Mostrando postagens com marcador Escritor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Escritor. Mostrar todas as postagens

Alberto Dines

ALBERTO DINES
(86 anos)
Jornalista, Professor, Biógrafo e Escritor

☼ Rio de Janeiro, RJ (19/02/1932)
┼ São Paulo, SP (22/05/2018)

Alberto Dines foi um jornalista, professor universitário, biógrafo e escritor brasileiro, nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 19/02/1932.

Alberto Dines casou-se em primeiras núpcias com Ester Rosali, sobrinha de Adolpho Bloch, com quem teve quatro filhos, e em segundas núpcias com a jornalista Norma Couri.

Como crítico de cinema, Alberto Dines iniciou sua carreira no jornalismo em 1952 na revista A Cena Muda. Transferiu-se para a recém-fundada revista Visão no ano seguinte, convidado por Nahum Sirotsky para cobrir assuntos ligados à vida artística, ao teatro e ao cinema. Logo após passou a fazer reportagens políticas.

Já em 1957 trabalhou para a revista Manchete, até se demitir da empresa após desentendimentos com Adolpho Bloch, seu proprietário.

Em 1959 assumiu a direção do segundo caderno do jornal Última Hora, de Samuel Wainer.

Em 1960, colaborou para o jornal Tribuna da Imprensa, então pertencente ao Jornal do Brasil.

Em 1960, convidado por João Calmon, dirigiu o jornal Diário da Noite, dos Diários Associados, pertencente a Assis Chateaubriand.

Em 1962, tornou-se editor-chefe do Jornal do Brasil, no qual permaneceu durante 12 anos. Depois de anos driblando a ditadura à frente do Jornal do Brasil, foi demitido em junho de 1973 justamente por publicar um artigo que contrariava a direção do jornal, ao criticar a relação amistosa de seus donos com o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Em 1974 foi para os Estados Unidos, onde foi professor-visitante na Universidade de Colúmbia.

Voltou ao Brasil, em 1975, convidado por Cláudio Abramo para ser diretor da sucursal da Folha de S. Paulo no Rio de Janeiro. Na Folha de S. Paulo, também foi responsável pela criação da coluna "Jornal dos Jornais", dedicada a avaliar a imprensa, sendo uma espécie de embrião do futuro Observatório da Imprensa.

Em 1980, deixou a Folha de S. Paulo e passou a colaborar no O Pasquim.

Passou a residir em Lisboa e assumiu cargo de secretário editorial do Grupo Abril, ficando em Portugal entre 1988 e 1995, onde lançou a revista Exame. Ainda em Portugal, no ano de 1994, criou o Observatório da Imprensa, periódico crítico de acompanhamento da mídia.

Retornou ao Brasil em 1994, sendo um dos responsáveis em criar do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Universidade de Campinas (UniCamp), onde foi pesquisador sênior.

Em 1996, lançou no Brasil a versão eletrônica do Observatório da Imprensa, que conta atualmente com versões no rádio e na televisão. Este que passou a ter uma edição na TV Educativa do Rio de Janeiro em maio de 1998.

Carreira no Magistério

Em seus mais de 50 anos de carreira, Alberto Dines dirigiu e lançou diversas revistas e jornais no Brasil e em Portugal. Lecionava jornalismo desde 1963, iniciando suas aulas na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-RJ), onde ficou até 1966.

Em 1974, foi professor visitante da Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, New York. Convidado para paraninfar uma turma desta Faculdade logo após a edição do AI-5, fez um discurso criticando a censura e, em conseqüência, foi preso em dezembro de 1968 e submetido a inquérito.

Publicações

Alberto Dines escreveu mais de 15 livros, entre eles "Morte No Paraíso, a Tragédia de Stefan Zweig" (1981) e "Vínculos do Fogo" (1992). O livro sobre Stefan Zweig foi adaptado para o cinema por Sylvio Back em 2002 no filme "Lost Zweig". Alberto Dines também fala sobre Stefan Zweig no documentário do mesmo diretor.

Prêmios

Alberto Dines recebeu em 1970, o Prêmio Maria Moors Cabot de jornalismo, em 1993, o prêmio Jabuti na categoria Estudos Literários, em 2007, o Austrian Holocaust Memorial Award, em 2009, o Austrian Golden Decoration For Science And Art, e em 2010 a Ordem do Mérito das Comunicações, no grau Grã-Cruz.

Morte

Alberto Dines faleceu às 7h15 de terça-feira, 22/05/2018, aos 86 anos, no Hospital Albert Einstein, no Morumbi, Zona Sul de São Paulo, após dez dias internado por complicações de uma gripe, que evoluiu para uma pneumonia.

Alberto Dines deixou a mulher e quatro filhos. O sepultamento está ocorreu na quarta-feira, 26/05/2018, às 13h30, no Cemitério Israelita de Embu das Artes.

Fonte: Wikipédia
Indicação: Valmir Bonvenuto

Luiz Gasparetto

LUIZ ANTÔNIO ALENCASTRO GASPARETTO
(68 anos)
Psicólogo, Médium Psicopictográfico, Escritor e Locutor

☼ São Paulo, SP (16/08/1949)
┼ São Paulo, SP (03/05/2018)

Luiz Antônio Alencastro Gasparetto foi um psicólogo, médium psicopictográfico, escritor e locutor brasileiro.

Luiz Gasparetto nasceu no Bairro do Ipiranga, São Paulo, em 16/08/1949, em uma família de imigrantes italianos. Seus pais, Aldo e Zíbia Gasparetto, educaram-no dentro da Doutrina Espírita, que os permitiram entender as preliminares capacidades mediúnicas da criança.

Aos 13 anos, os biógrafos anotam que Luiz Gasparetto teria pintado um belo quadro que havia sido influenciado pelo espírito de Claude Monet. Com tal demonstração, foi levado até o famoso Chico Xavier que lhe deu certas instruções e que lhe deu o nome de vários espíritos que pintavam por seu intermédio.

Elsie Dubugras levou-o a uma viagem de dois meses pela Europa, onde Luiz Gasparetto passou a assinar quadros com os nomes de Renoir, Da Vinci, Rembrandt, Toulouse-Lautrec, Modigliani, Picasso, Monet, entre outros.

Disse numa entrevista, já adulto:
"As pessoas pensam que quando você morre, você se transforma, mas isto não é verdade, permanecemos os mesmos: apenas evoluímos com base nas experiências que fizemos… No entanto, na dimensão em que eles [os pintores falecidos] estão, eles se apresentam diferentes na forma física. Toulouse-Lautrec, por exemplo, quando se aproxima de mim, não tem nenhum problema nas pernas. Parece-me uma pessoa muito alegre e cheia de humor."
Luiz Gasparetto obteve reputação mundial no final da década de 1970 e durante quase toda a década de 1980 por excursionar a Europa com Elsie Dubugras a fim de mostrar os trabalhos que, supostamente, famosos artistas plásticos realizavam através de sua mediunidade.

Durante a década de 1980, rompeu com a Doutrina Espírita e empenhou-se em projetos ligados à psicologia, auto-ajuda e espiritualidade, escrevendo livros e ministrando cursos com o objetivo do desenvolvimento do ser.

Em 2009, realizou algumas pinturas mediúnicas em seu Espaço Vida e Consciência.

A partir de 2010, manteve suas atividades ligadas à Nova Era com uma literatura metafísica e com a criação do Teatro de Auto-Ajuda ampliando, também, seu veículo de comunicação com o público através das mídias digitais como site pessoal, aplicativo, página no Facebook e canal oficial no Youtube.

Seu último vídeo foi compartilhado na sua página do Facebook no dia 20/04/2018, 13 dias antes de sua morte.

Durante quase três anos foi apresentador de televisão do programa "Encontro Marcado" da RedeTV!, que propunha ajudar casos comuns em família ou sociedade. Tinha estreado na televisão, porém, em 1987, com o programa "Terceira Visão", na TV Bandeirantes, programa idealizado pelo espírita Augusto César Vannucci.

Espaço Vida e Consciência

O descontentamento com o que acreditava ser uma tradição imutável, levou-o, afinal, a conjugar dois caminhos trilhados a princípio de forma independente: A carreira profissional e o exercício da atividade mediúnica. Formado em psicologia e tendo frequentado alguns cursos no Instituto Esalen, nos Estados Unidos, um dos centros mais famosos de irradiação das chamadas terapias alternativas, acabou redefinindo o rumo de sua carreira.

A criação do Espaço Vida e Consciência, na década de 1990, definiu essa nova etapa. A partir de então, distanciando-se da prática clínica convencional e da moral espírita cristã, as suas atividades passaram a integrar o chamado circuito "neoesotérico", através da promoção de cursos, palestras e workshops com temas relativos à espiritualidade, à saúde e a problemas que envolvem as relações cotidianas - afetivas, familiares e de trabalho.

Por mais de uma década, as suas atividades espiritualistas mantiveram-se em paralelo àquelas desenvolvidas no centro espírita dirigido por sua família. Gradativamente, porém, também as atividades deste último começaram a ser modificadas. O distanciamento começou com a mudança de sua denominação para Centro de Desenvolvimento Espiritual Os Caminheiros, mais adequada às práticas terapêuticas que passou a desenvolver, e que fogem ao repertório espírita, como o "passe com luzes" (prática que associa o passe espírita à cromoterapia) e sessões de "visualização criativa". Oriundas do universo das terapias alternativas, essas técnicas introduzem a abordagem de questões psicológicas.

O passo seguinte, envolvendo o fechamento do centro em 1995, marcou o rompimento definitivo da família Gasparetto com a Doutrina Espírita, principalmente no que se refere ao exercício da mediunidade como prática de doação.

Desde meados da década de 1980 os livros de Zíbia e Luiz Gasparetto passaram a ser editados por uma editora de propriedade da família, transferindo-se assim a renda das atividades filantrópicas para a apropriação pessoal dos direitos autorais.

Uma vez fechado o centro Os Caminheiros, a entidade Calunga teria passado a protagonizar cursos e palestras no Espaço Vida e Consciência, que, como as demais atividades ali desenvolvidas, se destinam a grandes plateias e são pagos.

O Espaço Vida e Consciência teve o nome alterado para Espaço da Espiritualidade Independente.

De modo geral, as suas atividades se desenvolveram em clima de espetáculo, seus cursos, palestras e shows não deixam de ter feições próprias, combinando técnicas de terapia com encenação, improvisação retórica e referências que remetem a uma espiritualidade difusa. Engraçado, histriônico, Luiz Gasparetto era dono de uma extraordinária habilidade de comunicação e de sedução, tinha carisma e sua forma descontraída o identificava rapidamente com seu público.

Luiz Gasparetto construia com facilidade sua linha de pensamento, interagindo diretamente com a plateia, jogando com a ironia, a surpresa, o medo do ridículo, criando um ambiente descontraído e divertido à medida que se constroem, em geral por meio de diálogos imaginários, os estereótipos que retratam o público: A dona de casa, os filhos, o marido, a sogra, a vizinha, o chefe, a colega de trabalho, etc.

Mídia

Terceira Visão: Na década de 80 apresentou pela Rede Bandeirantes de Televisão o programa "Terceira Visão", engendrado pelo então conhecido diretor e produtor de televisão, Augusto César Vannucci.

Encontro Marcado: Em 2005, a RedeTV! concedeu-lhe um programa de auditório onde apresentava um jogo de ideias e confrontação. No programa, decidia o rumo e a solução que seria aplicada em cada caso de problema espiritual ou emocional, com base nas respostas que obtém de cada um dos seus entrevistados. O programa acabou em 2008.

Revista Ana Maria: Costumava semanalmente ter uma coluna na revista "Ana Maria" com textos motivacionais, porém essa coluna se encerrou em 19/04/2011.

Rádio Mundial: Desde 1989 apresentava o programa "Gasparetto Conversando Com Você" na Rádio Mundial. No início diário, depois semanal (as quartas-feiras), porém este programa acabou em agosto de 2014.

No início dos anos 2000 fundou a Cia das Luzes, com frequentadores do Espaço Vida e Consciência. Essa Companhia de amadores desenvolvia espetáculos grandiosos que misturavam teatro, dança e música, roteirizados pelo próprio Luiz Gasparetto.

Entre os espetáculos estão "É do Babado", "Mama Mia Brasil", "Calunga Um Espírito de Luz", "Para Viver Sem Sofrer", "Concerto Para Uma Alma Só", "Babalu", "Infinito", "Infinito 2", "Onde Reencarnar é Uma Lei", "Faça Dar Certo", "Bion o Circo das Mascaras", entre outros.

Doutrina Espírita

Tendo se dedicado inicialmente à Doutrina espírita, Luiz Gasparetto redefiniu o curso de sua trajetória religiosa na década de 1980. O marco inicial desse processo remonta à década anterior, período em que realizou uma série de viagens ao exterior com o objetivo de conhecer melhor outras doutrinas espiritualistas. Estas viagens lhe propiciaram o contato com novas ideias e práticas religiosas e espiritualistas, além da observação de outros valores e formas de se praticar a mediunidade. De volta ao Brasil, passou a manifestar publicamente suas opiniões acerca da prática da Doutrina Espírita tradicional.

A crítica de Luiz Gasparetto ao Espiritismo refere-se ao "moralismo espírita" derivado da tradição do Catolicismo no Brasil que, segundo ele, inibe a discussão sobre sexo ou dinheiro em meios espíritas. Segundo Luiz Gasparetto: "Em sociedades liberais como os Estados Unidos, por exemplo, as coisas são mais abertas e existe a possibilidade de se entender e discutir abertamente essa etapa da vida que, no nosso país, se vê escondida pela falsa moralidade."

Luiz Gasparetto via na postura conservadora da Doutrina Espírita um meio de transmitir uma mensagem libertadora que não possui maior chance de aproveitamento em seus ensinamentos porque os espíritos são contundentemente crentes nas normas católicas.

Para ele, o Kardecismo "é muito antiquado [...] não sai daquela caminhada, sempre igual: não muda o jeito do passe, não muda a forma de tratamento, não se conhece nada de energia eletromagnética [...]"

Críticas da mesma ordem são dirigidas às obras publicadas pelo francês Allan Kardec, as quais, segundo ele, são ultrapassadas: "Quando digo que sou kardecista é por causa da pesquisa, do questionamento, da comparação, da busca e do método utilizado por Kardec [...] Agora, o conteúdo é coisa de época [...]"

Seu Trabalho

Com a transferência formal da direção do Centro para Luiz Gasparetto, mudanças foram sendo implementadas no ritual da Casa. O processo foi sinalizado pela mudança da tutela da casa, cujo dirigente-espiritual passou a ser a entidade Calunga, que se apresenta como Exu, figura que remete ao universo da Umbanda, personagem excluído do panteão espírita cujos "guias espirituais" - pintores e escritores brasileiros e estrangeiros e, dentre os profissionais liberais, especialmente médicos, oriundos do meio erudito.

Na década de 90 foram introduzidas novidades no campo dos estudos, além das atividades tradicionais - ensino da doutrina e escola de desenvolvimento mediúnico -, passou-se a promover palestras semanais realizadas por profissionais convidados, que abordavam temas que remetiam ao universo neoesotérico: Ufologia, astrologia, tarot, cristais, etc.

Paralelamente, Luiz Gasparetto ministrava um curso denominado Vida e Consciência onde introduzia as técnicas de auto conhecimento, visando que as pessoas fossem seus próprios terapeutas.

Luiz Gasparetto também passou a dar palestras para grandes públicos, os famosos domingões, realizados em teatros como o Parque Anhembi e posteriormente passaram a ser ministradas em espaço próprio no formato de cursos rápidos, em média de quatro aulas semanais sempre voltados aos temas da auto-ajuda.

Em 2007 teve início o projeto Filhos da Luz, idealizado por Calunga, introduzindo práticas da auto-ajuda com guias que têm como referência a Umbanda, porém, não implicando neste caso a adesão a prescrições rituais e doutrinárias desse sistema religioso.

Sua condição de outsider do panteão Espírita serve à ritualização do afastamento da tradição Espírita, autorizando, dessa forma, a incorporação de ideias e de práticas de outros sistemas simbólicos, seculares e/ou religiosos.

Ao longo dos anos foram se apresentando novos guias desencarnados como Tibirias, Pai João, Naná, Mauá e sua equipe (Inácio de Loyola, John Rockfeller, Rei Salomão, Rei David, Lourenço Prado, Thomas More, Allan Kardec, entre outros) e Mestre Lee, que fazem parte do Colegiado Filhos da Luz.

Em 2012 lançou seu site pessoal e um aplicativo para download que exibe mensagens em vídeo diárias.

Em 2014 lançou seu canal oficial no Youtube e sua página oficial no Facebook.

Luiz Gasparetto é um dos fundadores e mantenedores da ONG Pró-Cães.

Morte

Em fevereiro de 2018, Luiz Gasparetto revelou que havia sido diagnosticado com câncer de pulmão e veio a falecer no dia 03/05/2018, em decorrência da doença.

O velório aconteceu no dia seguinte, no Cemitério Memorial Parque Paulista, em Embu das Artes, onde foi realizada também a cremação do corpo.

Livros Publicados
Todos publicados pela Editora Vida e Consciência
  • 1991 - Atitude
  • 1992 - Se Ligue Em Você
  • 1992 - Se Ligue Em Você (Infantil)
  • 1993 - Essencial (Livro de bolso)
  • 1994 - Faça Dar Certo
  • 1994 - Se Ligue Em Você 2 (Infantil)
  • 1995 - Calunga - Um Dedinho de Prosa
  • 1995 - Se Ligue Em Você 3 (Infantil)
  • 1996 - Prosperidade Profissional
  • 1997 - A Vaidade De Lolita (Infantil)
  • 1997 - Amplitude 1 - Você Está Onde Você Se Põe
  • 1997 - Amplitude 2 - Você É Seu Carro
  • 1997 - Amplitude 3 - A Vida Lhe Trata Como Você Se Trata
  • 1997 - Calunga - Tudo Pelo Melhor
  • 1998 - Amplitude 4 - A Coragem De Se Ver
  • 2000 - Calunga - Fique Com A Luz...
  • 2000 - Conserto Para Uma Alma Só
  • 2000 - Metafísica Da Saúde (Sistemas Respiratório e Digestivo) Vol. 1
  • 2001 - Metafísica Da Saúde (Sistemas Circulatório, Urinário e Reprodutor) Vol. 2
  • 2002 - Para Viver Sem Sofrer
  • 2003 - Metafísica Da Saúde (Sistemas Endócrino e Muscular) Vol. 3
  • 2007 - Calunga - Verdades Do Espírito
  • 2008 - Metafísica Da Saúde (Sistema Nervoso) Vol. 4
  • 2010 - Revelação Da Luz E Das Sombras
  • 2011 - Afirme E Faça Acontecer
  • 2013 - Calunga - O Melhor Da Vida
  • 2015 - Gasparetto Responde!
  • 2015 - Calunga Revela - As Leis Da Vida
  • 2015 - Metafísica Da Saúde (Sistema Ósseo e Articular) Vol. 5
  • 2016 - Fazendo Acontecer!
  • 2017 - O Corpo Seu Bicho Inteligente

Fonte: Wikipédia

Sérgio Sá

SÉRGIO ANTÔNIO SÁ DE ALBUQUERQUE
(64 anos)
Cantor, Compositor, Instrumentista, Arranjador, Produtor, Ator, Palestrante e Escritor

☼ Fortaleza, CE (17/01/1953)
┼ Fortaleza, CE (03/10/2017)

Sérgio Antônio Sá de Albuquerque, mais conhecido por Sérgio Sá, foi um cantor, compositor, instrumentista, arranjador, produtor e escritor brasileiro nascido em Fortaleza, CE, no dia 17/01/1953.

Sérgio Sá nasceu com catarata congênita, associada a microftalmia. Ele era cego de nascença. Sua trajetória de vida foi marcada por êxitos e realizações.

Desde que veio de Fortaleza aos 13 anos continuar seus estudos em São Paulo, Sérgio Sá procurou desenvolver seu talento para a música - tem ouvido absoluto -, incorporando-se a bandas de garagem, tocando, cantando e logo mais arranjando, produzindo e gravando.

Iniciou a sua carreira cantando baladas de rock em inglês, no início da década de 70. Nessa época, adotava o nome artístico de Paul Bryan e lançou em 1973 três compactos pela Top Tape. Tinha quatro músicas entre as dez mais executadas e vendidas no país.

Em 1974, ela já assinava o nome de batismo em "Sonhos de um Palhaço", canção composta em parceria com Antônio Marcos que fez sucesso na voz de Vanusa. Com a cantora e compositora, Sérgio Sá criou o hit feminista "Mudanças" (1979). 

Logo depois, assumiria os teclados do grupo de rock paulistano Joelho de Porco, como tecladista, permanecendo nele até 1976.

Em 1977 se formou em Educação Artística pela Faculdade Morzateum, e era artista nato com habilidades diversas, em diferentes áreas de atuação, com currículo excepcional que marcou sua presença na história da Música Popular Brasileira.

Em 2016, Sérgio Sá se lançou como candidato a vereador de São Paulo pelo Partido Social Democrata Cristão (PSDC), sem conseguir se eleger.

Carreira

Como compositor foram mais de 350 canções gravadas por artistas como Roberto Carlos ("Como é Possível"), Simone ("Olho do Furacão"), Tim Maia ("O Vento e as Canções"), Fábio Júnior ("Eu Me Rendo" e "O Que é Que Há?"), Chitãozinho & Xororó, ("Pensando em Minha Amada"), isso só para citar alguns exemplos.

Seu trabalho em criação publicitária inclui comerciais para empresas como Banco Itaú, McDonald's, TV Globo, TV Bandeirantes, além de trilhas sonoras para novelas e seriados como o "Mundo da Lua" (1991/1992) da TV Cultura.

Destaca-se também seu trabalho em Los Angeles onde criou e executou trilhas e vinhetas para clientes como a KJLH, emissora de FM de Stevie Wonder.

Sérgio Sá integrou a equipe responsável pela Campanha Nacional de Rádio Presidência, em 2002, no ano seguinte, contratado pela Radiobrás, foi responsável pela criação das vinhetas que compõe o novo formato da "Voz do Brasil".

No período entre 2004 e 2006 realizou campanhas para prefeito em São Paulo, Curitiba, Goiânia e em diversas cidades do interior do país.

Gilberto Gil e Sérgio Sá
Em 2006, Sérgio Sá manteve-se na ativa e foi convidado para produzir a trilha sonora do musical "Mary Poppins" do estúdio de Ballet Cisne Negro. Com adaptações e composições elaboradas especialmente para a produção Sérgio Sá surpreendeu com sua capacidade de criar e executar uma obra musical alinhada aos passos rítmicos exigidos pela dança de ballet. Mais tarde, repetiu a dose desenvolvendo uma produção natalina para a Coca-Cola que, através de alta tecnologia de luz e som, impressionou o público com bonecos gigantescos contadores de histórias embalados pela trilha sonora criada por ele.

Voltando ao passado, Sérgio Sá, com o pseudônimo de Paul Bryan, nos anos 70, criou diversos temas românticos que lideraram as paradas de sucesso e de vendas do país: "Dont Say Goodbye", tema da novela "Cavalo de Aço" (1973), "Listen", parte da trilha internacional de "O Bem Amado" (1973), "Window", tema de "Carinhoso" (1973), foram algumas de suas obras com grande repercussão.

Como arranjador trabalhou ao lado de nomes como Gilberto Gil, em seu projeto "Quanta", Zizi Possi, Jane Duboc, Ivan Lins, e vários outros artistas, Sérgio Sá foi um dos primeiros a mesclar sintetizadores a sons acústicos e um dos pioneiros em gravações digitais.

Como intérprete, com 8 discos já gravados entre os quais "Voa Vida", "Fora de Prumo" e "Ecos do Amanhã", inúmeras apresentações no Brasil, Estados Unidos e Europa, lançou o CD "Sérgio Sá - I'm Paul Bryan" onde regravou seus hits em inglês além de versões de seus sucessos e composições inéditas.


Seu último lançamento, no início de 2015, de forma independente, foi o CD "Sérgio S/A", comemorando seus 46 anos de carreira, com participações de convidados ilustres da Música Popular Brasileira como Zeca Baleiro, Elba Ramalho, Jorge Vercillo, Jane Duboc, Gilberto Gil, Cláudia Albuquerque, Carlos Navas, Lucinha Lins, Tribo De Jah e Vânia Bastos.

Suas participações em gravações atingiram a marca de 30 mil horas de estúdio e suas apresentações ao vivo somam mais de 10 mil (Marcas registradas até agosto/2015).

Como produtor trabalhou produziu para Zé Rodrix, Vanusa, Jane Duboc, Milton Carlos, Eduardo Araújo, além de inúmeros artistas independentes, tiveram em seus trabalhos a assinatura de Sérgio Sá como produtor musical.

Como escritor, seu livro "Fábrica de Sons" (Editora Globo) já em quarta edição atualizada e acrescida de CD, foi aprovado e adquirido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

Em Outubro de 2004, Sérgio Sá, deficiente visual de nascença, lançou "Feche Os Olhos Para Ver Melhor", obra em que faz um apanhado de vivências e reflexões, propondo novas maneiras de enxergar o mundo e que foi também lançado em edição em braile. Com o lançamento do livro de ficção "Ecos do Amanhã", Sérgio Sá entretém o leitor com uma narrativa instigante e faz um brado de alerta e de profundo amor à humanidade.


Em 2012 Concluiu seu quarto livro, "Aos Olhos de Um Cego" (Sá Editora). Ainda em 2012 estreou como ator na peça "O Grande Viúvo", conto de Nelson Rodrigues, no projeto Teatro Cego. Uma proposta com espetáculo de característica inédita no Brasil, pois convida o público a abdicar da visão para por à prova seus outros quatro sentidos. Atores, atrizes e músicos cegos e não cegos se unem no palco para fazer arte.

Paralelo a outros projetos Sérgio Sá demonstrava maestria também como palestrante, viajando por todo o país com a sua Palestra-Show "Feche Os Olhos Para Ver Melhor", propondo reflexões com interatividade, música ao vivo e bom humor.

Desde de 2009 era convidado pela Secretaria Municipal de Cultura a falar com crianças e jovens da periferia, levando suas vivências musicais e literárias.

Em 2011, em parceria com Irineu Toledo, "Tocando Músicas e Trocando Ideias", ao lado de grandes palestrantes como Luciano Pires, José Luiz Tejon, Daniel Carvalho Luz, foi aplaudido por mais de 2.000 pessoas no evento Feliz Dia Novo.

Morte

Sérgio Sá morreu na madrugada de terça-feira, 03/10/2017, em Fortaleza, CE, vítima de um infarto, aos 64 anos. A informação foi confirmada pelo filho, Thiago Pinheiro, em publicação no Facebook. 
"É com imensa tristeza que comunico o falecimento de meu pai Sérgio Sá durante esta madrugada. Sérgio, que estava na casa de uma prima em Fortaleza, foi vítima de um rápido processo de infarto por volta das 2h30, e não resistiu e nos deixou com a eterna saudade."
No comunicado, o filho fez elogios a Sérgio Sá, como pessoa e profissional:
"Meu pai sempre foi homem íntegro, sempre buscou grande excelência, produtor e compositor que deixou fortes marcas em nossa música e em minha vida. Agora, tornou-se a forte memória de alguém que nunca deixou de acreditar na força e sutileza do amor."
"Há algumas semanas ele veio me visitar, conhecer o estúdio que nunca havia visitado, passamos um dia inteiro agradável, conversas suaves sobre música, ouvimos o disco que acabara de finalizar, nos abraçamos, demos risada, agradecemos pela trajetória, falamos da admiração mútua, foi um dia de paz, momento muito importante para os dois e eu jamais imaginaria que seria o último encontro. Mal sabia que seriam meus momentos derradeiros na presença física do meu querido pai, pessoa que sempre amei e que conheci através dos discos, das composições brilhantes e do carinho em menos encontros do que eu gostaria de ter tido!"
Fonte: Sérgio Sá, Estadão e G1  

Álvaro de Moya

ÁLVARO DE MOYA
(87 anos)
Jornalista, Escritor, Produtor, Ilustrador e Diretor de Cinema e Televisão

☼ São Paulo (1930)
┼ São Paulo, SP (14/08/2017)

Álvaro de Moya foi um jornalista, escritor, produtor, ilustrador e diretor de cinema e televisão. É considerado por alguns como o maior especialista em histórias em quadrinhos do Brasil.

Alvaro de Moya era filho de um coronel reformado da antiga Força Pública do Estado de São Paulo, de nome Salvador, e de Dona Amélia. Irrequieto, tenaz, inteligente e vivo, Alvaro de Moya não gostava muito de estudar. Quando o pai perguntava: "Você quer ser engenheiro, médico ou advogado?", ele respondia: "Quero ser desenhista de histórias em quadrinhos!", para desespero do pai.

Por volta dos 10 e 12 anos, outra paixão dominou o menino: o cinema. Assistia uma sessão atrás da outra, nada o satisfazia. Também gostava de ler. Lia de tudo e sabia um pouco de tudo. Uma vez, porém, ouviu na escola, uma frase que passou a ser seu lema: "Res, non verba" (Ação, e não palavras).

Na verdade a primeira paixão de Álvaro de Moya foi pelo desenho. E esse seu amor pelo desenho e pelo cinema, o levou para a televisão. Foi através de um telefonema a Walter George Durst, que Álvaro de Moya, bastante jovem, se entrosou com aquele grupo também jovem, que preparava a novidade: lançar a televisão no Brasil.


Conheceu e gostou não só de Walter George Durst, mas de Cassiano Gabus Mendes, Silas Roberg e Dionisio Azevedo. E coube a ele fazer a história de inauguração da PRF3-TV, a primeira emissora da América Latina.

Irrequieto que era, logo conseguiu uma bolsa e foi para os Estados Unidos, para ver de perto tanto a televisão, como seu amor maior: a história em quadrinho. E conseguiu muita coisa. Esteve com personalidades e aprendeu detalhes que mais tarde trouxe para o Brasil. De volta casou-se com a atriz Anita Greiss, com quem teve 2 filhos.

Acompanhando Demerval Costa Lima, ex diretor geral das Emissoras Associadas, Álvaro de Moya foi para a TV Paulista, que mais tarde transformou-se em TV Globo, e na emissora foi seu braço direito.

Foi diretor de TV, criativo e original, e no corte de imagens, era imbatível. A seguir foi para a TV Excelsior, que a seu ver, criou a verdadeira televisão brasileira moderna, com grade de programação vertical e horizontal. Aí formou, ao lado de Cyro Del Nero, a dupla que fixou a imagem daquela televisão, e foi Álvaro de Moya que conseguiu uma coisa nova na televisão: a pontualidade, que até então não existia. Naquela época os programas entravam no ar, mais ou menos às tantas horas.


Álvaro de Moya esteve também na TV Bandeirantes, e outra vez em uma missão importante: Colocar no ar a emissora. Escolheu o dia 13 de maio, já que a televisão seria, em São Paulo, o canal 13. E conseguiu a façanha, tendo ficado 72 horas sem comer e dormir, só trabalhando.

Na TV Cultura sua missão foi angariar apoio da iniciativa privada, àquela emissora estatal. Além disso Álvaro de Moya foi, por 20 anos, professor da Universidade de São Paulo (USP), na matéria Comunicação.

Professor aposentado da Universidade de São Paulo (USP), foi um dos organizadores da Primeira Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos, junto com Jayme Cortez, entre outros, em 1951, na cidade de São Paulo. Além de ser a primeira exposição de quadrinhos da história do Brasil, foi de ineditismo também para o mundo.

Álvaro de Moya representou o Brasil em vários congressos sobre quadrinhos no mundo, como em Roma, Buenos Aires, Nova York e em Lucca, um dos principais do mundo.


Correspondente da revista Wittyworld, dos Estados Unidos, foi colaborador de enciclopédias editadas na França, Espanha, Itália e Estados Unidos. Escolhido pela Universidade La Sapienza, de Roma, foi o único representante da América Latina em evento realizado na Itália, visando discutir o centenário dos comics books.

Fez também charges e ilustrações com temáticas nacionalistas. Na Editora Abril, fez capas para as revistas em quadrinhos Disney: O Pato Donald e Mickey. Produziu quadrinizações de "A Marcha", de Afonso Schmidt, para a Editora Brasil América, "Macbeth" de William Shakespeare para a Editora Outubro e a biografia de Zumbi dos Palmares para Editora La Selva.

Em 1970, lançou o livro "Shazam!", o livro não se resume apenas a fazer um pesquisa sobre a história das histórias em quadrinhos, mas conta com a colaboração de especialistas que debatem acerca da influência pedagógica e psicológica dos quadrinhos e a sua influência na cultura, tratando as histórias em quadrinhos não somente como puro entretenimento, mas sim como um meio de comunicação que merece atenção por parte dos acadêmicos.

Em 1976, traduziu e fez o prefácio para a edição brasileira de "Para Ler o Pato Donald" de Ariel Dorfman e Armand Mattelart, publicada pela editora Paz e Terra.

Morte

Álvaro de Moya faleceu no fim da tarde de segunda-feira, 14/08/2017, em São Paulo, SP, aos 87 anos. Ele estava internado desde o último dia 05/08/2017 no Hospital São Paulo, quando sofreu, em casa, um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Álvaro de Moya foi encontrado pelo filho no banheiro de casa.

Livros
  • 1970 - Shazam!
  • 1993 - História da História em Quadrinhos
  • 1996 - O Mundo de Walt Disney
  • 2001 - Anos 50 - 50 Anos
  • 2002 - Vapt Vupt
  • 2003 - Histórias em Quadrinhos no Brasil
  • 2004 - Gloria In Excelsior
  • 2006 - O Tico-Tico 100 Anos - Centenário da Primeira Revista de Quadrinhos do Brasil.
  • 2012 - A Reinvenção dos Quadrinhos
  • 2013 - Os Pioneiros no Estudo de Quadrinhos no Brasil
  • 2016 - Sketchbook Custom
  • 2017 - Eisner / Moya - Memórias de Dois Grandes Nomes da Arte Sequencial

Fonte: Wikipédia

João Ellyas

JOÃO ANTÔNIO ELIAS DE OLIVEIRA
(72 anos)
Escritor, Artista Plástico, Ator e Humorista

☼ Catanduva, SP (23/11/1944)
┼ Catanduva, SP (09/06/2017)

João Antônio Elias de Oliveira, mais conhecido como João Ellyas, foi um escritor e humorista brasileiro, nascido em Catanduva, SP, em 1925.

João Ellyas começou a carreira como humorista numa rádio em Catanduva nos anos 50. Além de humorista, ele também era pintor e escreveu 7 livros.

Seu personagem mais conhecido era o Salim Muchiba, o qual interpretou em programas como a "Escolinha do Professor Raimundo" e "Escolinha do Barulho". Na "Escolinha do Gugu", interpretou o caipira Zé Bento.

Como humorista, começou a carreira no Rádio Difusora em 1958. Um ano depois, participou do III Salão de Pinturas de Catanduva.

Aos 20 anos, foi levado por Adoniran Barbosa para a TV Record, onde interpretou o personagem Zé Vitrola no programa "Papai Sabe Nada".

Como escritor, lançou sua primeira obra em 1966, contendo 40 páginas e 16 poemas.

Em 2013 foi homenageado pela Câmara Municipal de Catanduva pelo Dia do Comediante. No mesmo ano, lançou o livro "Tonico e Jesuíno - Casos de Um, Piadas do Outro".

Morte

João Antônio Elias de Oliveira faleceu na noite de sexta-feira, 09/06/2007, aos 72 anos, em Catanduva, SP. Segundo a família, ele estava internado há 3 meses no Hospital Padre Albino, onde teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) durante uma cirurgia vascular de carótidas. Ele se recuperava no quarto, quando o quadro de saúde piorou e ele precisou voltar para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

O corpo de João Ellyas foi velado durante o sábado, 10/06/2017, no Cemitério do Jardim Monsenhor Albino, em Catanduva, SP, e seguiu para o Cemitério Nossa Senhora de Fátima, por volta das 15h40, onde ocorreu o sepultamento às 16h00.

João Ellyas foi casado por 46 anos e deixou três filhos e três netos.

Livros Publicados
  • Iniciação
  • O Colecionador de Palavras - Poemas, Prosas & Ironias
  • 5 Conto de Reis e 55 Reais de Troco
  • Versos Satíricos e Outras Rimas de Humor
  • 45 Dias
  • Casos de Tonico Bento - Verdadeiros ou Quase
  • Tonico e Jesuíno - Casos de Um, Piadas do Outro

Fonte: Wikipédia e G1

Ricardo Câmara

RICARDO CÂMARA DA SILVA
(37 anos)
Ator, Escritor e Modelo

☼ Rio de Janeiro, RJ (12/10/1963)
┼ Rio de Janeiro, RJ (28/04/2001)

Ricardo Câmara da Silva, conhecido como Ricardo Câmara, foi um ator, escritor e modelo brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dias 12/10/1963.

Ricardo Câmara começou a carreira em 1984 quando ganhou o 1º Concurso Garoto de Ipanema. Bonito e com porte atlético, Ricardo Câmara desfilou durante 3 anos nas passarelas de New York, onde trabalhou com Pierre Cardin e Paco Rabanne.

No final da década de 80, dedicou-se a carreira de ator e estudou na Escola de Teatro Dirceu de Matos, lugar de onde também saiu seu grande amigo, o ator Nelson Freitas.

A grande chance de Ricardo Câmara surgiu em 1990, quando interpretou o Dom Juan Serginho na novela "Barriga de Aluguel", de Glória Perez.

Sem ter novas boas chances na televisão, Ricardo Câmara se tornou escritor e dentre seus livros mais conhecidos estão "Janela da Vida", "Amor Espanhol" e "Passo X Realidade". Este último foi uma autobiografia.

Em depressão profunda por não conseguir voltar à televisão, Ricardo Câmara suicidou-se no dia 28/04/2001, com um tiro na boca em seu apartamento no Rio de Janeiro.

Fonte: Wikipédia

Victor Siaulys

VICTOR SIAULYS
(72 anos)
Empresário, Advogado, Conferencista e Escritor

☼ São Paulo, SP (30/05/1936)
┼ São Paulo, SP (19/03/2009)

Victor Siaulys foi um empresário brasileiro nascido em São Paulo, SP, no dia 30/05/1936.

Filho de imigrantes lituanos, Victor Siaulys cresceu na capital paulista e começou a trabalhar ainda jovem ajudando seu pai no dia-a-dia da feira.

Estudando à noite, passou a trabalhar em um banco, depois em uma emissora de rádio até ser contratado como propagandista na Winthrop. Em seguida, foi para a Squibb, onde conheceu seus futuros sócios, Adalmiro Dellape Baptista e Antonio Gilberto Depieri. Nessa época, iniciou o curso de Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo mas destacou-se trabalhando como propagandista em empresas farmacêuticas. Mudou-se para o laboratório Sintofarma, onde começou sua experiência com desenvolvimento de produtos.

Em 1965, criou com Adalmiro Dellape BaptistaAntonio Gilberto Depieri e Raphael Dellape Baptista, a Prodoctor, para comercializar os produtos da Sintofarma.

Em 1966, compraram juntos um pequeno laboratório chamado Aché. Na divisão de funções, assumiu o desenvolvimento e marketing dos produtos.

Em 1978, nasceu sua terceira filha, Lara, com deficiência visual.

No Aché, Victor Siaulys, passou comandar a área de Recursos Humanos e investir nas ações de Responsabilidade Social. Como presidente do Conselho de Administração do Aché, vislumbrava novos negócios para a empresa, com destaque para os medicamentos fitoterápicos.

Sob sua liderança, a Aché Laboratórios, de capital 100% nacional, tornou-se um dos maiores laboratórios do país.

Em homenagem à filha que nasceu cega, criou junto com a esposa Mara em 1991 a entidade filantrópica Laramara - Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual, de apoio a inclusão educacional e social da pessoa com deficiência visual.

Victor Siaulys foi conselheiro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) e escreveu o livro "Mercenário ou Missionário", pela editora da Laramara.

Morte

Em 2006, Victor Siaulys descobriu uma leucemia, seu quarto câncer. Os anteriores foram de tireoide, pele e próstata. Em 2008, passou por um transplante de medula.

Victor Siaulys faleceu às 19h30 de quinta-feira, 19/03/2009, no Hospital Albert Einsten, em São Paulo, SP, onde estava internado há 30 dias, lutando contra seu quarto câncer, aos 73 anos,  vítima de complicações causadas por um transplante de medula.

A luta de Victor Siaulys contra o câncer era pública. Em uma de suas internações ele escreveu uma mensagem, que foi enviada aos amigos mais próximos e acabou se tornando um viral, ficando conhecida via internet.

O corpo foi velado no Hospital Albert Einstein. O cortejo rumo ao Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, saiu às 15h00, onde ocorreu uma cerimônia de corpo presente celebrada pelo amigo e mentor Frei Beto e logo em seguida o corpo foi cremado.

Nina Arueira

MARIA DA CONCEIÇÃO ROCHA E SILVA
(19 anos)
Escritora, Jornalista, Poetisa e Militante da UJC

☼ Campos dos Goytacazes, RJ, (07/01/1916)
┼ Rio de Janeiro, RJ (18/03/1935)

Maria da Conceição Rocha e Silva, melhor conhecida como Nina Arueira, foi uma escritora, jornalista, líder sindical e poetisa brasileira, nascida em Campos dos Goytacazes, RJ, numa casa não mais existente, na Avenida Alberto Torres, no dia 07/01/1916.

Fez seu curso primário e normal (incompleto) em sua cidade natal. Desde os primeiros anos da juventude, militou na imprensa de Campos e do Estado do Espírito Santo.

O nome Nina Arueira é fruto de um pseudônimo, porque o nome de batismo era Maria da Conceição Rocha e Silva. De seu apelido na intimidade, que era Pequenina, e do sobrenome do pai, Arueira, formou um nome muito forte e que viria a ser conhecido em muitos lugares fora de Campos.

Filha de Lino Arueira e de Maria Magdalena Rocha e Silva, desde a infância demonstrou qualidades invulgares. A sua avó chamava-a de Pequenina, e os familiares apenas de Nina, pseudônimo que viria a adotar na adolescência.

Aos 5 anos de idade já teria lido um livro de Victor Hugo e ditava pequenas poesias que o seu pai anotava e que, mais tarde, seriam selecionadas e publicadas no periódico "Rindo", sob o pseudônimo de Princesa de Vera Cruz.


No dia 15/07/1924, então com 8 anos de idade, foi escolhida para, numa grande comemoração cívica municipal, receber o primeiro bispo da cidade de Campos dos Goytacazes, Dom Henrique César Fernandes Mourão.

Em 1928, então com 12 anos de idade, perdeu o pai, passando a auxiliar a mãe no pequeno comércio da família. Este é um momento de grande amadurecimento da jovem e as observações que ali faz acerca da sociedade, das relações trabalhistas e da hipocrisia reinante na mesma, se refletirão nos seus futuros texto e poesias.

Aos 15 anos, ingressou no Liceu de Humanidades de Campos, onde a sua fama de articulista e crítica se difundiu. Realizou conferências no teatro da cidade, nas quais criticou instituições como a Igreja Católica, o capitalismo e outras. É deste período o seu manifesto "À Mocidade de Minha Terra". Por suas ideias, enfrentou críticas e perseguições por parte de outros jornalistas e pessoas da cidade.

Ainda no Liceu, conheceu Clóvis Tavares e Adão Pereira com os quais fundou um jornal estudantil. O grupo foi o responsável por apresentar à sociedade campista o Modernismo.

Nina abandonou o Liceu por estar insatisfeita com a metodologia educacional ali utilizada.

Foi membro da Loja Leadbeater da Sociedade Teosófica no Brasil, cujo presidente era o venerando Srº Virgílio Paula, posteriormente, durante muitos anos, Presidente da Escola Jesus Cristo. Seu diploma de membro da Sociedade Teosófica se encontra no Museu de Ciro (Exposição Espírita Permanente), da Escola Jesus-Cristo.

A Militância na União da Juventude Comunista (UJC)

Nos dias difíceis no início da década de 1930 no Brasil, e em meio às preocupações familiares, filiou-se à União da Juventude Comunista (UJC), juntamente com seus dois amigos do jornal estudantil. Iniciou-se para a jovem um período de lutas: cansado dos debates escritos, vai para a porta das fábricas, onde organiza comícios e funda sindicatos.

Ainda neste período, passou a frequentar a Sociedade Teosófica como que a buscar a religiosidade que lhe faltava no movimento do operariado, e apaixona-se por Clóvis Tavares, o companheiro de todos os momentos.

Em 01/05/1934, durante o grande comício na Praça do Santíssimo Salvador em Campos, o casal foi convidado a discursar para os trabalhadores. Durante a fala de Clóvis Tavares, alguém na multidão ateou fogo à bandeira nacional, fato encarado pela polícia presente como uma afronta ao Governo. Na repressão resultante, Clóvis Tavares foi detido e Nina escapou.

Durante o período em que Clóvis Tavares ficou detido, continuaram a se corresponder, mas Nina afastou-se da militância política e começou a dedicar-se a questões transcendentais. Neste período, foi de grande valia a amizade de Virgílio de Paula, que Nina chamava carinhosamente de "Vovô Virgílio".

Profundamente deprimida, a jovem contraiu tifo, transferindo-se para a residência de Virgílio de Paula, para melhor ser cuidada. Aqui continuou a escrever e debater com uma lucidez que espantava os poucos que tinha a coragem de ir visitá-la, vindo a falecer aos 19 anos, no Rio de Janeiro, RJ, no dia 18/03/1935.

O Espírito Nina

Profundamente abalado pela morte da noiva, Clóvis Tavares recebeu a notícia que o espírito de Nina havia se comunicado numa sociedade espírita. Esse fato deu novo alento à vida de Clóvis que, a partir de então, tornou-se adepto da doutrina espírita e, pouco depois, em outubro de 1935, fundou um educandário inspirado numa escola do plano espiritual fundada pelo espírito Nina.

Entre os médiuns que psicografaram as mensagens do espírito Nina, que nortearão os trabalhos de Clóvis Tavares, destaca-se Francisco Cândido Xavier. Desde então foram fundadas casas espíritas e grupos assistenciais com o nome de Nina Arueira.

Mais recentemente, o espírito Nina, pela psicografia de Alceu da Costa Filho, ditou o romance espírita "O Diário de Sofia".

A Memória de Nina Arueira e Clóvis Tavares No Cinema

A vida de dois nomes muito conhecidos no Movimento Espírita, Clóvis Tavares e Nina Arueira, foi a inspiração para o documentarista Oceano Vieira de Melo fazer seu novo filme. O longa "Luz na Escola" foi exibido no dia 24/11/2015 em duas salas do circuito Kinoplex na cidade de Campos dos Goytacazes, RJ, cidade natal dos personagens, em comemoração ao centenário de Clóvis Tavares e aos 80 anos da Escola Jesus Cristo.

Reconhecido pelo movimento espírita e autor de mais de dez livros, dentre eles "Amor e Sabedoria de Emmanuel", "Histórias Que Jesus Contou" e "Trinta Anos Com Chico Xavier"Clóvis Tavares ganha cena no filme quando, ainda jovem estudante, se identifica com os ideais comunistas na cidade onde nascera.

Nina Arueira é sua companheira de sala, no Liceu de Humanidades de Campos, nos anos 30, e igualmente levada pelos ideais, ajuda a fundar as bases para a Juventude Comunista, provocando na cidade acirrados debates em favor dos menos favorecidos. Neste mesmo tempo, os dois se apaixonam, iniciam o namoro e passam a ser os principais líderes da doutrina de Lênin na região.

Enquanto Clóvis aprimora seu discurso materialista e ambos começam a sofrer com as perseguições, Nina conhece um dos admiradores dos seus artigos publicados, Srº Virgílio de Paula, o estudioso de teosofia e do espiritismo e fundador do Grupo Espírita João Baptista, na cidade. Por seu intermédio e também dos livros espíritas, Nina se identifica com o Evangelho e fica maravilhada com a visão de Jesus todo justiça, amor e caridade, explicado à luz do espiritismo.

Mas faltando apenas dois meses para seu casamento com Clóvis, Nina adoece e vem a desencarnar com tifo, deixando o noivo desolado, mas que não demora a receber mensagens da própria noiva, em espírito, orientando-o para que ele se dedicasse à educação com o Evangelho.

Consolado pelas mensagens e pela doutrina, Clóvis começa um trabalho junto às crianças e funda o que chama Escola Infantil Jesus Cristo, nominada depois Escola Jesus Cristo, dado que os adultos também se afeiçoaram ao trabalho.

Todo o preparo do jovem espírita, que se mudara para estudar no Rio de Janeiro e lá tivera contato com intelectuais e escritores na Federação Epírita Brasileira (FEB) - Guillon Ribeiro, Manoel Quintão, Carlos Imbassahy, Leopoldo Machado - é resgatado pelo produtor Oceano Vieira de Melo, ao retratar a vida de Clóvis Tavares.

Pela amizade de mais de 50 anos do professor Clóvis Tavares com o médium Chico Xavier, quem chegava a ir duas vezes por ano visitar, muitas passagens entre os dois também são lembradas no documentário.

Em 1939, quatro anos depois da desencarnação da noiva, Clóvis Tavares faz sua primeira visita ao médium e recebe de Nina sua segunda mensagem, onde ela cita um fato de conhecimento apenas dos dois: antes de desencarnar, Nina havia escrito um pequeno romance espiritualista, "Yanur", dedicado ao noivo que, materialista, guardara em segredo.

A mocidade espírita de Campos visitava famílias necessitadas da Escola Jesus Cristo e numa dessas visitas, uma criança recém-nascida abandonada foi resgatada e acolhida, mas apesar de Clóvis ter providenciado todos os cuidados, ela veio a desencarnar.

Em uma de suas habituais viagens a Pedro Leopoldo para encontrar-se com Chico XavierClóvis obteve do médium a informação de que o visitava um espírito de muita luz, chamado Elzinha França, o nome dado à criança acolhida. Clóvis contou ao médium quem era a menina e Chico Xavier logo complementou que ela era uma das professoras que integravam a equipe espiritual de serviço na Escola Jesus Cristo.

Clóvis Tavares vem a se casar apenas 20 anos depois da desencarnação de Nina, com Hilda Mussa, que passou a ser também a sua fiel colaboradora nos trabalhos da Escola Jesus Cristo.

São essas e tantas outras histórias, como a revelação de Chico Xavier sobre a reencarnação de Santos Dumont naquele núcleo familiar, ajudam a compor o importante registro cinematográfico "Luz da Escola", que além de entreter o público, certamente guardará a memória daqueles que fizeram a diferença na história do espiritismo no Brasil.

Vida Alves

VIDA AMÉLIA GUEDES ALVES
(88 anos)
Atriz e Escritora

☼ Itanhandu, MG (15/04/1928)
┼ São Paulo, SP (03/01/2017)

Vida Amélia Guedes Alves foi uma atriz e escritora brasileira, pioneira da televisão, nascida em Itanhandu, MG, no dia 15/04/1928. Avó da cantora e compositora Tiê, e tia do cineasta Lael Rodrigues.

Atriz de rádio e TV, apresentou durante a década de 1970, juntamente com Carlos Lemos, o programa "Jogo do Som", transmitido por inúmeras emissoras em todo o país, onde mostravam fatos curiosos e realizavam esquetes de atuação, sempre diferenciadas a cada programa.

Em 1951 marcou a história da televisão brasileira ao protagonizar junto com o ator Walter Forster o primeiro beijo em uma telenovela, em "Sua Vida Me Pertence", que na época era transmitida ao vivo pela Rede Tupi.


Vida Alves explicou durante entrevista, no ano de 2013, que não havia nenhuma referência de como reproduzir um beijo técnico, sendo que cena foi realizada sem ensaio: 

"Walter Forster era o diretor artístico, de certa forma meu chefe. Ele explicou ao meu marido, numa visita à minha casa, como seria. Absolutamente marcado. Tal postura, tal olhar, a boca ligeiramente aberta, me aproximo e fico uns segundinhos. Assim foi feito, sem ensaio, tudo ao vivo. Foi esteticamente bonito, romântico e simples."
"O fotógrafo da época foi um pouco censor, não fez fotografia, alegando que não iriam publicar. Não havia videotape, não havia foto. Ficou apenas para quem assistiu e nós, os atores."
(Vida Alves)

As produções eram transmitidas ao vivo, uma vez que ainda não existia vídeo-tape para gravação na época, sendo que apenas um fotógrafo registrava as cenas dos bastidores. No entanto, o fotógrafo da emissora se recusou a registrar o beijo, alegando que nenhum jornal publicaria o feito por ser escandaloso demais para a época, não tendo nenhum registro do feito.

Vida Alves e Walter Forster na novela "Sua Vida Me Pertence" (1951). Eles protagonizaram o primeiro beijo da TV brasileira.
Em 1963 também realizou o primeiro beijo homossexual da televisão brasileira com Geórgia Gomide em um dos episódios do programa "TV de Vanguarda", intitulado "Calúnia", na Rede Tupi. Na história, Vida AlvesGeórgia Gomide interpretavam diretoras de um internato para meninas que eram caluniadas por uma estudante rebelde, dizendo que as duas eram amantes, o que levou os pais a tirarem as filhas do colégio sucessivamente, levando-o a fechar as portas. Falidas, as duas acabam descobrindo que realmente se amavam e se beijando no final da história.

Em entrevista no ano de 2011, Vida Alves contou que não houve qualquer tipo de discriminação por parte do público:

"A cena foi comentada, mas não senti qualquer sentimento agressivo das pessoas em relação a mim. Tenho certeza que me julgaram, mas não me atacaram."

Na época, apesar de não existir vídeo-tape ainda, a cena foi fotografada, porém acabou se perdendo após o fechamento da emissora. Apenas em 24/05/2016, durante o programa "Okay Pessoal!", Vida Alves revelou que havia encontrado uma foto da ocasião, mostrando-a pela primeira vez após 53 anos do acontecimento.


Em 1995 se tornou membro da Associação dos Pioneiros, Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira e presidente do Museu da TV, com o objetivo de preservar a memória dos pioneiros da televisão brasileira, buscando filmagens e arquivos das produções mais antigas realizadas no país para serem restauradas e compartilhadas com a posteridade.

Em 2004 Vida Alves foi homenageada na minissérie "Um Só Coração", que se passava na década de 1940, ano em que começou sua carreira, sendo interpretada na obra pela atriz Isabel Guerón.

Em 2013 a editora Imprensa Oficial lançou sua biografia autorizada, "Vida Alves: Sem Medo de Viver", de autoria do escritor e dramaturgo Nelson Natalino, membro da Academia Guarulhense de Letras.

Em 2014 Vida Alves lançou o livro "Televisão Brasileira: O Primeiro Beijo e Outras Curiosidades", contando não só das cenas citadas, mas também dos primórdios da televisão brasileira e como eram produzidas as primeiras novelas.

Morte

Vida Alves morreu às 22h00 de terça-feira, 03/01/2017, aos 88 anos. Ela estava internada no Hospital Sancta Maggiore, em São Paulo, desde 28/12/2016. A causa da morte foi falência múltipla dos órgãos.

A saúde de Vida Alves se complicou há um ano, quando se submeteu a uma cirurgia, mas o problema persistiu.

O velório começou às 8h00 de quarta-feira, 04/01/2017, no Cemitério do Araçá , na região central de São Paulo. O enterro ocorreu  às 16h40, no mesmo local.

Tony Ramos e Vida Alves posam em evento de lançamento da programação da TV Globo em março de 2013.
Carreira

Televisão
  • 1951 - Sua Vida Me Pertence ... Elisabeth
  • 1952 - Uma Semana de Vida
  • 1954 - O Destino Desce de Elevador
  • 1954 - As Aventuras de Red Ringo
  • 1955 - A Mão de Deus
  • 1956 - O Pimpinela Escarlate
  • 1957 - Os Três Mosqueteiros ... Milady
  • 1957 - TV de Vanguarda ... Helena (Os 39 Degraus)
  • 1958 - TV de Vanguarda ... Lúcia (O Aventureiro)
  • 1958 - TV de Vanguarda ... Emily (Cartas Venenosas)
  • 1958 - TV de Vanguarda ... Eugenia Grandet (Eugenia Grandet)
  • 1959 - TV de Vanguarda ... Cláudia (O Delator)
  • 1963 - TV de Vanguarda ... Magda (Calúnia)
  • 1958 - TV de Comédia ... Catarina (Inimigos Íntimos)
  • 1958 - TV de Comédia ... Chica Boa (Chica Boa)
  • 1958 - TV de Comédia ... Laura (O Marido da Deputada)
  • 1958 - TV de Comédia ... Margarida (O Outro André)
  • 1959 - TV de Comédia ... Suely (Bombonzinho)
  • 1959 - Fim de Semana no Campo
  • 1962 - A Estranha Clementine
  • 1963 - Terror nas Trevas
  • 1963 - Klauss, o Loiro
  • 1963 - Moulin Rouge, a Vida de Toulouse-Lautrec ... Agostina
  • 1964 - A Gata ... Paula
  • 1965 - O Mestiço ... Gabriela
  • 1965 - A Outra ... Ofélia
  • 1966 - O Amor Tem Cara de Mulher ... Laura
  • 1967 - O Pequeno Lord ... Gabriela
  • 1967 - Meu Filho, Minha Vida ... Catherine
  • 1968 - O Rouxinol da Galileia
  • 1968 - Sozinho no Mundo ... Silvana
  • 1969 - Os Estranhos ... Irene
  • 1969 - Dez Vidas
  • 2004 - Um Só Coração ... Ela Mesma (Segunda Fase)

Filmes
  • 1940 - Quase no Céu
  • 1954 - Paixão Tempestuosa ... Patrícia
  • 1973 - A Pequena Órfã ... Elza

Rádio
  • 1970 a 1975 - Jogo do Som ... Apresentadora / Vários personagens

Fonte: Wikipédia e G1
Indicação: Miguel Sampaio