Mostrando postagens com marcador Professor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Professor. Mostrar todas as postagens

Paulo Zimbres

PAULO DE MELO ZIMBRES
(86 anos)
Arquiteto e Professor

☼ Ouro Preto, MG (06/01/1933)
┼ Brasília, DF (03/06/2019)

Paulo de Melo Zimbres foi um arquiteto e professor nascido em Ouro Preto, MG, no dia 06/01/1933, criador do projeto arquitetônico de Águas Claras, DF.

Paulo Zimbres trabalhou em diversos projetos de arquitetura e urbanismo, inclusive com Marcos Zimbres e Joara Cronemberger na sede da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (CAESB) na própria Águas Claras.

É também de autoria de Paulo Zimbres o projeto para a ocupação do novo bairro Setor Noroeste, intervenção no Plano Piloto original de Brasília de Lúcio Costa.

Formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP) em 1960 e radicado em Brasília há vários anos, Paulo Zimbres integrou a geração de arquitetos brasileiros que elegeram o concreto como o material por excelência da linguagem moderna.

Aberto a outras opções, Paulo Zimbres mantinha viva a relação com o concreto.
"Fomos criados assim, entendendo seu uso não só como elemento estrutural, mas como linguagem arquitetônica. Se quero fazer pilotis, volumes em balanço ou estruturas em curva, então prefiro o concreto!"
(Paulo Zimbres)


Essa escolha, presente nas obras iniciais como o prédio da Reitoria da Universidade de Brasília (UNB), de 1975, possibilitou a execução desse edifício sobre pilotis, acessível por todos os lados. São dois blocos retangulares contrapostos, interligados por rampas, e recobertos por uma laje nervurada. No interior, um jardim sombreado, com espelho d’água, é protegido por uma grelha de concreto no teto. Desse espaço vê-se o auditório, suspenso por tirantes fixados à cobertura.

Os prédios escolares têm lugar de destaque no currículo do arquiteto. Em 1991, projetou, com Luís Antônio Reis, duas bibliotecas gêmeas, em campi diferentes da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Dentro, a amplidão e claridade dos espaços deve-se ao pé-direito triplo e à cobertura em malha de concreto nervurada, entremeada por claraboias. Por fora, o edifício assemelha-se a um bloco rendilhado, como um brise cerâmico, sobre pilotis.

Em um projeto de colégio em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, utilizou pela primeira vez os pré-fabricados de concreto. Executado em três meses, o projeto do Instituto Metodista contou com o apoio do engenheiro estrutural Cláudio Puga na definição das melhores soluções técnicas. No projeto, Paulo Zimbres optou por explicitar o sistema construtivo adotado, deixando aparentes juntas e outros elementos construtivos.

Morte

Paulo de Melo Zimbres faleceu na madrugada de segunda-feira, 03/06/2019, aos 86 anos, em Brasília, DF. A família não divulgou a causa da morte.

O velório de Paulo Zimbres ocorreu na terça-feira, 04/06/2019, a partir das 8h00, no Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul e o sepultamento foi às 11h00.

Fonte: Wikipédia

Makota Valdina

VALDINA DE OLIVEIRA PINTO
(75 anos)
Professora, Religiosa, Líder Comunitária e Militante da Liberdade Religiosa

☼ Salvador, BA (15/10/1943)
┼ Salvador, BA (19/03/2019)

Valdina de Oliveira Pinto, mais conhecida como Makota Valdina, foi uma educadora, líder comunitária e religiosa brasileira, militante da liberdade religiosa, como porta-voz das religiões de matriz africana, bem como dos direitos das mulheres e da população negra.

Valdina de Oliveira Pinto nasceu em 15/10/1943 no bairro do Engenho Velho da Federação, na cidade de Salvador, BA. Sempre morou neste bairro que é, ainda hoje, um local onde a maioria da população é negra, e onde a presença de comunidades de terreiro de Candomblé é marcante. 

Desde a juventude, Valdina Pinto esteve envolvida com ações sociais na sua comunidade, acompanhando seu pai, Paulo de Oliveira Pinto, o Mestre Paulo, ou sua mãe, Eneclides de Oliveira Pinto, mais conhecida como Dona Neca, que foi líder comunitária e primeira referência política da filha.

Da adolescência à fase adulta, junto com a sua família, com a Associação de Moradores e com a Igreja Católica do Bairro, Valdina Pinto desenvolveu diversas atividades assistenciais à população, logo se concentrando na alfabetização de adultos como principal área de trabalho.

Quando veio a se formar pelo antigo Instituto Educacional Isaías Alves (IEIA), atual ICEIA, em 1962, já era uma educadora atuante e conhecida na própria comunidade. Ensinou na sede da Associação de Moradores, ensinou em barracão de terreiro de candomblé, ensinou em escolas e até na própria casa.


Por seu trabalho educacional na comunidade, foi convidada pelo Corpo da Paz para lecionar Português nas Ilhas Virgens a um grupo de estrangeiros que viria ao Brasil - e aí começou a desenvolver a noção do valor que suas referências étnico-culturais tinham para fora da comunidade em que vivia.

Como professora do ensino fundamental do município de Salvador, BA, Valdina de Oliveira Pinto se aposentou no final da década de 80, mas a sina de ser quem dá a lição continuaria acompanhando a sua trajetória.

No início da década de 70, Valdina Pinto abandonou o catolicismo, e em 1975 foi iniciada na religião do Candomblé. No Terreiro Tanuri Junsara, liderado pela Srª Elizabeth Santos da Hora, ela foi confirmada para o cargo de Makota - assessora da Nengwa Nkisi (Mãe-de-Santo). Com a iniciação, recebeu seu nome de origem africana, tornando-se a Makota Zimewaanga.

A iniciação numa religião de matriz africana impôs a Valdina Pinto uma revisão da sua história e da cultura na qual havia sido criada. Todo um conjunto de práticas cotidianas vivenciadas por ela desde a infância no gueto negro do Engenho Velho da Federação passou a adquirir novos significados, importância e sentidos a partir das lições aprendidas no terreiro de candomblé.

Entre 1977 e 1978, Valdina Pinto integrou a primeira turma do Curso de Iniciação à Língua Kikongo, ministrado pelo congolês Nlaando Lando Ntotila no Centro de Estudos Afro-Oriental (CEAO), marcando uma nova etapa no aprofundamento dos seus estudos sobre as culturas de origem bantu no Brasil, sobretudo nos aspectos religiosos.


A valorização das especificidades da nação de candomblé angola-congo, de matriz bantu, tinha sido uma das marcas da trajetória de Valdina Pinto que, por isso, passou a ser conhecida como Makota Valdina.

Outro pensamento de Makota Valdina é de que a comunidade de terreiro não devia fechar-se em si mesma, buscando, ao contrário, relacionar-se com os organismos políticos e sociais externos que fossem necessários à manutenção e consolidação das tradições vivenciadas no terreiro - tradições que, por outro lado, ela defendia que fossem, estas sim, resguardadas exclusivamente ao contexto religioso de quem as pratica.

Vale ressaltar que, ainda em tempos de ditadura política no Brasil, Makota Valdina tornou-se a primeira mulher a presidir a Associação de Moradores do seu Bairro, enfrentando preconceitos políticos e de gênero, dada a suas inclinações oposicionistas e ao fato mesmo de estar numa função até então ocupada por homens.

Estas compreensões, que estão na base da sua formação, levaram-na a compor, durante alguns anos, a diretoria da Federação Baiana de Culto Afro Brasileiro (FEBACAB), atual FENACAB. Nesse período, seu respeito e preocupação com as tradições do Candomblé, independente da nação, tornaram-na mais conhecida e considerada junto aos praticantes do candomblé.

Antes de terminar sua gestão, filiou-se às lutas em defesa do Parque São Bartolomeu, um antigo santuário natural do povo-de-santo de Salvador. O Parque, uma extensa reserva urbana da Mata Atlântica, definhava ante a depredação por parte das pessoas e o silêncio dos poderes públicos. Com outras educadoras, a Makota Valdina desenvolveu programas de educação ambiental, destacando a perspectiva religiosa acerca da natureza - "A natureza é a essência do candomblé", ensinava.


Desta luta surgiu o Centro de Educação Ambiental São Bartolomeu (CEASB), onde foi educadora e conselheira. Um outro trabalho importante do qual esteve à frente foi a catalogação e plantio de ervas medicinais em áreas do entorno do Parque São Bartolomeu, no subúrbio de Salvador.

Perifraseando-a, podemos dizer que "o candomblé é a essência da Makota Valdina". Fincada nestas tradições religiosas, ela tornou-se um instrumento de expressão da sabedoria popular baiana, brasileira, de base africana. Como é próprio de uma visão de mundo dessa origem, os conhecimentos e habilidades da Makota Valdina se articulavam e interagiam constantemente, e não se estancavam, ou se resumiam a uma determinada dimensão do saber. Nela, reflexões filosóficas acerca da cosmogonia do Candomblé, mais especificamente os de origem bantu, coabitavam com um apurado senso estético na execução de danças, ou confecção de artesanatos rituais; ao domínio da culinária, ou do uso de ervas, uniam-se um repertório de cantigas sagradas de rara extensão. 

Em fevereiro de 2003, a Makota Valdina foi a porta-voz das religiões de matriz africana de Salvador num encontro com o então recém empossado Ministro da Cultura, Gilberto Passos Gil Moreira, como também foi uma das representantes do Movimento Contra a Intolerância Religiosa em Brasília, em março do mesmo ano, sentando-se à mesa da Câmara dos Deputados, na histórica sessão presidida pelo Deputado Federal Luiz Alberto.

Com a sua palavra calma e firme, que iluminava, com a sua indignação veemente que entusiasmava, a Makota Valdina impressionava inúmeras plateias nas conferências e palestras que realizava pelo Brasil e no exterior. Mas, como fazia questão de frisar no cotidiano das suas relações, num terreiro de candomblé estava o seu local predileto de ensino e aprendizagem.


Diversas foram as instituições que a tinham como conselheira, ou madrinha, como é o caso da Associação de Preservação e Defesa do Patrimônio Bantu (ACBANTU). Noutros casos, era o próprio nome que emprestava à causa da luta contra o racismo, como ao Grupo de Estudantes Universitários Makota Valdina.

Valdina Pinto recebeu diversas condecorações por seu papel na preservação do patrimônio cultural afro-brasileiro, como o Troféu Clementina de Jesus, da União de Negros Pela Igualdade (UNEGRO). Troféu Ujaama, do Grupo Cultural Olodum, em agosto de 2004. Recebeu a Medalha Maria Quitéria, a maior honraria da Câmara Municipal de Salvador, em dezembro de 2005. Recebeu também da Fundação Gregório de Mattos o Troféu de Mestra Popular do Saber.

Valdina Oliveira Pinto, a Makota Zimewaanga ou Makota Valdina era, atualmente, a conselheira 'mor' da Cidade de Salvador, convidada a avaliar e avalizar plataformas de governo, campanhas eleitorais e mandatos parlamentares, ou ONG's e eventos em defesa das tradições de origem africana e do Meio Ambiente. Era também chamada a orientar grupos do Movimento Negro e a sistematizar propostas educacionais que dessem conta da diversidade cultural da cidade.

Dirigido por Joyce Rodrigues, o documentário "Makota Valdina - Um Jeito Negro de Ser e Viver", retratou sua vida e recebeu o primeiro Prêmio Palmares de Comunicação, da Fundação Cultural Palmares, na categoria Programas de Rádio e Vídeo.

Em 2013, Makota Valdina publicou o livro de memórias intitulado "Meu Caminhar, Meu Viver".

Morte

Makota Valdina faleceu na madrugada de terça-feira, 19/03/2019, aos 75 anos, em Salvador, BA. Segundo a família, Makota Valdina estava hospitalizada há um mês, no Hospital Teresa de Lisieux. Por meio de nota, a assessoria da unidade de saúde informou que Makota Valdina foi atendida no hospital com dores abdominais. Após avaliação médica, foi diagnosticado um quadro grave de disfunção renal e abscesso hepático (infecção do fígado). O hospital informou, ainda, que Makota Valdina chegou a ter melhora após o tratamento, mas veio à óbito por disfunção renal aguda.

O corpo foi velado no Cemitério Jardim da Saudade e o enterro está ocorreu às 15h30 de 19/03/2019.

Makota Valdina não deixou filhos biológicos, mas ficaram muitos sobrinhos que ela considerava como filhos.

"Ela era a mãe de todo mundo aqui. O que ela sempre pediu foi que a gente perpetuasse o legado e os ensinamentos que ela deixou perante a religião e a luta dos negros", disse o sobrinho Júnior Pakapym

#famososquepartiram #makotavaldina

Antonieta de Barros

ANTONIETA DE BARROS
(50 anos)
Jornalista, Professora, Escritora e Política

☼ Florianópolis, SC (11/07/1901)
┼ Florianópolis, SC (28/03/1952)

Antonieta de Barros foi uma jornalista, professora, escritora e política nascida em Florianópolis, SC, no dia 11/07/1901.

Antonieta de Barros era filha de ex-escrava, que trabalhava na casa do político Vidal Ramos, pai de Nereu Ramos, que viria a ser vice-presidente do Senado, que chegou a assumir por dois meses a Presidência da República.

Ela foi inspiração para o Movimento Negro, foi apagada dos livros de história, tendo sido uma ativa defensora da emancipação feminina, de uma educação de qualidade para todos e pelo reconhecimento da cultura negra, em especial no sul do país. Foi a primeira negra brasileira a assumir um mandato popular.

De família muito pobre, ainda criança ficou órfã de pai, sendo criada pela mãe. Ingressou com 17 anos na Escola Normal Catarinense, concluindo o curso em 1921.

Em 1922, a normalista fundou o Curso Particular Antonieta de Barros, voltado para alfabetização da população carente. O curso foi dirigido por ela até sua morte e fechado em 1964.


Professora de português e literatura, Antonieta de Barros exerceu o magistério durante toda a sua vida, inclusive em cargos de direção. Foi professora do atual Instituto de Educação entre os anos de 1933 e 1951, assumindo sua direção de 1944 a 1951, quando se aposentou.

Antonieta de Barros notabilizou-se por ter sido a primeira deputada estadual negra do país e primeira deputada mulher do Estado de Santa Catarina.

Eleita em 1934 pelo Partido Liberal Catarinense, foi constituinte em 1935, filiada ao Partido Liberal Catarinense (PLC), cabendo-lhe relatar os capítulos Educação e Cultura e Funcionalismo. Atuou na Assembléia Legislativa de Santa Catarina até 1937, quando teve início a ditadura do Estado Novo.

Com o fim do regime ditatorial, ela se candidatou pelo Partido Social Democrático (PSD) e foi eleita novamente em 1947, desta vez como suplente. Na ocasião, continuou lutando pela valorização do magistério: exigiu concurso para o provimento dos cargos do magistério, sugeriu formas de escolhas de diretoras e defendeu a concessão de bolsas para cursos superiores a alunos carentes.

Eleita para a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, foi a primeira deputada estadual mulher e negra do país. Atuou como professora, jornalista e escritora, destacando-se pela coragem de expressar suas ideias dentro de um contexto histórico que não permitia às mulheres a livre expressão.


Além da militância política, Antonieta de Barros participou ativamente da vida cultural de seu Estado. Fundou e dirigiu o jornal A Semana entre os anos de 1922 e 1927. Neste período, por meio de suas crônicas, veiculava suas ideias, principalmente aquelas ligadas às questões da educação, dos desmandos políticos, da condição feminina e do preconceito.

Dirigiu também a revista quinzenal Vida Ilhoa, em 1930, e escreveu artigos para jornais locais. Com o pseudônimo de Maria da Ilha, escreveu em 1937 o livro "Farrapos de Ideias". Foi por intermédio dele que Antonieta de Barros enveredou pelos caminhos da política.

Ao longo de sua vida, Antonieta de Barros atuou como professora, jornalista e escritora. Como tal, destacou-se, entre outros aspectos, pela coragem de expressar suas idéias dentro de um contexto histórico que não permitia às mulheres a livre expressão; por ter conquistado um espaço na imprensa e por meio dele opinar sobre as mais diversas questões; e principalmente por ter lutado pelos menos favorecidos, visando sempre a educação da população mais carente.

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina concede anualmente a Medalha Antonieta de Barros a mulheres com relevantes serviços em defesa dos diretos da mulher catarinense, e seu nome foi dado ao túnel da Via Expressa Sul, em Florianópolis.

 Antonieta de Barros nunca se casou.

Morte

Antonieta de Barros faleceu em 28/03/1952, aos 50 anos de idade, e está sepultada no Cemitério São Francisco de Assis em Florianópolis, SC.

José Pimentel

JOSÉ DE SOUZA PIMENTEL
(84 anos)
Ator, Diretor, Professor e Escritor Teatral

☼ Garanhuns, PE (11/08/1934)
┼ Recife, PE (14/08/2018)

José de Souza Pimentel, conhecido pelo seu nome profissional e artístico como José Pimentel, foi um ator, diretor e escritor teatral, além de professor de teatro na faculdade de jornalismo na Universidade Federal de Pernambuco, no Recife, nascido em Garanhuns, PE, no dia 11/08/1934.

Personalidade que se destacou na cena teatral pernambucana, sobretudo, pela capacidade de liderança, pelo espírito contestador e poder de realização. Como encenador e autor, notabilizou-se pelos grandes espetáculos históricos que montou ao ar livre. Como ator, ganhou notoriedade por viver o papel de Jesus Cristo, por mais de três décadas, em encenações da "Paixão de Cristo", que ele próprio dirigia.

Adolescente, mudou-se para o Recife e tornou-se amigo do ator, diretor e cenógrafo Octávio Catanho, que o convidou a participar do Grupo Dramático Paroquial de Água Fria, no qual José Pimentel aprendeu, na prática, a desempenhar diversas funções ligadas aos palcos.

Em 1956, foi levado por Octávio Catanho a trabalhar, em pequenos papéis, nos espetáculos da "Paixão de Cristo", em Fazenda Nova, município do Brejo da Madre de Deus, Pernambuco.

Por indicação de Clênio Wanderley, então diretor da "Paixão de Cristo" e do Teatro Adolescente do Recife (TAR), José Pimentel integrou o elenco de estreia do "Auto da Compadecida", de Ariano Suassuna, em 1956, fazendo dois papéis: o Major Antonio Moraes e o Encourado.


Ainda com o Teatro Adolescente do Recife (TAR), atuou em "A Via Sacra", de Henri Ghéon, em 1957, e em "Casamento Suspeitoso", outro texto de Ariano Suassuna, em 1958.

Em 1959, no mesmo grupo, teve sua primeira experiência como encenador, dirigindo a peça "A Grade Solene", de Aldomar Conrado, na qual também atuou.

Em fevereiro de 1960, nasceu o Teatro Popular do Nordeste (TPN), e Hermilo Borba Filho o convidou para fazer parte do grupo. Em maio, o Recife ganhou uma nova casa de espetáculos, o Teatro de Arena, cujos sócios-proprietários eramo Alfredo de Oliveira e Hermilo Borba Filho. Nesse empreendimento, José Pimentel atuou em diversas montagens.

O texto "Jesus, o Mártir do Calvário", escrito por José Pimentel, passou a ser usado na "Paixão de Cristo" de Fazenda Nova, em 1961. Na ocasião, ele assumiu o papel de Pilatos. Em meados desse ano, sua carreira de encenador começou a se fortalecer: Dirige "A Farsa da Esposa Perfeita", de Edy Lima, para o Teatro de Arena.

Em 1962, assinou a encenação de "Município de São Silvestre", de Aristóteles Soares, para o Teatro Popular do Nordeste (TPN). Nesse ano, Plínio Pacheco, coordenador-geral dos espetáculos da "Paixão de Cristo", convidou José Pimentel, além de amigos e outros atores do espetáculo, para comporem a diretoria da recém-fundada Sociedade Teatral de Fazenda Nova (STFN).


Recebeu o prêmio de melhor intérprete masculino, atribuído pela Associação dos Cronistas Teatrais de Pernambuco (ACTP), em 1966, por seu desempenho no papel de John Proctor, da peça "As Feiticeiras de Salém", de Arthur Miller, com a direção de Milton Baccarelli.

A cidade-teatro de Nova Jerusalém abriu suas portas para o primeiro espetáculo da "Paixão de Cristo" em 1967. O texto Jesus, de autoria de Plínio Pacheco, foi encenado, com a direção de Clênio Wanderley. Quando Clênio Wanderley viajou para a Europa, em 1969, José Pimentel foi convidado por Plínio Pacheco a assumir a direção do espetáculo, sem deixar de atuar, desempenhando os mesmos papéis da temporada anterior: o Demônio e Pilatos.

Em 1971, a Sociedade Teatral de Fazenda Nova (STFN) desenvolveu o projeto "Teatro de Verão" com a finalidade de ocupar a Nova Jerusalém no segundo semestre de cada ano. Para a primeira temporada, foi escolhido o texto "Calígula", de Albert Camus. José Pimentel protagoniza e dirige a peça, aproveitando os cenários ao ar livre dessa cidade-teatro, imprimindo à montagem um tom grandioso, como o da "Paixão de Cristo".

O Teatro de Verão retornou, em 1972, com o mesmo espetáculo, sempre obtendo boas críticas, mas sem a desejada resposta de público. Na mesma época, outra iniciativa da Sociedade Teatral de Fazenda Nova (STFN) é posta em prática: o projeto "O Circo no Mundo", com a construção do Circo da Raposa Malhada onde, além dos atos circenses, apresentam-se espetáculos teatrais. José Pimentel atuou em "Lampião no Inferno", de Jairo Lima, espetáculo de estreia do circo, vivendo o papel de Satanás, com direção de Lúcio Lombardi.


Em paralelo à atividade teatral, José Pimentel iniciou, também em 1972, o curso de jornalismo da Universidade Católica de Pernambuco, e graduou-se em 1975. Essa qualificação, aliada à experiência como teleator, favoreceu sua inserção na televisão pernambucana como criador e apresentador de programas.

Com o aumento de público nos espetáculos da "Paixão de Cristo de Nova Jerusalém", fica cada vez mais difícil ouvir os atores. Depois de tentar, em 1972, solucionar o problema com o uso de microfones, José Pimentel instaura, em 1973, a dublagem como recurso característico daquele e de outros espetáculos ao ar livre concebidos por ele.

Com a saída do ator Carlos Reis do papel de Jesus Cristo na "Paixão de Cristo", em 1978, José Pimentel o substituiu e interpretou pela primeira vez o papel do Nazareno. E assumiu a Diretoria de Artes Cênicas da Fundação de Cultura da Cidade do Recife, tornando-se responsável pela administração dos teatros municipais da capital, entre 1979 e 1983.

Em paralelo à atuação na "Paixão de Cristo de Nova Jerusalém"José Pimentel manteve a atividade nos palcos do Recife. Em 1979, dirigiu e protagonizou, mais uma vez, "Calígula", de Albert Camus, agora produzido pela Aquarius Produções Artísticas, aliada à Companhia Praxis Dramática (CPD). Nesse espetáculo, recebido com ressalvas por parte da crítica, José Pimentel propôs uma atualização da história contada por Albert Camus, pondo em cena elementos visuais vinculados à contemporaneidade brasileira. No programa da peça, ele dizia:
"Aos puristas e intelectuais um aviso: o texto de Camus, eterno e com toda a sua beleza, será entregue íntegro e intacto, virgem e donzelo, quase intocado. Agora, o espetáculo é meu e se preparem. Amarrem os cintos porque o negócio é pra valer e pra bagunçar muita cuca."

Em 1982, sob os auspícios da Prefeitura da Cidade do Recife, com produção da Sociedade Teatral de Fazenda Nova (STFN), estreou "O Calvário de Frei Caneca", espetáculo que abordava os episódios históricos da Confederação do Equador, na primeira metade do século XIX. Além de atuar, José Pimentel assinou o texto e a direção dessa montagem, apresentada ao ar livre, para grande público, em palcos montados em frente da Igreja do Livramento, da basílica de Nossa Senhora do Carmo, da Igreja de Nossa Senhora do Terço e do Forte de Cinco Pontas.

Dois anos depois, em 1984, outra vez com produção da Sociedade Teatral de Fazenda Nova (STFN), e patrocínio do governo do Estado, José Pimentel dirigiu e interpretou o principal papel do auto "Jesus e o Natal", de sua autoria, encenado nas ruas do Recife. O texto conta a história de um casal de favelados, José e Maria, às voltas com o nascimento do primeiro filho. A peça gerou polêmica pelo fato de a personagem Maria se surpreender com a gravidez, uma vez que fazia uso de pílula anticoncepcional.

Mais um espetáculo de massas é produzido pela Sociedade Teatral de Fazenda Nova (STFN), em 1984, com texto, direção e atuação de José Pimentel: "Batalha dos Guararapes". Com o patrocínio do governo do Estado, foi apresentado em setembro desse ano no Parque Nacional dos Montes Guararapes, sítio histórico, cenário da verdadeira batalha que culminou com o fim do domínio holandês em Pernambuco no século XVII. Como os demais espetáculos ao ar livre, a "Batalha dos Guararapes" repetiu-se a cada ano, até 1986. A partir de 1987, cessou o patrocínio do governo e a peça só voltou a ser apresentada, nos anos 2000, com outros patrocinadores.

Na década de 1980, José Pimentel assinou a coluna "Sinal Fechado", - alusão ao seu programa de televisão da década anterior, do qual replicou o controverso conteúdo -, no Jornal da Semana, importante veículo da chamada imprensa alternativa.


Em 1989, a cidade-teatro de Nova Jerusalém apresentou o seu tradicional espetáculo da "Paixão de Cristo" em novos cenários, e o espetáculo foi modificado para se adaptar a essa nova ambientação. A temporada desse ano bateu o recorde de público total, com 71 mil espectadores em dez espetáculos.

Desentendendo-se com a produção da "Paixão de Cristo de Nova Jerusalém", sobretudo, no tocante à necessidade de substituições no elenco, José Pimentel foi afastado do tradicional espetáculo, no segundo semestre de 1996.

Em poucos meses, arregimentando artistas das mais diversas vertentes do teatro recifense, ele criou a "Paixão de Cristo do Recife". José Pimentel era produtor, autor do texto, diretor e principal ator da montagem, que era apresentada no Estádio do Arruda, pertencente ao Santa Cruz Futebol Clube. Em matéria do Jornal do Commercio, ele explicou que o elenco reunia vários atores vindos da "Paixão de Cristo" de Fazenda Nova, além de atores de outros grupos teatrais pernambucanos.

Os espetáculos da "Paixão de Cristo do Recife" continuaram a ser encenados, a cada ano, no mesmo estádio de futebol, até o início dos anos 2000. Por decisão da direção do clube, o espetáculo de José Pimentel tem que deixar de ser apresentado em seu estádio. A produção ganhou, então, patrocínio da prefeitura e passou a ser realizada nas ruas do Recife antigo a cada Semana Santa.

Em 2008, José Pimentel foi homenageado pela escola de samba recifense São Carlos com o enredo "A Saga de José Pimentel, Patrimônio Vivo da Cultura Pernambucana". A escola se tornaria campeã do grupo de acesso.

Em 2017, José Pimentel foi incluído na lista dos Patrimônios Vivos de Pernambuco, por interpretar o papel de Jesus Cristo por mais de 40 anos.

Morte

José Pimentel faleceu na terça-feira, 14/08/2018, aos 84 anos, em Recife, PE, vítima de enfisema pulmonar. Ele estava internado no Hospital Esperança, na área central do Recife, desde quinta-feira, 09/08/2018, por causa de um enfisema pulmonar.

O corpo de José Pimentel foi velado na Assembleia Legislativa de Pernambuco desde a terça-feira, 14/08/2018, até a manhã da quarta-feira. O sepultamento ocorreu às 11h00 da quarta-feira, no Cemitério de Santo Amaro, na região central do Recife, PE, depois de uma celebração ecumênica aberta ao público.

A família informou que, a pedido dele, o corpo vai ser sepultado com o figurino de Jesus Cristo, que o ator usava na "Paixão de Cristo".

Fonte: WikipédiaEnciclopédia Itaú e G1
#FamososQuePartiram #JosePimentel

Padre Quevedo

ÓSCAR GONZÁLEZ-QUEVEDO BRUZÓN
(88 anos)
 Padre Jesuíta, Professor e Parapsicólogo

☼ Madrid, Espanha (15/12/1930)
┼ Belo Horizonte, MG (09/01/2019)

Óscar González-Quevedo Bruzón, conhecido como Padre Quevedo, foi um professor e padre jesuíta de origem espanhola naturalizado brasileiro desde 1960, nascido em Madrid, Espanha, no dia 15/12/1930.

Padre Quevedo foi professor universitário de parapsicologia no Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL) e do Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP) até o ano de 2012, quando se aposentou. No Centro Latino-Americano de Parapsicologia, onde era diretor, realizou estudos, difusão e pesquisa sobre o campo da parapsicologia e psicologia. É considerado um dos maiores expoentes do mundo nessa área, tendo 5 carreiras acadêmicas, sendo licenciado em humanidades clássicas, filosofia e psicologia na Universidade Pontifícia de Comillas na Espanha, doutor em Teologia formado na Faculdade de Nossa Senhora de Assunção em São Paulo, além de ter pós-graduação e doutorado em parapsicologia.

Por seus trabalhos foi distinguido com diploma de gratidão e medalha de ouro da cidade de São Paulo outorgado pela Câmara Municipal, bem como, recebeu diploma de honra do IX Congresso Internacional de Parapsicologia de Milão, além de ser distinguido especialmente com um voto expresso e unânime de agradecimento e reconhecimento pelo seu trabalho, pelos participantes no I Congresso Internacional de Psicotrônica (parapsicologia aplicada) realizado em Praga, na República Checa.

Autor de 17 livros, muitos dos quais traduzidos para outras línguas, sendo os mais famosos: "A Face Oculta da Mente", "As Forças Físicas da Mente" e "Antes Que Os Demônios Voltem". Seus livros já foram considerados por membros da Society For Psychical Research de Londres e a International Foundation Of Parapsychology de Nova York, como a melhor coleção de obras de parapsicologia do mundo.

Padre Quevedo foi também membro de honra do Instituto de Investigações Parapsicológicas de Córdoba, bem como membro de honra de diversas instituições em países como Estados Unidos, Espanha, Portugal, Japão, México, Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Peru, entre outros. Também detém o título de Master Magician, que lhe faz ser um dos pouquíssimos mestres em ilusionismo do mundo.

Além do espanhol e português, lia e falava fluentemente latim, grego, hebraico, inglês, francês, aramaico e italiano, podendo recitar de cor, em latim, toda a Bíblia.

Com um sotaque carregado e sempre polêmico, ficou famoso pelo bordão: "Isso non ecxiste!". Renega posicionamentos supersticiosos de religiosos e ditos paranormais que afirmam que podiam realizar milagres através de intervenção do além, sendo tais práticas consideradas pelo padre como ilusionismo, charlatanismo e curandeirismo. Para o mesmo, uma intervenção supranatural do além para o aquém são raríssimas e só podem ser realizadas exclusivamente por Deus.

Suas ações de explicar fenômenos muitas vezes tidos como inexplicáveis e desmascarar farsantes lhe rederam fama, a qual lhe levou a diversos programas de televisão como Fantástico, Programa do Jô, Programa do Ratinho, Agora é Tarde, SuperPop, Tribuna Independente, Sem Censura, Programa Livre, De Frente Com Gabi, O Estranho Mundo de Zé do Caixão, Programa Silvia Poppovic, QG Podcast, entre diversos outros, além de programas da TV argentina, espanhola e portuguesa, para explicar cientificamente a origem de diversos fenômenos tidos como sobrenaturais.

Demonstrava que na maioria dos casos, os mesmos se tratavam de truques de ilusionismo ou raramente eventos parapsicológicos que podiam ser explicados à luz da ciência.

Infância

Óscar González-Quevedo Bruzón é filho do espanhol Manuel González-Quevedo Monfort, deputado tradicionalista de Madrid, ligado à corte do rei Alfonso XIII, e da inglesa Ángeles Bruzón.

Quando tinha três anos de idade viu o seu pai ser preso pela Frente Popular Espanhola por criticar o regime vigente no país, a qual a vinha perseguindo o catolicismo, queimando conventos e matando padres e freiras, sendo assim levado para um campo de trabalhos forçados.

Aos 7 anos de idade, quando visitou seu pai pela última vez, o viu recomendar que sua mãe, juntamente com o irmão dela, se passassem por um casal e fugissem do país para garantir a seguranças das crianças, pois para ele o seu destino como mártir cristão já tinha sido definido. Posteriormente, sua mãe, que tinha sofrido um atentado de assassinato e perdido três irmãos devido a perseguição governamental, comunicou a Quevedo logo quando este fez a primeira comunhão no norte da Espanha que seu pai teria sido fuzilado durante a Guerra Civil Espanhola, sendo suas últimas palavras: "Viva Cristo Rei!". O Papa São João Paulo II teria lhe beatificado como mártir.

Vivendo um exílio forçado em seu próprio país, foi morar clandestinamente em Gibraltar. Passou a viver com seus tios, sendo um deles, Horácio, chefe espírita em Gilbraltar e outro chefe teósofo em Tânger. O primeiro recomendou a Quevedo a leitura de diversos livros de espiritismo, esoterismo, teosofismo e ocultismo, o que segundo o próprio Quevedo, teria enchido sua cabeça de minhocas.

Sua prima, Tereza González-Quevedo, mas conhecida como Teresita, que foi proclamada venerável pelo Papa São João Paulo II, lhe ensinou os primeiros truques de mágica com cartas, o que fez Quevedo se admirar ainda mais pelo ilusionismo. Tempo depois, após ter entrado na faculdade e ter feito longos estudos de livros de parapsicologia, abandonou os ensinos espíritas, teosóficos, esotéricos e ocultistas e criou uma verdadeira paixão pelas explicações racionais para os fenômenos através da parapsicologia, sendo que todos os seus trabalhos, seminários para licenciaturas, mestrado e doutorado sempre foram voltadas para a área. Posteriormente, ele passou a explicar o que aprendera através da parapsicologia ao seu tio Horácio, contribuindo assim para sua conversão ao catolicismo.

Ao estudar Humanidades Clássicas na Universidade Pontifícia de Comillas na Espanha, descobriu sua vocação religiosa, posteriormente formou-se em Filosofia e Psicologia na Universidade de Santander e decidiu ir para um seminário jesuíta. Nesse tempo aprofundou seus estudos sobre o além, particularmente sobre magia e ilusionismo e acabou se tornando conhecido no campus da faculdade.

Brasil

O então reitor da Faculdade de Filosofia, Padre Vicente González, conhecendo o interesse de Quevedo pelo ocultismo, recomendou que o mesmo viesse para o Brasil, um campo fértil para pesquisadores do sobrenatural, visto a forte superstição da cultura popular.

Quevedo desembarcou no Rio de Janeiro e foi para um seminário em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, onde residiu por 3 anos e em 1961 foi ordenado Padre após estudar teologia no Colégio.

Naturalizado brasileiro, passou a afirmar de maneira orgulhosa que se considerava mais brasileiro do que os próprios brasileiros nascidos no Brasil, porque estes últimos não tiveram a opção de nascer ou não no Brasil, mas ele teria optado em querer ser brasileiro, e brincava dizendo que por não ser perfeito ainda tinha tido 29 anos como espanhol.

Polêmica: Voto de Silêncio

Quando chegou ao Brasil, surgiram dificuldades e mal entendidos, e sofreu pressões por oito anos. Posteriormente um de seus superiores da Companhia de Jesus achou que Parapsicologia era herética e mandou-o ficar em silêncio, proibindo, mesmo sem ler, a venda de seu livro "Antes Que Os Demônios Voltem". Quevedo pelo voto de obediência, ficou em silêncio por seis anos até que Dom Luciano Mendes buscou tomar medidas referentes ao caso. Dom Paulo Evaristo Arns foi a Roma esclarecer o caso perante a Igreja, a qual desconhecia os eventos.

Os membros da Santa Sé ao lerem o livro se maravilharam com o conteúdo, sendo a partir de então recomendado em diversas universidades. As incompreensões foram superadas, o seu superior foi substituído, Quevedo saiu do silêncio e o Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP) foi reaberto e desde então o padre passou a ter o apoio dos jesuítas e também dos bispos. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) solicitou-lhe durante muitos anos que ministrasse anualmente curso de parapsicologia para sacerdotes e agentes de pastoral, até o dia que o mesmo se aposentou das atividades.

Participações na TV

Na década de 1970, a TV Globo trouxe ao Brasil o ilusionista Uri Geller, o qual afirmava que dominava eventos paranormais. Após um encontro de cinco horas no ar com o Padre Quevedo, este último demonstrou que o que Uri Geller fazia de entortar colheres, garfos, facas, chaves e quebrar relógios não passava de truques de ilusionismo. No dia seguinte, o próprio Uri Geller reconheceu que tudo não passava de técnicas, contudo, para não ter que se retratar em público, Roberto Marinho e Adolpho Bloch prometeram ao Padre Quevedo que em troca de uma retratação por parte Uri Geller, ele pegaria o primeiro voo e nunca mais se falaria nele tanto na TV Globo como na extinta Rede Manchete. A Rede Manchete até cogitou a possibilidade de lançar, no dia seguinte, em sua revista o resultado do confronto, onde o padre aparecia levitando Uri Geller e com o seguinte título: "Padre Quevedo VS Uri Geller, Nocaute No 1º Round".

Na década de 1980, outro refutado pelo padre parapsicólogo foi o médium Thomas Green Morton, que afirmava ter poderes de entortar talheres, exalar perfume e que fazia luzes emanar de seu corpo. O Padre Quevedo demonstrou que a luz que Thomas Green Morton afirmava emanar do corpo, se tratava de um truque através de uso de fósforo que se inflamava em contato com o ar.

Especialmente durante a década de 1990, participou de diversos programas televisivos onde debatia com médiuns, pastores, ufólogos, ateus e curandeiros. Sempre quando alguém alegava um poder excepcional, Padre Quevedo dava uma explicação científica ou ainda realizava a mesma coisa que o dito mediúnico.

No programa no SBT de Silvia Poppovic, que abordava o tema mediunidade, o médium Ivan Trilha, atravessou um fio pela garganta de um pessoa da plateia, afirmando que se tratava um poder excepcional, e que ela não sangraria nem sentiria dor, embora a mulher se queixasse de dores e sangue. No mesmo momento que o dito médium realiza a apresentação, Padre Quevedo atravessou a própria garganta com um grande alfinete de fralda, sem sangue ou dor, alegando que o que Ivan fazia ele também fazia, pois se tratava de faquirismo e não um poder mediúnico.

No programa Globo Repórter, o Padre Quevedo demonstrou que as ditas materializações no algodão realizadas por Dona Ederlazil Munhoz Cardoso, eram truques realizadas pela autora através de truque e não pelos ditos milagres. A mulher escondia uma das mão e depois trazia os objetos e jogava sobre o algodão molhado.

Tempos depois, o Padre Quevedo provou que um dita casa fantasma que pegava fogo tinham as chamas geradas por truque através de barbantes embebidos em querosene. Certa vez Padre Quevedo foi convidado a gravar uma entrevista sobre Nossa Senhora de Guadalupe e seu milagre. A TV Globo queria que ele falasse se tratar de fenômeno espírita. Como não concordou, pois afirmara ser milagre, sua participação nunca mais aconteceu na emissora.

O Caçador de Enigmas

Parapsicólogo famoso, comumente chamado em programas de auditório brasileiros para dar explicações sobre fenômenos desconhecidos, lhe fez uma figura famosa no Brasil. Tal notoriedade também lhe rendeu uma série dentro do programa Fantástico, chamada de "O Caçador de Enigmas", em que tinha como objetivo dar a interpretação para fenômenos paranormais. O programa sucedeu o de Mr. M, e o objetivo inicial era que Quevedo fizesse o personagem cujo título seria Mr. Q. Porém negou, mesmo porque seu superior, José Antônio Netto, da Ordem dos Jesuítas era contra a associação da imagem do padre com a do mágico estadunidense.

O programa ia ao ar nos domingos a cada 15 dias, entre 02/01/2000 a 05/05/2000 com audiência que atingia picos de 42 pontos. Entre os diversos episódios, o referente a telecinésia, ele comprovou que os objetos que eram arremessados contra as paredes ou contra pessoas em um dita casa mal assombrada não tinham nada de sobrenatural, mas eram eventos fabricados por uma das filhas do casal, conforme registrado pelas câmeras de filmagens instaladas.

Em outro episódio o Padre Quevedo ficou cara a cara com Marcos Fabian Vieira, um homem que afirmava ter feito um pacto com o diabo e que o incorporava. Na oportunidade o padre entrevistou o dito Lúcifer incorporado e começou a falar com ele em hebraico, uma língua semelhante ao aramaico, que Jesus falava e a qual teria sido usada por Satanás para lhe tentar no deserto. Sem entender uma palavra o mesmo começou a se irritar, então o Padre Quevedo, de joelhos, pediu para que com seus poderes lhe dobrasse o dedo, mas o dito Lúcifer falou que tinha algo reservado para o padre. Sem titubear o Padre Quevedo lhe pediu para que o matasse, mas o mesmo apenas disse que a morte lhe estava reservada. Treplicando, Padre Quevedo pediu que marcasse uma data, pois de maneira jocosa fez graça com a situação afirmando que era cardíaco e como tal, uma hora morreria como qualquer outra pessoa. Padre Quevedo, afirmou que com boa ou má intenção Marcos Fabian Vieira não sabia nada sobre o que ou quem era Lúcifer, estando o tempo todo errado.

Mesmo com um aumento médio de 5 pontos na audiência em comparação ao programa anterior do Mr. M, a série foi finalizada em maio de 2000. Embora o Padre Quevedo tenha demonstrado um grande apreço pela equipe do Fantástico, é possível que a série tenha sido interrompida por um dos chefes da TV Globo por achar desagradável a desmistificação de suas crenças. Provavelmente os argumentos do Padre Quevedo começaram a ser resumidos nos episódios, depois começaram a cortar os desafios. Se em um episódio se desvendava fraudes espíritas, logo um programa dedicado ao espiritismo vinha em outra grade da emissora. Até que o programa chegou ao fim.

Desafios

Após o final do contrato com a TV Globo, o Padre Quevedo voltou a participar de debates e entrevistas em outras redes de televisão no Brasil e na América Latina. Um dos debates mais marcantes ocorreu entre o mesmo e Inri Cristo, o qual dizia ser a reencarnação de Jesus Cristo. O debate ocorreu na programa TV Tribuna, da TV Iguaçu, filiada ao SBT, onde o Padre Quevedo para provar que aquele que se intitulava a reencarnação de Jesus Cristo era um farsante, falou com ele em latim, grego e hebraico, mas, Inri Cristo não entendia o que ele dizia. Em seguida lhe pediu que acrescentasse um dedo ao presidente Lula, o que só irritava ainda mais Inri Cristo. Posteriormente, ambos se encontraram no Programa do Ratinho, onde o Padre Quevedo desafiou que Inri Cristo dobrasse-lhe o dedo com os seus poderes ditos divinos, o padre chegava a chamá-lo de "Inri Crista", porque seria muita crista dele comparasse a Jesus Cristo.

Por desafiar pessoas que afirmavam que tinham o poderes sobrenaturais sobre este mundo, como deixar alguém doente ou até matar uma pessoa através de feitiçaria, sempre desdenhoso e rindo dos feiticeiros pedia que estes fizessem feitiços contra ele:
"Venham todos contra mim. Não tem poder nenhum. Isso não existe!"
Normalmente sempre lançava a aposta de 10 mil dólares se alguém através de ditos poderes sobrenaturais pudesse lhe dobrar o dedo:
"Te doou 10 mil dólares se com teus poderes me dobrares esse dedo!"
Em sua última apresentação em TV aberta, no programa Agora é Tarde, apresentado por Danilo Gentilli, o Padre Quevedo apresentou um cheque de 200 mil reais, afirmando que o daria para aquele que com o poderes sobrenaturais pudesse dobrar o seu dedo.

No ano de 2012, o Padre Quevedo resolveu atender ao pedido da Companhia de Jesus e encerrou suas atividades devido sua idade avançada. A partir de então passou a residir em Belo Horizonte, na residência jesuíta Irmão Brandão, onde ficava recluso e não dava mais entrevistas, embora continuasse escrevendo e enviando suas informações para São Paulo onde eram postadas por sua equipe na internet.

Quem mantinha contato com ele eram os funcionários do Instituto Padre Quevedo de Parapsicologia, que já avisaram que o museu Paixão de Quevedo estava concluído.

Carreira

Conforme o Drº Francisco Vásquez, especialista em cirurgia digestiva e Geral da Academia de Ciências Médicas de Catalunha e da Segurança Social Espanhola, o Padre Óscar Gonzalez-Quevedo, através do seus cursos de divulgação abriu, ao numeroso público, as portas do conhecimento do enigma humano. Médicos, psicólogos, licenciados e universitários em geral puderam matizar e precisar conceitos dentro desse vasto mundo oculto, do qual o psiquismo humano é portador inconsciente.

Seus livros foram acolhidos como extraordinário interesse e a prova são as numerosas edições. Tornando-se o Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP) orgulho para o Brasil e referência em parapsicologia para toda América Latina, por ser ele, farol constante de esclarecimentos e de veracidade, para onde dirigem seus olhares, entre outros, os países da velha Europa.

Como cientista, Padre Quevedo estudou os fenômenos parapsicológicos em todo o mundo para apresentar à sociedade uma explicação reta e científica referente aos eventos naturais. Como sacerdote, deteve-se a eliminar os erros de interpretação, separar a verdade da superstição e diferenciar o verdadeiro do falso milagre.

Segundo o mesmo "O Brasil seria um país mais supersticioso do mundo!", campo fértil para charlatões das mais diversas espécies. Assim argumentava que a primeira hipótese para os casos ditos miraculosos é sempre a fraude, onde o charlatão busca enganar os demais através de truques e técnicas de ilusionismo. A segunda hipótese e bem mais rara seria a manifestação de um fenômeno parapsicológico que não pode ser controlado pelo seu autor, e por fim, rarissimamente o milagre que só pode ser realizado exclusivamente por Deus, nunca por ação de homens ou espíritos dos mortos.

Padre Quevedo, dentre diversas obras, abordou sobre os eventos parapsicológicos na obra "A Face Oculta da Mente" e sua continuação "As Forças Físicas da Mente". Em ambos os livros o jesuíta afirma que os fenômenos parapsicológicos de efeitos físicos são muito mais raros que os efeitos psíquicos. Mesmo entre as pessoas dotadas capazes de produzi-los é muito comum manifestar apenas os fenômenos de efeitos físicos mais simples como: Tipologia (golpes e pancadas sobre a mesa ou paredes sem contato ou com contato suficiente), Fotogênese (luzes errantes) ou em último caso bem mais raro, a Telecinesia (movimentos de objetos sem contato).

O Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP)

Após decidir morar em São Paulo, por causa da Faculdade Anchieta, vinculada a comunidade Jesuíta. Fundou em 11/05/1970, o Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP), dedicando-se ao estudo, pesquisa e difusão da Parapsicologia. Nesse lugar, funcionava a maior biblioteca de parapsicologia do mundo, com quase 10 mil livros sobre o assunto, além de slides, fitas de vídeo, fotos, documentos, bem como uma biblioteca de mágica, considerada por especialistas como a melhor biblioteca de ilusionismo do mundo.

O Padre Quevedo se aposentou e sua equipe fundou o Instituto Padre Quevedo de Parapsicologia, prosseguindo os trabalhos com as mesmas finalidades e objetivos. Neste Instituto, além de ampla Biblioteca, do Memorial Padre Quevedo (com todo o acervo de sua vida e obras) se mantém um Museu da Parapsicologia, que coleciona objetos usados em rituais de ocultismo, esoterismo, cultos afro-brasileiros, muitos dos quais foram encontrados na rua e o Padre Quevedo foi recolhendo para colecionar e mostrar as pessoas que aqueles objetos não tinham poder algum sobre o homem. Segundo Padre Quevedo, o único milagre que se poderia encontrar lá seria alguma sala sem a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, da qual era devoto.

Charlatanismo

Como maneira necessária para desmascarar charlatões, o Padre Quevedo se tornou um exímio ilusionista, embora muitas vezes não tivesse os instrumentos necessários para realizar um truque, todavia, conhecia as técnicas usadas por falsários como maneira de iludir a população seja através de técnicas de faquirismo, cirurgias espirituais ou alegação de dominação de faculdades parapsicológicas ou comunicação com os mortos.

Muitos casos de charlatanismo estavam relacionados a práticas de curandeirismo, outros ligados a suposto controle de domínios parapsicológicos afirmavam que com poderes da mente, dos extraterrestres ou ainda dos mortos, poderiam entortar colheres, materializar objetos, emanar luzes, criar fogo ou levitar uma pessoa. Em todos casos apresentados, o Padre Quevedo sempre apresentava uma explicação natural para os eventos, sendo na maioria dos casos técnicas de ilusionismo que o próprio sacerdote também demonstrava perante o público para comprovar que tudo não passava apenas de uma técnica de ilusionismo que os charlatões se utilizavam para enganar o público.

Curanderismo

Padre Quevedo desde o início de sua carreira no Brasil teve uma preocupação em combater o charlatanismo e curanderismo pregados por supostos médiuns. Afirmava com veemência que os curandeiros muitas vezes não cobravam diretamente pelos seus serviços, mesmo assim de maneira indireta muitos deles recebiam verdadeiras fortunas.

Os grandes curandeiros estariam sempre ligados a uma máquina propagandística e as cirurgias espirituais era na verdade exercício ilegal da medicina, onde o médium perante a paciente sugestionava a mesma a neutralizar a dor, mas deixava-lhe a doença. Entrevistando muitas pessoas que consultaram o médium Zé Arigó, Padre Quevedo afirmava que 90% das pessoas sugestionadas pelo médium diziam que os problemas de saúde não tinham sido resolvidos.

Padre Quevedo afirmara:
"O curandeiro é sempre perigoso e, quando cura, é criminoso! Porque tira a dor, mas deixa a doença, tira o sintoma, mas deixa a causa!"
Para desmascarar o charlatões, Padre Quevedo, como ilusionista, aprendeu as técnicas usadas pelos médiuns para fazer cirurgias espirituais. Muitas vezes usando de facas ocas que derramavam sangue pelo cabo, dando a falsa impressão que o paciente teria sido cortado, em seguida fazia-se pressão sobre o abdômen do paciente e com habilidades técnicas dava-se a impressão que tumores ou até mesmo objetos estão saindo de dentro do sugestionado através das mãos do médium. Muitas vezes eram usadas vísceras de animais, principalmente galinhas. Ao final, limpava-se a região supostamente cortada com algodão, dando a falsa impressão que a pessoa teria passado por uma cirurgia espiritual, assim teria uma cicatrização perfeita, sem marcas de cortes.

Padre Quevedo dedicou uma obra denominada "Curanderismo: Um Mal Ou Um Bem?" que também foi lançado com o nome "O Poder da Mente na Cura e a Doença" para tratar de assuntos relacionados ao poder do psiquismo e as doenças a ele relacionado, fazendo uma abordagem referente aos serviços, diagnósticos e adivinhação realizado pelos curandeiros, além de curas parapsicológicas, curas a distância e a medicina psicossomática.

Demonologia

O pioneirismo do Padre Quevedo ao escrever livro "Antes Que os Demônios Voltem" lançado em 1981 e retirado da censura no início de 1989, tornou-se uma das melhores obras já realizadas sobre demonologia. A obra examina com profundo critério científico e abarcando os mais diversos ângulos da história, teologia, filosofia, psiquiatria e parapsicologia sobre os eventos. O livro destaca os mais fantásticos casos de demonologia explicados através de fenômenos parapsicológicos: Levitação, estigmas, feitiços, movimentos de objetos, penetração da matéria, adivinhações, entre outros.

Em seus estudos o padre parapsicólogo busca apresentar a questão de fenômenos atribuídas aos demônios do ponto de vista doutrinal e experimental; filosófico e teológico, além de psicológico e parapsicológico, unificando as teorias e a ciência em explicações naturais. Com uma rica bibliografia a obra visa tomar posicionamentos maduros através da fé e da razão, dando sentido teológico para o que é espiritual e explicação científicas para as questões naturais.

Morte

Padre Quevedo faleceu na madrugada do dia 09/01/2019, aos 88 anos, em Belo Horizonte, MG, vítima de complicações cardíacas. Padre Quevedo faleceu na Casa Irmão Luciano Brandão, no Bairro Planalto, onde são atendidos jesuítas idosos e com problemas de saúde. Ele morava no local desde 2012.

O velório foi realizado no Ginásio da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia. O sepultamento ocorreu no dia 10/01/2019, às 11h00, no Cemitério Bosque da Esperança, no Bairro Jaqueline, Belo Horizonte, MG.

Publicações
  • O Que é Parapsicologia
  • A face Oculta da Mente
  • As Forças Físicas da Mente
  • O Poder da Mente na Cura e na Doença
  • Antes Que os Demônios Voltem
  • Os Espíritos e os Fenômenos Parafísicos
  • Há Provas de Que os Mortos Agem?
  • Identificação dos Mortos?
  • As Provas da Ciência
  • Palavra de Iahweh
  • Nossa Senhora de Guadalupe
  • Milagres - A Ciência Confirma a Fé
  • Os Milagres e a Ciência
  • Alguns Milagres na História da Igreja
  • Corpos Incorruptos
  • Revitalizações na História Sagrada.

Fonte: Wikipédia
#FamososQuePartiram #PadreQuevedo

Moa do Katendê

ROMUALDO ROSÁRIO DA COSTA
(63 anos)
Compositor, Percussionista, Artesão, Dançarino, Professor e Mestre de Capoeira

☼ Salvador, BA (29/10/1954)
┼ Salvador, BA (07/10/2018)

Romualdo Rosário da Costa, mais conhecido por Mestre Moa do Katendê, foi um compositor, percussionista, artesão, educador e mestre de capoeira brasileiro, nascido em Salvador, BA, no dia 29/10/1954.

Moa do Katendê era um artista ligado às tradições afro-baianas. Descobriu suas raízes aos 8 anos de idade no Ilê Axé Omin Bain, terreiro de sua tia e incentivadora, onde começou a praticar capoeira.

Em 1977, consagrou-se campeão do Festival da Canção Ilê Aiyê, o primeiro bloco afro do Brasil.

Em maio de 1978 fundou o afoxé Badauê, que desfilou pela primeira vez no ano seguinte e tornou-se campeão do carnaval na categoria de afoxé.

Em 1995, com a união de colegas e admiradores da cultura afro-brasileira, surgiu o grupo de afoxé Amigos de Katendê, que neste mesmo ano participou do carnaval em São Paulo na Cohab José Bonifácio.

Em 1996, o grupo viajou a Salvador reintegrando os componentes do Badauê e outros afoxés e desfilou no carnaval, estabelecendo assim um intercâmbio entre Bahia e São Paulo.

Atualmente Mestre Moa do Katendê vinha ministrando oficinas de afoxé na Bahia, Sudeste, Sul do Brasil, Europa e era o coordenador geral do afoxé Amigos de Katendê.


Mestre Moa do Katendê falava sobre a re-africanização da juventude da Bahia e do processo batizado por Antônio Risério de re-africanização do carnaval na Bahia, e atribuía este processo a própria dinâmica interna da vida baiana.

Extrapolando os limites de uma mera participação no carnaval, os blocos afro ocuparam física e culturalmente espaços da cidade. Alguns, antes estigmatizados por serem "lugar de preto", outros, hegemonizados desde sempre pelas elites.

Assim como o surgimento do Trio Elétrico, em 1950, veio revolucionar e particularizar o carnaval da Bahia, o processo de re-africanização, especialmente com a entrada em cena dos blocos afro, precipitando a reação africanizante e explicitando marcadamente um caráter étnico, hegemonizaram do ponto de vista estético, musical e gestual, transformaram radicalmente a trama carnavalesca baiana.

As pessoas que criaram as novas entidades afro-carnavalescas da Bahia assumiram e explicitaram a matriz negra da cultura baiana numa dimensão nunca antes registrada, como é o caso, por exemplo, do próprio Moa do Katendê, fundador do Afoxé Badauê, onde vemos a importância assumida pelos cantores na expressão de valores afros entre a comunidade negro-mestiça de Salvador, a consciência da africanidade e da nova poesia afro-baiana, baseada em reminiscências e jogando com a sonoridade das palavras africanas, extraídas do vocabulário dos candomblés, textos da autoria de Paulinho Camafeu, Moa do Catendê, Caetano Veloso, Antônio Risério, Heron, Curimã, Moraes Moreira, Gilberto Gil, Ivo do Ilê, Milton de Jesus, Charles Negrita, Chico Evangelista, Jorge Alfredo, Ana Cruz, Cebolinha, Alírio do Olodum, Lazinho Boquinha, Jailton, Egídio e Buziga.

Morte

Dois homens, uma divergência política, 12 facadas. Parece uma sequência sem lógica, e é. Mas foi ela que acabou com a vida do Mestre Moa do Katendê, aos 63 anos, em Salvador, BA, no dia 07/10/2018.

Na versão do irmão de Moa do Katendê, o alfaiate Reginaldo Rosário da Costa, de 68 anos, às 22h15 do domingo, primeiro turno das eleições no Brasil, após a definição de que Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) se enfrentariam no segundo turno, ele e Mestre Moa do Katendê chegaram ao Bar do João, reduto que frequentavam há muitos anos, localizado bem de frente para o Dique do Tororó, ponto turístico na região central de Salvador.

Ali, a cerca de 500 metros de onde a família morou a vida inteira, começam a tomar cerveja e conversar sobre os resultados do pleito eleitoral. Ambos haviam votado no candidato do PT.

Às 22h25, Germínio do Amor Divino Pereira, de 51 anos, primo da dupla, passa na porta do bar, vê Moa do Katendê e Reginaldo e se junta a eles, de acordo com Reginaldo.

Passados mais 10 minutos, segundo a mesma versão, quem entra no bar é o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, que ainda não sabe, mas dali a pouco tempo vai matar o Mestre Moa do Katendê.


Abatido e sem força na voz, o alfaiate Reginaldo disse que, de repente, Paulo Sérgio se intrometeu na conversa da família, dizendo que o país precisava de mudança e quem tinha que ganhar a eleição era Bolsonaro

Eu respondi a ele: "Rapaz, você é novo, ainda não sabe nada da vida".

Ele aí já veio com grosseria e Moa se meteu, também dizendo que ele não sabia pelo que já passamos. Disse assim: "Você não sabe o quanto sofri pra ter liberdade".

Eles ficaram discutindo e até João (dono do bar) falou pro cara: "Rapaz, olhe com quem você tá discutindo, com um senhor!".

Aí ele se afastou, pagou a conta e foi embora -, relatou Reginaldo

O irmão de Moa do Katendê afirmou que, cinco minutos após deixar o bar, Paulo Sérgio surgiu repentinamente, atacando seu irmão por trás a facadas.
"Eu só vi o vulto. Ele veio do nada e passou junto de mim já dando facada. Germínio tentou defender, mas não adiantou. Como é que o cara dá 12 facadas assim em meu irmão? Chegou na covardia. Foi uma discussão de política e pronto. Se fosse coisa séria, a gente ia ficar lá sentado bebendo?"
(Indagou Reginaldo, como quem questiona a si mesmo)


Ele disse que, com o corpo de Moa do Katendê já no chão, Paulo Sérgio ameaçou golpear quem estava em volta - quatro outros clientes -, abriu caminho e fugiu.

Acionada, a Polícia Militar encontrou o assassino minutos depois, escondido na casa onde morava há dois meses com a mulher e dois filhos, a 100 metros do local do crime.
"Os policiais da 26ª Companhia Independente de Polícia Militar avistaram um rastro de sangue que levava até uma casa e prenderam em flagrante o homicida. Ele já estava com uma mochila com roupas no intuito de fugir!"
Golpeado no braço, Germínio, primo de Mestre Moa do Katendê, foi hospitalizado, mas sem risco de morte.

À 0h38 da segunda-feira, 08/10/2018, quando Paulo Sérgio já estava dentro do camburão da PM, tocou o celular de Somonair da Costa, de 35 anos. A filha de Moa do Katendê, dormia sem saber que o pai fora morto perto de sua casa.
"Tomei aquele susto quando o celular tocou e já acordei me tremendo, porque perdi minha mãe há um mês de enfarto. Era uma amiga com essa notícia. Bateu o desespero, acordei meu irmão, a gente saiu correndo. Quando cheguei, só vi meu pai lavado de sangue. Não dá nem pra acreditar nisso!"
Versões

Responsável pelo caso, a delegada Milena Calmon, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), descreve Paulo Sérgio como agressivo e diz que ele cai em contradição em suas versões. À polícia, o barbeiro já havia reconhecido a discussão por divergência política, o que foi confirmado por testemunhas já ouvidas.

"Foi mesmo uma discussão por causa de política, até a vítima sobrevivente já confirmou. O autor do crime estava defendendo Bolsonaro e a vítima, do lado do PT. De acordo com as testemunhas, houve ofensas verbais de lado a lado. O autor então foi em casa, pegou a faca, voltou e fez o que fez", afirmou a delegada.

Mas, na delegacia, Paulo Sergio, um homem corpulento de 1,80 m que contou ter começado a beber na tarde do domingo, negou a discussão política e alegou, falando a jornalistas, que estava apenas conversando "sobre futebol" com o dono do bar.

"Ele que levantou e começou a me chamar de preto e veadinho. Eu bebendo, fiquei exaltado, fui em casa e aconteceu o fato", disse ele, que a até a noite de terça-feira não tinha advogado constituído.

Segundo a delegada, Paulo Sérgio já tinha dois registros de passagens pela polícia. Um em 2009, por se envolver em uma briga, e outro em 2014, quando foi denunciado por um adolescente de 14 anos em situação de rua, que informou ter sido ameaçado pelo barbeiro com uma tesoura, depois de pedir R$ 0,50.

"Como é que meu irmão ia chamar ele de preto e veadinho? Um homem com a história de Moa, de tanta luta pela cultura negra. Isso é uma grande mentira", disse Reginaldo.

No seu ateliê, onde as máquinas de costura estão paradas desde domingo, ficaram as batas estampadas que Moa do Katendê levaria nesta quarta-feira para um evento em São Paulo.

"Tudo aqui pronto pra meu pai viajar pra mais um trabalho. A ficha ainda nem caiu, parece que ele vai chegar pra pegar o material. Meu pai era uma pessoa de paz", disse Somonair em meio às peças de roupa.

Fonte: WikipédiaCongo de Ouro e BBC News
#FamososQuePartiram #MoadoKatende