Roberto Marinho

ROBERTO PISANI MARINHO
(98 anos)
Jornalista e Empresário

* Rio de Janeiro, RJ (03/12/1904)
+ Rio de Janeiro, RJ (06/08/2003)

Roberto Marinho foi um jornalista e empresário brasileiro, tendo sido o presidente das Organizações Globo de 1925 a 2003. Foi um dos homens mais ricos e poderosos do Brasil. Participou do Movimento Tenentista (Tenentismo foi o nome dado ao movimento político-militar e à série de rebeliões de jovens oficiais de baixa e média patente do Exército Brasileiro no início da década de 1920, descontentes com a situação política do Brasil), porém foi um dos primeiros a sair do Forte de Copacabana.

Herdou ainda jovem o jornal O Globo, fundado por seu pai, Irineu Marinho em 29/07/1925, o qual ele ampliou, fundando uma cadeia de rádios entre as quais se destacam a Rádio Globo e a Rádio CBN, esta última somente de notícias.

Em 26/04/1965, fundou a Rede Globo de Televisão, que se tornou o principal canal de televisão do Brasil e a quarta maior do mundo. A Rede Globo tem tido um grande desenvolvimento, durante e principalmente depois da Ditadura Militar. É especialmente na produção de telenovelas, que a TV Globo mostrou todas as suas forças, as quais têm sido exportadas para inúmeros países, inclusive a China. Hoje em dia suas empresas formam um império de mídia que tem imensa influência social e política no Brasil. Esse pool de empresas faz parte do que hoje se conhece pelo nome de Organizações Globo.

Roberto Marinho na década de 1920
Roberto Marinho sempre defendeu o liberalismo econômico, com aliança estratégica com os Estados Unidos. Foi adversário de políticos como Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, Leonel Brizola e o Lula da Silva. Quando Getúlio Vargas se matou, como presidente da República em 1954, seu jornal foi destruído pela população, quase falindo. Foi acusado de ser o mentor intelectual da Ditadura Militar, apoiada por ele. Em editorial publicado pelo jornal O Globo em 07/10/1984, Roberto Marinho escreveu:

"Participamos da Revolução de 1964 identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada"

Roberto Marinho também acusado de manipular as eleições para governador do Estado do Rio de Janeiro, quando Leonel Brizola venceu, e de mandar nas comunicações brasileiras no governo de José Sarney, quando Antônio Carlos Magalhães, dono de uma afiliada da Globo, foi ministro das comunicações.

Roberto Marinho e Jô Soares
Em 1989, foi acusado de manipular a edição do Jornal Nacional, após o debate de segundo turno entre Fernando Collor e Lula da Silva, para ajudar Collor a ser eleito presidente. Em 1992, Roberto Marinho, em um editorial do jornal O Globo e no noticiário Jornal Nacional, chamou Leonel Brizola de "senil". Isso valeu direito de resposta a Leonel Brizola no Jornal Nacional, que foi lido por Cid Moreira, dois anos depois, em 1994.

Com o governo Fernando Henrique, as Organizações Globo passaram por uma grande crise, retirando o nome do jornalista na lista de bilionários da revista Forbes.

Com sua primeira esposa em 1946, Stella Goulart Marinho, teve quatro filhos: Roberto Irineu Marinho, Paulo Roberto Marinho, falecido aos 19 anos, em 1970, João Roberto Marinho, e José Roberto Marinho. O segundo casamento foi com Ruth Albuquerque, em 1971, já se divorciando da primeira esposa.

Seu último casamento, o terceiro, foi com Lily Monique de Carvalho Marinho, em 1991.

Academia Brasileira de Letras

Roberto Marinho foi o 7º ocupante da cadeira 39 da Academia Brasileira de Letras, embora nunca tenha escrito um livro, eleito em 22/07/1993 na sucessão de Otto Lara Resende. Foi recebido pelo acadêmico Josué Montello em 19/10/1993.


Morte

O presidente das Organizações Globo, morreu às 22:30 hs de quarta-feira, 06/08/2003, no Rio de Janeiro. Ele havia sido internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Samaritano, pela manhã, em razão de um edema pulmonar. Durante todo o dia, seu estado de saúde permaneceu grave.

Às 21:30 hs, o jornalista foi levado às pressas para cirurgia. Os médicos tentaram dissolver um coágulo no pulmão, mas não obtiveram sucesso. Ele não resistiu à cirurgia.

Antes de ser levado para o hospital, Roberto Marinho estava em sua casa, no Cosme Velho, zona sul do Rio de Janeiro. Ele deixou viúva, Lily de Carvalho, e três filhos, Roberto Irineu, José Roberto e João Roberto, além de netos e bisnetos.

O corpo do jornalista foi velado, a partir das 10:00 hs de quinta-feira, 07/08/2003, em sua casa. O enterro ocorreu às 16:00 hs no Cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro.


Em nota divulgada, a família do jornalista se disse "consternada" e afirmou que Roberto Marinho tinha uma "vida reta, dedicada ao trabalho e, fundamentalmente, ao desenvolvimento do Brasil"

Fonte: Wikipédia e Folha Online

5 comentários:

  1. Grande Roberto Marinho, manipulador e oportunista, salve o protagonista da vitória do Collor sem vergonha

    ResponderExcluir
  2. Faltou pouco pro Bonner não conseguir concluir o jornal. Com certeza ele deve ter tido suas razões pra tanta emoção, talvez gratidão!

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de informar a vocês uma coisa a respeito do dr. Roberto que poucos lembram ou talvez nem saibam: fala-se que ele apoiou o regime militar, mas isto é apenas e tão-somente uma meia verdade. Isso porque ele empregou em seus veículos de comunicação (jornal, TV, etc.) muitos artistas e jornalistas que foram perseguidos pelo regime militar, acusados de ligações com o comunismo. Quando houve o golpe que derrubou Jango, em 1964, muitos que trabalhavam na Rádio Nacional carioca, até hoje estatal, foram demitidos pelos militares, e boa parte deles foi parar nas Organizações Globo. Um exemplo é o ator Mário Lago, que estreou na TV Globo em 1966 com a novela "O xeique de Agadir". Os cantores Nora Ney e Jorge Goulart, também demitidos da Nacional, foram contratados da gravadora Som Livre, nos anos 1970. Certa vez, em 1975, o dr. Roberto foi chamado ao gabinete do então ministro da Justiça, Armando Falcão, e este lhe perguntou: "Por que há tantos comunistas na redação do jornal O Globo?" O dr. Roberto respondeu: "Porque eles sabem fazer jornal". E arrematou: "Dos meus comunistas cuido eu!" Taí um fato interessante para vocês julgarem...

    ResponderExcluir
  4. Roberto Marinho... Um grande idealista, exemplo de vida com pulso forte e brilhantes realizações...

    ResponderExcluir
  5. Jornalista Roberto Marinho empreendedor e acima de tudo ......com respeitável harmonia com os poderes constituídos do pais .......podemos até ter divergencias mas temos que reconhecer seu valor de homem de visão intelctual........

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!