Gama e sempre insistia para Fausto dos Santos vestir a camisa do Vasco. Os principais argumentos eram que no Vasco ele ganharia fama e que Bangu era muito distante. 

Em 1928, Fausto dos Santos cedeu aos apelos dos companheiros e se transferiu para o Vasco. Era o destino natural. O Vasco era um clube que procurava ascender, ao mesmo tempo combatendo uma odiosa, porém disfarçada, discriminação racial. Construíra, em 1927, o maior estádio do Brasil, o fantástico São Januário. Contratara para treinador o britânico Harry Welfare. O Vasco crescia e Fausto dos Santos crescia também, à sua maneira.

Em 1929, a equipe do Vasco, formada por jogadores do naipe de Brilhante, ItáliaFausto dos Santos, Santana e Russinho, foi uma das melhores de sua história. Com apenas uma derrota, o esquadrão de São Januário terminou o campeonato empatado com o América, que, tendo conservado a base de 1928, foi um adversário difícil. Pela primeira vez o título de campeão carioca teria que ser decidido numa melhor de três.

A primeira partida, disputada nas Laranjeiras, foi equilibrada e terminou com um empate em branco. Mas o América levou azar, já que Osvaldinho chutou um pênalti na trave. No segundo jogo, ainda nas Laranjeiras, deu outro empate, 1x1, com gols de Russinho para o Vasco, e do inevitável Osvaldinho para o América. A finalíssima, ainda no campo do Fluminense, foi sensacional. Mexendo com os nervos da torcida, o jogo bateu todos os recordes de público da época, proporcionando a assombrosa renda de 130 contos de réis. Com 3 gols do centroavante Russinho, um de Mário Mattos e outro de Santana, o Vasco aplicou um memorável 5x0 no time rubro, sagrando-se campeão.

No seu ótimo livro "O Negro No Futebol Brasileiro", o jornalista Mário Filho revela o temperamento e a importância do Maravilha Negra em São Januário:

"Fausto falava pouco, ia guardando o que tinha de dizer, de repente explodia, lá vinha tudo. Vingava-se dando gritos no vestiário, dando pontapés no campo.
Pouco antes do time entrar em campo, Harry Welfare reunia os jogadores. Era o momento das instruções… Welfare nem se atrevia a dizer 'faça isso ou aquilo'. Se Fausto brigasse com ele, com quem quer que fosse no Vasco, o Vasco ficaria com Fausto. Quanto mais jogava, mais força tinha dentro do Vasco. Entreva em São Januário de chapéu no alto da cabeça, o paletó desabotoado, a camisa sem um botão, deixando aparecer um pedaço da barriga preta. E olhava para todo mundo de cara amarrada, para ver se alguém não gostava…
Fausto, se estava doente, nem se queixava, bom ou doente tinha de entrar em campo. Também o jogador que estivesse na frente tratasse de tirar o corpo fora. Fausto não conversava, metia logo o pé. Vinha uma bola alta, ele levantava a perna como uma bailarina, as travas da chuteira dele passavam raspando pela cara do jogador do outro time. A bola era de Fausto, não era de mais ninguém.
Pena que Fausto fosse assim, um revoltado. Se não seria o maior center-half brasileiro de todos os tempos.
Welfare não se lembrava de nenhum center-half que tomasse conta de um campo como Fausto. Fausto ficava no grande círculo, as bolas vinham direitinho para onde ele estava. Parecia que ele atraía a bola. Não precisava entrar de sola, tomar a bola à valentona, ameaçando todo mundo…"
("O Negro No Futebol Brasileiro", Mario Filho - trechos das páginas 171 e 173)


"O ano de 1930 vai encontrar Fausto dos Santos como um jogador muito popular, ídolo entre os vascaínos, adorado pelas mulheres que frequentavam os cabarés. Já havia sido selecionado para alguns jogos das Seleções Carioca e Brasileira.
Era ano de Copa do Mundo - a primeira - e os cartolas, para variar, não chegavam a um acordo, perdidos no bairrismo que opunha cariocas e paulistas. Resultado: saiu do Brasil uma Seleção formada por jogadores vinculados ao futebol do Rio de Janeiro, exceção de Araken Patusca, que pegou o navio em Santos, pois estava brigado com seu clube, o Santos."
(Revista Placar Especial Vasco -  Abril, 1979)

Fausto dos Santos seguiu com a delegação brasileira e, na capital uruguaia, atuou contra a Iugoslávia e a Bolívia. Suas duas notáveis exibições extasiaram a crônica esportiva e o público uruguaios. Os jornais estampavam manchetes, referindo-se a Fausto dos Santos como a "Maravilha Negra".

Na estréia na Copa do Uruguai, o Brasil perdeu para a Iugoslávia por 2x1 e venceu a Bolívia por 4x0. Porém, a vitória iugoslava diante dos bolivianos por 4x0 tirou o Brasil do mundial. Apesar da eliminação brasileira, o futebol de Fausto dos Santos estava consagrado.

A Copa transformou Fausto dos Santos numa espécie de deus para os vascaínos. A partir daí, era figura obrigatória nos noticiários dos jornais, nos bares da Lapa, nas rodas de boemia da cidade.

Em 05/09/1931, na véspera de uma partida contra o Uruguai, no campo do Fluminense, pela Copa Rio Branco, Fausto dos Santos recebeu do próprio médico da Confederação Brasileira de Desportos (CBD) a notícia de que não jogaria. Uma forte gripe o deixara de cama por vários dias no dormitório de São Januário. Eram os primeiros sintomas da tuberculose. A vida boêmia deixava suas marcas.

"Sofria a discriminação, revoltava-se, explodia, dentro e fora de campo. Faltava a jogos - ou estava gripado ou expulso, punido pela Liga.
Em 1931, o Vasco foi o primeiro clube carioca a excursionar pela Europa. No primeiro jogo, o Vasco perdeu para o Barcelona por 3x2, mas Fausto dos Santos ganhou imensa popularidade. E o prestígio subiu, no dia seguinte, na revanche, quando o Vasco venceu por 2x1.
Pronto, Fausto dos Santos tinha conquistado a Espanha. La Maravilha Negra passava a ser também uma definição espanhola.
Da Espanha, o Vasco foi para Portugal. Oito jogos, seis vitórias, um empate e uma derrota."
(Revista Placar Especial Vasco - Abril, 1979)

O Vasco encantou plateias europeias, deu show de bola e voltou sem dois de seus principais jogadores: O goleiro Jaguaré e Fausto dos Santos. Eles não resistiram ao encanto das pesetas espanholas e assinaram contrato com o Barcelona.

Fausto dos Santos e Jaguaré foram alvos de críticas ofensivas por parte da imprensa. A resposta dos dois eram suas atuações que se transformavam em grandes vitórias para o Barcelona.

Pelo clube espanhol, o negro brasileiro foi a Paris e recebeu do jornal France Football este elogio:

"Ele faz com espantosa facilidade o que outros fariam com um esforço sobre-humano. Fausto, com seu futebol maravilhoso, veio ensinar à Europa como deve jogar um center-half."

Mas já era um homem doente. Seu estado se agravava a cada noitada, a cada esforço que fazia em campo. Com o Barcelona, foi campeão da Cataluña. Mas a derrota ante um clube húngaro apressou sua saída da Espanha. Foi para o Young Fellows, da Suíça. Ficou pouco, apenas dois meses. Em 1934, mais magro, sem vintém, estava de volta ao Vasco. Pagaram 7 contos por seu passe.

Apesar de tudo, Fausto dos Santos ainda era ídolo, e a torcida prestigiou o Vasco, que voltou a ser Campeão Carioca - pela Liga Carioca de Futebol -, com um super time: Rei, Domingos da Guia e Itália, Gringo, Fausto e Mola, Orlando, AlmirLeônidas da Silva, Nena e D’Alessandro.

Por ser profissional e, portanto, não filiado à Confederação Brasileira de Desportos (CBD), que na época defendia o amadorismo, Fausto dos Santos não pôde ir à Copa do Mundo na Itália, em 1934. Mas em 1935, com a mudança de mentalidade, ele estava de volta às seleções Carioca e Brasileira.

Ainda em 1935, o Nacional de Montividéu o contratou. No Uruguai não teve o mesmo brilho de antes, sendo expulso de campo em quase todos os jogos. Com a saúde bastante abalada o craque brasileiro não conseguia mais correr os dois tempos de uma partida e por isso voltou ao Brasil, em 1936, para jogar no Flamengo.

No Flamengo teve o azar de se deparar com o técnico húngaro Dori Kruschner, fã do sistema WM que consistia de 3 beques, 2 médios, 2 meias e 3 atacantes e um rígido treinamento físico, até então inédito no país. Fausto dos Santos já não tinha gás, por isso o técnico o escalou na zaga. Fausto dos Santos não gostou e pediu rescisão do contrato, que lhe foi negada no clube e na Justiça.

Em 1938, porém, vendo-se sem chance e humilhado, Fausto dos Santos se retratou em carta exaltando o trabalho de Dori Kruschner. O Maravilha Negra ainda voltou a jogar com o aparente talento de sempre e foi até cogitado para a Seleção Brasileira que iria à Copa do Mundo, disputada na França, em 1938. Mas a velha e cruel gripe, cheia de tosse, veio abatê-lo novamente.

Morte

Uma tarde, após jogar entre os aspirantes do Flamengo, sentiu-se mal e teve hemoptise. Quando quis retornar aos treinos, em 1939, os médicos o enviaram a um sanatório na cidade de Palmira, hoje Santos Dumont, no Estado de Minas Gerais, sem muita esperança de curá-lo da tuberculose.

Sob os cuidados da Irmã Catarina, abnegada freira que lhe incutiu a fé cristã através de doutrinação oral e de um livro emprestado, Fausto dos Santos que viera do Rio de Janeiro viveu seus últimos momentos.

Ao início da noite do dia 28/03/1939, depois de arder em uma febre de graus elevados, com a respiração sôfrega e os pulmões corroídos, Fausto dos Santos, aos 34 anos de idade deu seu último suspiro, vítima de tuberculose.

E por lá mesmo Fausto dos Santos foi enterrado sem grandes pompas em cova rasa, cravada por uma tosca cruz de madeira, sem nome nem data.

Fausto dos Santos morreu tendo conquistado 2 títulos cariocas para o Vasco, em 1929 e em 1934 e marcando seu nome como um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos. Morreu na miséria, um fim triste para um jogador que, menos de uma década antes, encantou o mundo.

Títulos
  • 1929 - Campeonato Carioca
  • 1931 - Copa Cataluña
  • 1932 - Copa Cataluña
  • 1934 - Campeonato Carioca

Itália e Fausto dos Santos
Premiações
  • 1931 - Jogador do Ano: Melhor jogador do Vasco.
  • 1933 - Jogador do Ano: Melhor jogador do Vasco.


Indicação: Miguel Sampaio

Kempes

EVERTON KEMPES DOS SANTOS GONÇALVES
(34 anos)
Jogador de Futebol

☼ Carpina, PE (03/08/1982)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Everton Kempes dos Santos Gonçalves, mais conhecido como Kempes, foi um kogador de futebol que atuava como atacante, nascido e, Carpina, PE, no dia 03/08/1982.

Kempes chegou para compor o ataque da Chapecoense. O experiente jogador passou por diversos times como Portuguesa, Nacional de Muriaé, Paraná, Vitória, Estrela do Norte, Sertãozinho, Ceará, Caxias, Ipatinga, Criciúma, Novo Hamburgo, Américo Mineiro e pelo Cerezo Osaka, do Japão.

A Associação Portuguesa de Desportos foi o clube que proporcionou seu empréstimo à outros clubes.

No Vitória, Kempes foi campeão Capixaba em 2006, tendo marcado um dos gols da vitória por 3 x 1 na final sobre o Estrela do Norte no estádio Salvador Costa, dando o título a equipe alvianil após 30 anos na fila.

Kempes retornou a Portuguesa do empréstimo em 2010, vindo do Novo Hamburgo. Sua re-estreia, marcou dois gols, no empate frente ao Coritiba, ganhando, assim, chance no time de Oswaldo Alvares, o Vadão. No jogo seguinte, mais dois gols, igualando-se a Héverton na Artilharia do time na Série B.


Em 2010, Kempes foi emprestado ao Ceará para a disputa do Campeonato Brasileiro.

Em 2011, Kempes foi emprestado ao América Mineiro para a disputa do Campeonato Brasileiro.

Em 2012, acertou sua ida ao Japão para atuar pelo Cerezo Osaka, também por empréstimo.

Retornou á Portuguesa em 2013, voltou de empréstimo do Cerezo Osaka.

Acertou sua volta ao futebol japonês, contratado pelo JEF United Ichihara Chiba, clube da segunda divisão do Japão.

No ano de 2014 voltou ao Brasil contratado pelo Joinville.

Em dezembro de 2015, Kempes é anunciado como novo reforço da Chapecoense para a temporada 2016, assinando contrato até dezembro.

Morte

Kempes faleceu aos 34 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Títulos

Vitória - ES
  • 2006 - Campeonato Capixaba

Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana

Artilharias
  • 2013 - J. League Division 2 (22 gols)

Fonte: Wikipédia

Dener Assunção

DENER ASSUNÇÃO BRAZ
(25 anos)
Jogador de Futebol

☼ Bagé, RS (28/06/1991)
┼ La Unión, Colômbia (28/11/2016)

Dener Assunção Braz, mais conhecido como Dener Assunção, foi um jogador de futebol brasileiro que atuava como lateral-esquerdo, nascido em Bagé, RS, no dia 28/06/1991.

Dener Assunção deu seus primeiros passos na cidade gaúcha de Bagé e chegou ao Grêmio ainda nas categorias de base. Ele estreou como profissional na equipe de Porto Alegre e teve passagem por Guarany de Bagé, Veranópolis, Vitória, Caxias, Ituano e Coritiba.

Foi campeão paulista à frente do Ituano em 2014 e pela Chapecoense, foi campeão catarinense em 2016.

A bola de futebol, a mulher e o filho eram companheiros inseparáveis de Dener. Aos 25 anos, o lateral-esquerdo passava por um momento mágico da vida: A felicidade com a família que há dois anos ficou completa com a chegada do primogênito, e a boa fase nos gramados. O jogador sonhava até com uma chance na seleção brasileira. Um sonho que acabou junto com o da Chapecoense em disputar a inédita final da Copa Sul-Americana.

Dener era um pai dedicado e estava sempre com o garoto Bernardo ao lado. Amanda Machado era a companheira de todas as horas para o jogador. Os dois já viviam juntos, mas estavam se preparando para uma cerimônia de casamento, que seria realizada no dia 08/12/2016, a quinta-feira depois do jogo, de volta da decisão da competição.

Em campo, Dener estava em boa fase. Ele negociava com o São Paulo, e o Flamengo também o cobiçava.

O lateral chegou à Chapecoense em 2015 e fez dois gols, o último deles na vitória por 2 x 0 sobre o São Paulo, no dia 20/11/2016. O bom momento fazia o lateral acreditar que poderia ter uma chance na Seleção Brasileira.

Na terça, 29/11/2016, Amanda estava com seu pai em São Paulo, onde iria experimentar o vestido de noiva que tinha encomendado. Até a noite, estava tentando embarcar para Medellín.

"Se eu pudesse, diria que o amo muito. Meu sonho era casar com ele. E ele sabia disso!"
(Amanda Machado)

Morte

Dener Assunção faleceu aos 25 anos vítima de um acidente aéreo. Ele foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28/11/2016. A aeronave transportava a equipe da Chapecoense para Medellín, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.

Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional, comissão técnica, diretoria, convidados e a tripulação da aeronave.

Daniella Assunção, irmã de Dener, disse que conversou com ele antes do embarque, via Whatsapp. "A hora que eu chegar, eu ligo para vocês", escreveu Dener à família na mensagem.

Moradora de Bagé, RS, Daniella Assunção contou que recebeu a notícia do acidente durante a madrugada.

"Era o sonho dele, desde pequenininho, o que ele mais queria era jogar futebol"

Ela ainda relembra que o irmão estava muito feliz pelo bom momento que vivia na carreira e, quem sabe, com isso, pudesse realizar o sonho de atuar na Seleção Brasileira.

O primeiro treinador de Dener, Nei Ferraz também estava muito emocionado.

"Final do ano passado fui na casa dele e ele me deu essa camisa (da Chapecoense). E eu guardei com muito orgulho. Para mim isso aqui é um troféu!"

Os dois trabalharam juntos em Bagé, quando Dener era adolescente, antes de conseguir uma vaga no Grêmio.

"Com 13, 14 anos, a gente via que ele tinha potencial. Já tinha qualidade, já era um homem. Foi por méritos dele que conseguiu a vaga no Grêmio!"

Títulos

Veranópolis
  • 2012 - Campeonato Gaúcho (Campeão do Interior)

Ituano
  • 2014 - Campeonato Paulista

Chapecoense
  • 2016 - Campeonato Catarinense
  • 2016 - Copa Sul-Americana