Betinho

HERBERT JOSÉ DE SOUSA
(61 anos)
Sociólogo e Ativista dos Direitos Humanos

* Bocaiúva, MG (03/11/1935)
+ Rio de Janeiro, RJ (09/08/1997)

Herbert Jose de Souza nasceu em Bocaiúva, no norte de Minas Gerais e, junto com seus dois irmãos - o cartunista Henfil e o músico Chico Mário, herdou da mãe a hemofilia, e desde a infância sofreu com outros problemas, como a tuberculose. "Eu nasci para o desastre, porém com sorte" - costumava dizer.

Foi criado em ambientes inusitados: a penitenciária e a funerária, onde o pai trabalhava. Mas sua formação teve grande influência dos padres dominicanos, com os quais travou contato na década de 1950. Integrou a Juventude Estudantil Católica (JEC), a Juventude Universitária Católica (JUC) e, em 1962, fundou a Ação Popular (AP), da qual foi o primeiro coordenador.

Carreira

Concluiu seus estudos universitários em Sociologia, no ano de 1962. Durante o governo de João Goulart assessorou o Ministério de Educação e Cultura (MEC), chefiou a assessoria do Ministro Paulo de Tarso Santos, e defendeu as reformas de base, sobretudo a reforma agrária.

Com o golpe militar, em 1964, mobilizou-se contra a ditadura, sem nunca esquecer as causas sociais. Com o aumento da repressão, foi obrigado a se exilar no Chile, em 1971. Lá assessorou Salvador Allende, até sua deposição em 1973. Conseguiu escapar do golpe de Pinochet refugiando-se na embaixada panamenha. Posteriormente morou no Canadá e no México. Durante esse período foram reforçadas as suas convicções sobre a democracia, que ele julgava ser incompatível com o sistema capitalista.

Foi homenageado como "O irmão do Henfil" na canção "O Bêbado e a Equilibrista", de João Bosco e Aldir Blanc, gravada por Elis Regina - "Meu Brasil / Que sonha com a volta do irmão do Henfil / De tanta gente que partiu…" - à época da campanha pela anistia aos presos e exilados políticos. Anistiado em 1979, Betinho voltou ao Brasil.

Em 1981, junto com os economistas Carlos Afonso e Marcos Arruda, fundou o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE), e passou a se dedicar à luta pela reforma agrária, sendo um de seus principais articuladores. Nesse sentido conseguiu reunir, em 1990, milhares de pessoas no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, em manifestação pela causa.

Betinho também integrou as forças que resultaram no impeachment do Presidente da República Fernando Collor. Mas o projeto pelo qual se imortalizou foi, provavelmente, a Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e Pela Vida, movimento em favor dos pobres e excluídos.


Doença e Morte

Em 1986 Betinho descobriu ter contraído o vírus da AIDS em uma das transfusões de sangue a que era obrigado a se submeter periodicamente devido à hemofilia. Em sua vida pública esse fato repercutiu na criação de movimentos de defesa dos direitos dos portadores do vírus. Junto com outros membros da sociedade civil, fundou e presidiu até a sua morte a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Dois dos seus irmãos, HenfilChico Mário, morreram em 1988 por conseqüência da mesma doença. Mesmo assim, não deixou de ser ativo até o final de sua vida, dizendo que a sua condição de soropositivo o forçava a "comemorar a vida todas as manhãs".

Betinho morreu em 1997, já bastante debilitado pela AIDS, vítima de Insuficiência Hepática, decorrente de Hepatite C, depois de 26 dias internado no Hospital da Beneficência Portuguesa, com uma infecção oral.

Deixou dois filhos: Daniel, filho do seu primeiro casamento com Irles Carvalho, e Henrique, filho do segundo casamento com Maria Nakano, com quem viveu por 27 anos.


Reparação

Em 18 de agosto de 2010, a Comissão de Anistia concedeu à família de Betinho uma indenização mensal, além de um montante retroativo, em razão da perseguição política sofrida por ele durante a ditadura militar, comprovada por documentos encontrados nos arquivos do antigo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). Sua viúva, Maria Nakano, também recebeu o direito a uma pensão vitalícia.

Fonte: Wikipédia

2 comentários:

  1. Me recordo do que falou um parente dele no dia do falecimento, acho que foi o filho. Ele disse que quando Betinho percebeu que viveria apenas mais alguns minutos, ele pediu pra trazerem uma cerveja pra que antes de morrer, ele pudesse sentir o sabor de algo que tanto prazer tinha lhe dado. E a última coisa que ele fez, foi fazer com o dedo, o sinal de positivo.

    ResponderExcluir
  2. OBRIGADO O GRANDE HOMEM E SER HUMANO POR TER NOS ENSINADO TANTO. SOBRE A VIDA E SOBRE A MORTE. QUE A PAZ DE CRISTO ESTEJA SEPRE C VC, C CERTEZA AI NO PARAIZO. QUE E O Q VC MERECE. OBRIGADO POR TUDO. VALDEIR DE GOIAS

    ResponderExcluir

Atenção!

Prezado amigo leitor, a partir desta data, 13/05/2019, não serão mais aceitos comentários anônimos. Portanto, não me responsabilizarei pelos comentários que alguém possa vir a fazer denegrindo a imagem de quem quer que seja e que esteja publicada neste blog.

Antes de fazer o seu comentário, se identifique e se responsabilize.

Desde já fico grato!