Mostrando postagens com marcador Ator. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ator. Mostrar todas as postagens

Paulo Silvino

PAULO RICARDO CAMPOS SILVINO
(78 anos)
Ator, Humorista, Compositor e Cantor

☼ Rio de Janeiro, RJ (27/07/1939)
┼ Rio de Janeiro, RJ (17/08/2017)

Paulo Ricardo Campos Silvino, mais conhecido por Paulo Silvino, foi um ator, humorista e compositor brasileiro, nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 27/07/1939.

Filho de Silvino Netto e Naja Silvino, não tardou a despontar para a carreira artística. Com 20 anos, ao lado de nomes como Altamiro Carrilho, Durval Ferreira e Eumir Deodato, lançou o LP "Nova Geração Em Ritmo de Samba", compondo e interpretando com sua voz abaritonada a maioria das canções, ainda sob o nome de Silvino Júnior.

Durante as décadas de 1960 e 1970, ampliou sua produção musical e teatral, escrevendo e atuando em peças e filmes. Passou pelas extintas TV Tupi, TV Continental, TV Rio e TV Excelsior.

Paulo Silvino estreou na TV Globo em 1967, em "TV Ó - Canal Zero" e ganhou dois prêmios como o melhor comediante de televisão do ano. Desde então, apresentou e foi destaque em diversos programas de humor da TV Globo: "Faça Humor, Não Faça Guerra", "Satiricom", "Planeta dos Homens", "Balança Mas Não Cai", "Viva o Gordo" e "Brasil Pandeiro".

Em 1988, Paulo Silvino comandou inúmeras vezes o "Cassino do Chacrinha", substituindo o Velho Guerreiro, Chacrinha.

Paulo Silvino no programa "Satiricom", 1974
Paulo Silvino esteve no SBT de 1989 a 1992, onde atuou em "A Praça é Nossa" e na "Escolinha do Golias", ao lado de Ronald Golias.

Participou da "Escolinha do Professor Raimundo", entre 1993 e 1995, na TV Globo, e da "Escolinha do Barulho" (1999), na TV Record.

De volta à TV Globo, participou do programa "Zorra Total", onde já fez muitos personagens, mas atualmente interpretava o mulherengo Alceu.

O humor de Paulo Silvino é fortemente baseado em bordões e piadas de duplo sentido. É, portanto, típico daquele que fez escola nos programas no qual atuou nos anos 60 e 70. São memoráveis o bordão do policial Fonseca, em quadro no qual contracenava com Jô Soares ("Guenta, doutor, ele gueeeeenta!"), e, do porteiro Severino ("Isso é uma tremenda bichona, seu diretor!" e "Cara, crachá! Cara, crachá!").

Paulo Silvino sempre buscou a piada simples, mas de gosto popular, ao criar seus tipos, popularizando assim os bordões de seus personagens.

No cinema, participou de "Um Edifício Chamado 200" (1973), "Com a Cama na Cabeça" (1973), "O Rei da Pilantragem" (1968), "Minha Sogra é da Policia" (1958) e "Sherlock de Araque" (1957).

Paulo Silvino é pai de três filhos: Flávio Silvino, João Paulo Silvino e Isabela Silvino.


Após gravar seu primeiro LP e atuar em algumas novelas da TV Globo, Flávio Silvino teve sua carreira parcialmente interrompida em 02/11/1993 ao sofrer um grave acidente de carro que lhe causou danos cerebrais ao deixá-lo em coma durante 3 meses e meio.

Paulo Silvino fazia parte do elenco de "Zorra Total" com seu personagem Severino, que participava do Strip Trem Quiz, e o Senador ("Eu quero é mamar!"). Com a mudança no "Zorra Total", Paulo Silvino integrou o novo elenco do programa que tem pelo nome de "Zorra" apenas. Em 2017 deixou o programa.

Paulo Silvino descobriu em julho de 2016 que tinha um endocarcinoma, câncer de estomago. Foi operado com sucesso total pelo cirurgião oncologista Drº Leonaldson Castro e, desde o início de setembro de 2016, fazia sessões de quimioterapia para a remissão da enfermidade.
"Só faltam quatro sessões e Paulo Silvino está ótimo! A intenção é voltar logo para a telinha mas antes disso estaria lançando, em março de 2017, seu livro-vídeo 'As Aventuras do Papaceta'"
"Quero morrer na ativa, trabalhando na minha querida TV Globo", contou certa vez. Paulo Silvino esteve na emissora desde 1966. Nesses 50 anos de casa, participou de diversos programas humorísticos, apresentou-se no programa de auditório "Porque Hoje é Sábado", foi redator do "Domingão do Faustão" e chegou a narrar uma novela, "O Pulo do Gato" (1978).

Morte

Paulo Silvino morreu na manhã de quinta-feira, 17/08/2017, aos 78 anos, no Rio de Janeiro, vítima de um câncer no estômago. Segundo a Central Globo de Comunicação, o humorista morreu em casa, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, no início da manhã.

Em redes sociais, o filho mais novo do ator, João Paulo Silvino, lamentou a morte do pai:
"Que Deus te receba de braços abertos meu pai amado!"
Segundo a família, Paulo Silvino chegou a ser submetido a uma cirurgia em 2016, mas o câncer se espalhou e a opção da família foi que ele fizesse o tratamento em casa. A filha de Paulo Silvino, Isabela Silvino, também usou as redes sociais para falar sobre a morte do pai:
"Amigos, obrigada por todas as mensagens. Ainda estou naquele processar isso tudo. Mas posso dizer que ele foi bem. Sem sofrer!"

Fonte: Wikipédia e G1

Luiz Melodia

LUIZ CARLOS DOS SANTOS
(66 anos)
Cantor, Compositor e Ator

☼ Rio de Janeiro, RJ (07/01/1951)
┼ Rio de Janeiro, RJ (04/08/2017)

Luiz Carlos dos Santos, mais conhecido como Luiz Melodia, foi um ator, cantor e compositor brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dia 07/01/1951. Era filho do sambista e compositor Oswaldo Melodia, de quem herdou o nome artístico.

Luiz Melodia nasceu no Morro do Estácio, bairro da cidade do Rio de Janeiro. Filho de Oswaldo e Eurídice, descobriu a música ao ver o pai tocando em casa:
"Fui pegando a viola dele, tirando uns acordes, observando. Ele não deixava eu pegar a viola de 4 cordas que era uma relíquia, muito bonita, onde eu aprendi a tocar umas coisas!"
Apesar da precoce afinidade com a música, Luiz Melodia acabou contrariando seu pai, que sonhava vê-lo um "doutor" formado:
"Ele não apoiava, não adiantou coisíssima alguma, até porque as coisas foram acontecendo. Depois ele veio a curtir para caramba, quando ele faleceu, perdi um grande fã!"
Luiz Melodia começou sua carreira musical em 1963 com o cantor Mizinho, ao mesmo tempo em que trabalhava como tipógrafo, vendedor, caixeiro e músico em bares noturnos.

Em 1964 formou o conjunto musical Os Instantâneos, com Manoel, Nazareno e Mizinho.

Depois de abandonar o ginásio Luiz Melodia  passou a adolescência compondo e tocando sucessos da Jovem Guarda e bossa nova, com o grupo Instantâneos formado com amigos. Essa experiência, juntamente com a atmosfera em que vivia, do tradicional samba dos morros cariocas, resultaram em uma mescla de influências que renderam a Luiz Melodia um estilo único. Logo acabou por chamar atenção de um assíduo frequentador do Morro do Estácio, o poeta Waly Salomão e de Torquato Neto.


Através de Waly Salomão, Gal Costa acabou conhecendo um de seus compositores prediletos, resultando na gravação de "Pérola Negra" no disco "Gal a Todo Vapor" (1972). Pouco depois era vez de "Estácio, Holly Estácio", ganhar sua interpretação na voz de Maria Bethânia. Foi nesta época que o artista assumiu então o nome de Luiz Melodia, apropriando o sobrenome artístico de seu pai Oswaldo, e lançou no ano seguinte , 1973, seu primeiro e antológico disco "Pérola Negra".

Sua postura porém, mantinha a mesma irreverência e inquietude, do garoto que tocava Iê-Iê-Iê nos berços de samba carioca, que lhe rendeu um estilo musical inconfundível, assim como críticas que o consideravam um artista "maldito", ao lado de nomes como Fagner e João Bosco, por exemplo.
"Não éramos pessoas que obedeciam. Burlávamos, pode-se dizer assim, todas as ordens da casa, da gravadora. Rompíamos com situações que não nos convinham. Sempre acreditei naquilo que fiz e faço!"
(Luiz Melodia)

Sua carreira acabou por consolidar-se no disco seguinte, "Maravilhas Contemporâneas" (1976), popularizado pela canção "Mico de Circo", que seria gravado em seu retorno ao Rio de Janeiro.

Nas décadas seguintes, Luiz Melodia lançou diversos álbuns e realizou shows, inclusive internacionais.

Em 1987 apresentou-se em Chateauvallon, na França e em Berna, Suíça, além de participar em 1992 do III Festival de Música de Folcalquier, na França, e em 2004 do Festival de Jazz de Montreux à beira do lago Lemán, onde se apresentou no auditório Stravinski, palco principal do festival.

Já conhecido do público e tendo alcançado seu espaço no cenário da Música Popular Brasileira, Luiz Melodia lançou "Nós" (1980), incluindo "Codinome Beija-Flor".

No disco seguinte, "Relíquias" (1985), fez uma releitura com novos arranjos para sucessos como "Ébano" "Subanormal".

No registro intimista intenso de "Acústico - Ao Vivo" (1999), em que Luiz Melodia passeia novamente por sua obra, agora através da espontaneidade de um disco gravado ao vivo durante sua turnê nacional, considerado sucesso de público e crítica.

Década de 70

Em 1972, sua música "Pérola Negra" foi gravada por Gal Costa no LP "Gal a Todo Vapor", através dos poetas-compositores Waly Salomão e de Torquato Neto, que o ouviram no bairro carioca do Estácio, onde morava o compositor. Nesse mesmo ano, Maria Bethânia gravou sua composição "Estácio, Holly Estácio"

Em 1973, lançou o primeiro LP, "Pérola Negra", registrando suas composições "Magrelinha", "Estácio, Holly Estácio", "Vale Quanto Pesa""Farrapo Humano", entre outras.

Dois anos depois, em 1975, foi finalista do Festival Abertura, da TV Globo, com a música "Ébano".

Em 1976 sua música "Juventude Transviada" foi incluída na trilha sonora da novela "Pecado Capital" da TV Globo e gravada no seu LP "Maravilhas Contemporâneas".

Ainda nos anos 1970, quando começou a ser mais conhecido, participou do Projeto Pixinguinha, dividindo o palco com Zezé Motta.

No ano de 1978 gravou o LP "Mico de Circo".

Décadas de 80 e 90

Na década de 80 lançou os LPs "Nós" (1980), "Felino" (1983), "Claro" (1985) e "Pintando o Sete" (1989). Este último incluiu um de seus maiores sucessos, "Codinome Beija-Flor" (Cazuza, Ezequiel Neves e Reinaldo Arias.

Em 1991, gravou "Codinome Beija-Flor" para a trilha sonora de "O Dono do Mundo", novela da TV Globo.

No ano de 1995 lançou o CD "Relíquias", e fez participação especial no CD "Guitarra Brasileira", de Renato Piau, no qual interpretou "Me Beija" (Luiz Melodia, Renato Piau e Tureko). No disco também interpretou "Fadas" (Luiz Melodia).

Em 1997 lançou o CD "14 Quilates".

Em 1998, participou do disco-homenagem "Balaio do Sampaio", de Sérgio Sampaio, produzido por Sérgio Natureza, no qual interpretou a faixa "Cruel" (Sérgio Sampaio).

Em 1999, lançou "Luiz Melodia: Acústico, Ao Vivo", gravado no Teatro Rival, no Rio de Janeiro, com a participação de Renato Piau (violão de aço e náilon) e Perinho Santana (violão de náilon e guitarra). Interpretou também músicas de outros compositores, como Zé Kéti e Hortêncio Rocha na faixa "Diz Que Fui Por Aí".

2000 - 2006

No ano 2000 realizou o mesmo show no Garden Hall, no Rio de Janeiro.

Em 2001, lançou o CD "Retrato do Artista Quando Coisa", com arranjos de cordas e sopros. O disco, produzido pelo guitarrista Perinho Santana, com arranjos sofisticados de sopros e cordas na maioria das faixas, contou com a participação de Ricardo Silveira (guitarra) e Luiz Alves (baixo acústico). No repertório incluiu suas composições "Feeling da Música" (Luiz Melodia, Ricardo Augusto e Hyldon), "Gotas de Saudade" (Luiz Melodia e Perinho Santana), "Lorena" (Luiz Melodia, Renato Piau e Mahal), que contou com a participação de seu filho Mahal, "Brinde" (Luiz Melodia e Ricardo Augusto), "Esse Filme Eu Já Vi" (Luiz Melodia e Renato Piau), "Perdido" (Luiz Melodia e Cara Feia), "Boa Atmosfera" (Luiz Melodia e Cara Feia), "Quizumba" (Luiz Melodia e Cara Feia), e a faixa-título, sobre versos de Manoel de Barros, além de "Otimismo" (Célio José e Marize Santos), "Levanta a Cabeça" (Ivan Nascimento e Osvaldo Nunes), "Sempre Comigo" (William Duba e Anísio Silva) e "Poderoso Gangster" (Guida Moira).

Lançou no ano de 2002 o CD e o DVD "Luiz Melodia Convida - Ao Vivo", gravado no Pólo Cine Vídeo, no Rio de Janeiro, com a participação de Zeca Pagodinho, Zezé Motta e Luciana Mello, entre outros artistas. O CD ganhou como faixa bônus "Presente Cotidiano", dueto com Gal Costa gravado em estúdio.

Apresentou-se, em 2005 no Parque dos Patins, no Rio de Janeiro, dentro do projeto Vivo na Lagoa. Neste mesmo ano participou do CD "Um Pouco de Mim - Sérgio Natureza e Amigos", no qual interpretou "Vela no Breu" (Paulinho da Viola e Sérgio Natureza).

Em 2006, apresentou-se no Teatro Rival BR, no Rio de Janeiro e foi capa da revista Carioquice, editada pelo Instituto Cultural Cravo Albin. Neste mesmo ano, ao lado de Eudes Fraga, Wanda Sá e Claudia Telles, participou do CD "Par ou Ímpar", de Marcelo Lessa e Paulinho Tapajós, no qual interpretou a faixa "Veludo Azul".

MTV 2008 - Estação Melodia MTV

Há sete anos, Luiz Melodia acalentava a ideia de um projeto sobre samba. Paralelo a isso, em meados de 2006, o cantor foi convidado para fazer um show especial em comemoração aos 70 anos do Teatro Rival, no Rio de Janeiro. Focado em sambas de várias épocas, o espetáculo seria o embrião, por assim dizer, do disco "Estação Melodia", cujo repertório é a base do espetáculo que originou estes CD, DVD e programa Especial MTV.

No carnaval de 2016, o repertório foi fechado e um desejo antigo começava a se delinear. Assim, cinco anos depois de seu último CD em estúdio, Luiz Melodia voltava à cena com um trabalho de interpretação, que não deixa, em última instância, de ser também de composição: a assinatura que o cantor imprime às canções é tão particular, que perpassa a nítida impressão de co-autoria.

Álbum Zerima (2014)

Em 2011 participou do quarto disco solo do titã Sérgio Britto, lançado em setembro de 2011, "Purabossanova".

Em 2013 apresentou-se no Teatro Rival, no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano, foi lançada a caixa "Três Tons de Luiz Melodia", contendo três álbuns gravados pelo cantor em três décadas diferentes: "Pérola Negra" (1973), "Felino" (1983) e "Pintando o Sete" (1991).

Em 2014 lançou em show no Teatro Rival BR, no Rio de Janeiro, o CD "Zerima", seu 13º disco solo. Há 13 anos sem um disco de inéditas, Luiz Melodia voltou ao seu típico gênero musical. O samba e outras bossas, ouvido nas 14 faixas é tão pessoal e intransferível quanto sua ótima qualidade vocal.

Cheio da classe e do suingue habituais, Luiz Melodia apresenta novas composições como "Cheia de graça" (Luiz Melodia), cujos versos "o desejo é fera que devora" dão a tônica amorosa que perpassa o trabalho. Um amor dolente com jeito de fossa, como em "Dor de Carnaval" (Luiz Melodia), que conta com a participação especial da cantora e compositora paulista Céu.

Prêmios

Em 2015 ganhou o Prêmio Música Popular Brasileira na Categoria MPB - Canção Popular - Melhor Cantor pelo disco "Zerima". Neste mesmo ano fez turnê de lançamento do CD "Zerima", por Belo Horizonte, Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, em show no Circo Voador, na Lapa, zona boêmia da cidade.

Morte

Luiz Melodia morreu na madrugada de sexta-feira, 04/08/2017, por volta das 5h00, aos 66 anos. Luiz Melodia lutava contra um câncer na medula. Ele chegou a ser submetido a um transplante. O câncer voltou e o estado de saúde do cantor se agravou bastante na última quinta-feira, 03/08/2017.

O hospital Hospital Quinta D'Or em que Luiz Melodia faleceu informou através de uma nota:
"A direção do Hospital Quinta D'Or informa que Luiz Carlos dos Santos, o cantor Luiz Melodia, faleceu na madrugada desta sexta-feira, 04/08 em decorrência do agravamento do câncer de medula óssea, que estava em tratamento no Centro de Oncologia da unidade"
O velório ocorrerá na sexta-feira, 04/08/2017, a partir das 18h00, aberto ao público, na quadra da Escola de Samba Estácio de Sá, na Cidade Nova, Zona Central do Rio de Janeiro. O sepultamento acontecerá às 10h00 de sábado, 05/08/2017, no Cemitério do Catumbi, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Luiz Melodia foi casado com a cantora, compositora e produtora Jane Reis de 1977 até sua morte, e era pai do rapper Mahal Reis.

Discografia
  • 1973 - Pérola Negra
  • 1976 - Maravilhas Contemporâneas
  • 1978 - Mico de Circo
  • 1980 - Nós
  • 1983 - Felino
  • 1987 - Decisão
  • 1988 - Claro
  • 1991 - Pintando o Sete
  • 1995 - Relíquias
  • 1997 - 14 Quilates
  • 1999 - Acústico ao Vivo
  • 2001 - Retrato do Artista Quando Coisa
  • 2003 - Luiz Melodia Convida
  • 2007 - Estação Melodia
  • 2008 - Especial MTV - Estação Melodia Ao Vivo
  • 2014 - Zerima


Fonte: Wikipédia e Veja
Indicação: Miguel Sampaio, Valmir BonvenutoJoão Veras e Neyde Veras

João Ellyas

JOÃO ANTÔNIO ELIAS DE OLIVEIRA
(72 anos)
Escritor, Artista Plástico, Ator e Humorista

☼ Catanduva, SP (23/11/1944)
┼ Catanduva, SP (09/06/2017)

João Antônio Elias de Oliveira, mais conhecido como João Ellyas, foi um escritor e humorista brasileiro, nascido em Catanduva, SP, em 1925.

João Ellyas começou a carreira como humorista numa rádio em Catanduva nos anos 50. Além de humorista, ele também era pintor e escreveu 7 livros.

Seu personagem mais conhecido era o Salim Muchiba, o qual interpretou em programas como a "Escolinha do Professor Raimundo" e "Escolinha do Barulho". Na "Escolinha do Gugu", interpretou o caipira Zé Bento.

Como humorista, começou a carreira no Rádio Difusora em 1958. Um ano depois, participou do III Salão de Pinturas de Catanduva.

Aos 20 anos, foi levado por Adoniran Barbosa para a TV Record, onde interpretou o personagem Zé Vitrola no programa "Papai Sabe Nada".

Como escritor, lançou sua primeira obra em 1966, contendo 40 páginas e 16 poemas.

Em 2013 foi homenageado pela Câmara Municipal de Catanduva pelo Dia do Comediante. No mesmo ano, lançou o livro "Tonico e Jesuíno - Casos de Um, Piadas do Outro".

Morte

João Antônio Elias de Oliveira faleceu na noite de sexta-feira, 09/06/2007, aos 72 anos, em Catanduva, SP. Segundo a família, ele estava internado há 3 meses no Hospital Padre Albino, onde teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) durante uma cirurgia vascular de carótidas. Ele se recuperava no quarto, quando o quadro de saúde piorou e ele precisou voltar para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

O corpo de João Ellyas foi velado durante o sábado, 10/06/2017, no Cemitério do Jardim Monsenhor Albino, em Catanduva, SP, e seguiu para o Cemitério Nossa Senhora de Fátima, por volta das 15h40, onde ocorreu o sepultamento às 16h00.

João Ellyas foi casado por 46 anos e deixou três filhos e três netos.

Livros Publicados
  • Iniciação
  • O Colecionador de Palavras - Poemas, Prosas & Ironias
  • 5 Conto de Reis e 55 Reais de Troco
  • Versos Satíricos e Outras Rimas de Humor
  • 45 Dias
  • Casos de Tonico Bento - Verdadeiros ou Quase
  • Tonico e Jesuíno - Casos de Um, Piadas do Outro

Fonte: Wikipédia e G1

Marcos Tumura

MARCOS AURÉLIO TUMURA
(49 anos)
Ator, Cantor, Diretor, Coreógrafo e Figurinista

☼ Curitiba, PR (09/03/1968)
┼ São Paulo, SP (18/05/2017)

Marcos Aurélio Tumura foi um ator e cantor brasileiro nascido em Curitiba, PR, no dia 09/03/1968.

Ao longo de três décadas de carreira participou de trabalhos no teatro e televisão. Marcos Tumura começou como dançarino do Teatro Guaíra fazendo teatro com as peças "Rent" e "Aí Vem o Dilúvio".

Marcos Tumura esteve muitas vezes no elenco dos musicais de Claudia Raia.

Em 2001 foi escolhido para representar em "Les Misérables" o papel principal, vencendo 200 candidatos.

Marcos Tumura fez grandes musicais como "A Bela e a Fera", "O Fantasma da Ópera", "Miss Saigon", "Cabaret", "Crazy For You" e "Raia 30".

Estava no musical "Forever Young".

Em 2007 abriu sua própria produtora, Tumura Produções, ao lado do amigo Fred Sposito.

Na televisão ficou mais conhecido como o vilão Salazar do seriado "Patrulha Salvadora".

Marcos Tumura além de ator e cantor foi diretor, coreógrafo,figurinista e mestre de cerimônias.

Morte

Marcos Tumura morreu na madrugada de quinta-feira, 18/05/2017, aos 49 anos, vítima de infarto agudo do miocárdio, em São Paulo, SP. De acordo com amigos, ele passou mal após uma partida de vôlei e foi levado para o Hospital 9 de Julho mas não resistiu e faleceu.

Claudia Raia usou as redes sociais para lamentar a perda do amigo:
"Hoje o Brasil acordou mais cinza e triste, perdemos nosso amado, meu irmão, companheiro na vida e na arte Marcus Tumura, estamos sem ar, devastados e comunicamos a família do Teatro Musical Brasileiro que o velório deste grande artista sera no Cemitério do Araçá a partir de 12:00hs e a cerimônia de cremação no Crematório da Vila Alpina as 21:00"
Claudia Raia e Marcos Tumura
Carreira

Televisão
  • 2004 - Sítio do Pica-Pau Amarelo
  • 2008 - Negócio da China ... Elenco de Apoio
  • 2010 - Ti Ti Ti ... Vicky
  • 2014 - Patrulha Salvadora ... Salazar / Faraó
  • 2016 - Sol Nascente ... Massao

Teatro
  • Rent
  • Aí Vem o Dilúvio
  • Les Misérables
  • A Bela e a Fera
  • O Fantasma da Ópera
  • Cabaret
  • Crazy For You
  • Raia 30
  • Forever Young

Cinema
  • O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes ... Verdugo (Voz)

Fonte: Wikipédia

Nelson Xavier

NELSON AGOSTINI XAVIER
(75 anos)
Ator e Diretor

☼ São Paulo, SP (30/08/1941)
┼ Uberlândia, MG (10/05/2017)

Nelson Agostini Xavier, mais conhecido por Nelson Xavier, foi um ator e diretor brasileiro. Ao longo de cinco décadas de carreira participou de trabalhos no teatro, televisão e cinema.

Nascido em São Paulo, SP, no dia 30/08/1941, Nelson Agostini Xavier tinha tudo para ser advogado. Ao menos era o que sua mãe, Carolina Agostini, dona de casa, desejava. O pai, Olavo Xavier, era pintor, mas nunca chegou a conhecê-lo.

Nelson Xavier cursou Direito, mas a paixão pelas artes, em especial pelo cinema mudo, foi mais forte e o estimulou a mudar de caminho profissional. Tudo começou com uma viagem para a Europa. Ele ganhou uma bolsa de estudos na Itália, para fazer um curso de advocacia durante três meses. Lá, foi à Roma e Florença, teve o primeiro contato com artes plásticas clássicas e renascentistas. Ele se sensibilizou ao ponto de colocar na cabeça que precisava estudar drama e deixar o Direito para trás, só tinha que encontrar uma maneira de ganhar dinheiro com isso.

Nelson Xavier em "Sol de Verão" (1982)
Entrou para a Escola de Artes Dramáticas da Universidade de São Paulo (USP) e também para o Teatro de Arena, um dos mais importantes grupos de teatro naquela época, que tinha como princípio fazer desta arte uma ferramenta de transformação social. Lá, fez amizades com expoentes do meio artístico, sendo chamado para atuar em diversas peças, como "Eles Não Usam Black-Tie" (1958), de Gianfrancesco Guarnieri, "Chapetuba Futebol Clube" (1959), de Oduvaldo Vianna Filho, "Gente Como a Gente" (1959), de Roberto Freire, e "Julgamento em Novo Sol" (1962), de Augusto Boal.
"O Teatro de Arena começou o teatro brasileiro contemporâneo. Antes de nós, era tudo muito solene, declamado. Dos novos nomes, eu me encantava com o Flavio Migliaccio, que usava o que chamamos de estilo passarinho: ele cuspia as palavras, não ficava falando com imponência. Era absolutamente revolucionário!"
A formação profissional acompanhou a formação política. Por influência dos colegas do Teatro de Arena, Nelson Xavier começou a ler os clássicos do marxismo. Nesse momento, Eduardo Coutinho, futuro cineasta, lhe arrumou emprego de revisor na revista Visão, onde passou a colaborar também como crítico de cinema e teatro. Durante um tempo, ganhou a vida como jornalista.

Nelson Xavier em "Voltei Pra Você" (1983)
Imerso em um ambiente de ebulição cultural, tornou-se também ator de cinema, apesar de ter a convicção de que isso nunca foi sua vocação. Atuar era difícil para um rapaz tímido como ele e, naquele momento, queria mesmo era estar atrás das câmeras. Até porque, câmera, segundo ele, era algo que lhe assustava profundamente.
"Eu tive muita dificuldade em começar a fazer televisão. As máquinas eram enormes, eu tinha pavor, até tremia!"
Mas não teve jeito. No dia 31/03/1964, tropas do Exército ocuparam as ruas das principais cidades do Brasil. No dia seguinte, uma Junta Militar tomou o poder. A sede da União Nacional dos Estudantes (UNE), onde Nelson Xavier realizava ensaios periódicos para estreia de uma peça, foi incendiada. O ator se sentiu perdido: seus valores entraram em conflito, principalmente diante das dificuldades impostas pela censura em se fazer teatro político.

Dessa forma, ele intensificou sua participação no cinema. Até o final dos anos 1970, foram muitos os filmes, mais de 20, como "O ABC do Amor" (1967), de Eduardo Coutinho, Rodolfo Kuhn e Helvio Soto; "Os Deuses e os Mortos" (1970), de Ruy Guerra, "É Simonal" (1970) e "A Culpa" (1972), de Domingos de Oliveira; "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1976), de Bruno Barreto; e "A Queda" (1978), também de Ruy Guerra, que lhe rendeu um Urso de Prata no Festival de Berlim.

Por influência de amigos, neste período, Nelson Xavier começou a fazer também televisão.

Nelson Xavier como Lampião e Tânia Alves como Maria Bonita na minissérie 'Lampião e Maria Bonita' (1982)
De João da Silva a Lampião

Sua primeira participação na televisão foi pequena, viveu o personagem Zorba, na novela "Sangue e Areia" (1967), de Janete Clair.

Seis anos depois, conseguiu seu primeiro grande papel, em "João da Silva" (1973). Na novela de Jairo Bezerra, produzida pela TV Rio, e exibida pela TV Cultura, TVE e TV Globo, Nelson Xavier viveu um retirante nordestino, que se muda para o Rio de Janeiro em busca de melhores condições de vida. A novela era um projeto educativo, com objetivo de dar dicas a emigrantes em uma grande cidade, que se encontravam na mesma situação do protagonista. Assuntos relacionados a ensino, emprego e moradia perpassavam a trama. Foi um sucesso. O ator passou a ser reconhecido nas ruas e adorado pelo público.

Em 1982, Nelson Xavier estava pronto para viver outro protagonista, desta vez, na primeira minissérie da TV Globo, "Lampião e Maria Bonita". Dirigida por Paulo Afonso Grisolli, a minissérie se baseou nos últimos seis meses de vida de Virgulino Ferreira da Silva, o cangaceiro mais temido do sertão, nos idos dos anos 1930. Os heróis, vividos por Nelson Xavier e Tânia Alves, foram muito bem recebidos pelo público, assim como o novo formato de dramaturgia.

A preparação para a trama foi intensa. A equipe passou um mês se locomovendo pelo interior do Nordeste para gravar as cenas externas. A ideia era mostrar lugares em que Lampião e seu bando realmente estiveram. Para dar o melhor de si, Nelson Xavier estudou a história do bandido social, que "disse 'não' ao sistema e levou este 'não' às últimas consequências". A identificação foi tão profunda que ele acredita ter vivido uma experiência quase transcendental.
"Um dia, quando estava me preparando para entrar em cena, vesti a roupa do figurino, já estava maquiado e só faltava colocar os óculos. Quando eu subi os óculos, alguma coisa me arrebatou. Eu senti que estava sendo 'cavalo' de uma possessão. Eu não sou médium, mas a impressão era essa, foi forte!"
Momento similar, só com "Chico Xavier" (2010).

Nelson Xavier em "Gabriela" (2012)
Em 1985, o ator teve a oportunidade em trabalhar novamente com Paulo Afonso Grisolli. Desta vez, na minissérie "Tenda dos Milagres", com roteiro de Aguinaldo Silva. Nesta ocasião, Nelson Xavier era o protagonista Pedro Arcanjo, que, à beira da morte, relembra aventuras, festas, amores e sua luta para manter vivas na Bahia as culturas negra e mestiça.
"Pedro Arcanjo me ensinou muito, ele era um brasileiro admirável. Fiz o trabalho com empenho, querendo acertar. A composição do personagem era mais simples. Diferente do Lampião, que era um sujeito mais posudo, o Pedro Arcanjo era frágil, mas precisava defender seus ideais com firmeza!"
A Bahia se tornou um local muito querido e, para ele, foi uma satisfação voltar ao Estado para as gravações da minissérie "O Pagador de Promessas" (1988), dirigida por Tizuka Yamasaki, com autoria de Dias Gomes. Na ocasião, Nelson Xavier interpretou o gigolô Bonitão, que tentava seduzir a mocinha Rosa, interpretada por Denise Milfont. O que o ator mais gosta de lembrar desse trabalho é, na verdade, a amizade que fez com Mário Lago, que interpretou o clérigo Dom Germano.
"O Mário e eu tínhamos uma coisa em comum: comíamos muito mocotó. Logo no início, demos uma volta perto do hotel e encontramos um restaurante simples, que preparava um bom mocotó. Fomos lá todos os dias e eu pude desfrutar bastante da amizade e companhia dele!"
Entre minisséries, Nelson Xavier também fez novelas na emissora nesse período. Interpretou, por exemplo, o ex-jagunço Zelão em "Voltei Pra Você" (1983), de Benedito Ruy Barbosa; e o delegado Joel, na trama de Ivani Ribeiro, "Hipertensão" (1986).

Nelson Xavier como monge budista em "Joia Rara" (2013)
Outros Trabalhos

Em 1989, Nelson Xavier foi convidado para trabalhar na TV Manchete, onde conheceu sua atual esposa, a atriz Via Negromonte. Na emissora concorrente, atuou em três tramas, incluindo "Kananga do Japão" (1989), de Wilson Aguiar Filho e dirigida por Tizuka Yamasaki; e "A História de Ana Raio e Zé Trovão" (1990), novela de Marcos Caruso, com direção de Jayme Monjardim.

Em 1992, Nelson Xavier voltou para a TV Globo para viver o delegado Francisco Queiroz, em "Pedra Sobre Pedra", de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares.

Em 1993, interpretou o comerciante Norberto, dono da venda onde os personagens faziam compras ou paravam para uma bebida, na novela "Renascer", de Benedito Ruy Barbosa. Ele também interpretou o Padre Bento, na segunda versão de "Irmãos Coragem" (1995), dirigida por Luiz Fernando Carvalho, quem considera um grande colega de trabalho em sua carreira.
"Ele é muito criativo, e permite que o ator crie e brinque em cima do personagem!"

Espiritualidade

Em 2001, Nelson Xavier teve a oportunidade de interpretar um mestre espiritual de uma sociedade alternativa, em Goiás. Purunam era um médico que se interessou por medicina alternativa e se tornou o principal conselheiro da protagonista Cristal (Sandy), na novela "Estrela-Guia", de Ana Maria Moretzsohn.
"Foi bonitinho viver o Purunam, principalmente porque eu acreditava no que ele pregava, mesmo sem ter ainda me tornado simpático a cultura védica, como aconteceu depois. Tinham cenas com diálogos enormes, mas não tive dificuldades, veio fácil para mim!"
Com "Chico Xavier", em 2010, o ator voltou a ter uma experiência sensível, na pele do médium mineiro, que transformou sua vida. Para Nelson Xavier, Chico Xavier desempenhou bem sua missão na Terra, como um apóstolo.
"Acredito que toda geração tem um papel a cumprir. O problema é cumprir ou trair. Eu acho que a minha geração quis mudar o Brasil e não conseguiu e é lamentável. Mas o trabalho do ator também pode mudar as pessoas, ainda que em pequena escala!"
A espiritualidade adquirida com os papéis anteriores possibilitou que interpretasse Ananda, líder espiritual budista que ajuda o mocinho Franz Hauser (Bruno Gagliasso) a sobreviver após uma avalanche no Himalaia, em "Joia Rara" (2013). A trama de Duca Rachid e Thelma Guedes se passava no Brasil e no Nepal. Os atores passaram 15 dias filmando em Katmandu. Nelson Xavier gostou da experiência:
"Eu vi muita pobreza nas ruas. Mas as pessoas são muito serenas, e o budismo proporciona isso!"
Para compor o personagem, o ator buscou incorporar essa serenidade e transmitir, em suas falas, a generosidade e o amor ao próximo.
"O verdadeiro artista cria uma linguagem própria. E, depois de tantos anos pensando que não tinha vocação para ser ator, hoje eu acho que tenho isso, consegui desenvolver essa linguagem!"
(Nelson Xavier)

Morte

Nelson Xavier faleceu na madrugada de quarta-feira, 10/05/2017, aos 75 anos, na cidade de Uberlândia, MG, vítima de insuficiência respiratória em decorrência de um câncer. Ele lutava contra a doença há 14 anos. O corpo de Nelson Xavier será levado ao Rio de Janeiro, onde deve ser cremado na quinta-feira, 11/05/2017.

Sua última aparição pública foi na exibição do longa-metragem "Comeback" durante o Festival do Rio em 2017. No drama de Erico Rassi, Nelson Xavier interpretou Amaro, um ex-pistoleiro que se refugia em uma pequena cidade de Goiás após sua aposentadoria.

Nelson Xavier deixa a mulher, a atriz Via Negromonte (Wilma Fernandes Negromonte), e quatro filhos.

Tereza Villela Xavier, filha de Nelson Xavier, usou sua página no Facebook para falar da perda do pai:
"Lamento informar a quem possa interessar que meu pai, Nelson Xavier, faleceu esta noite em Uberlândia. Seu corpo será transferido, celebrado e cremado no Rio de Janeiro em cemitério ainda não determinado. Agradeço desde já as mensagens de apoio. Ele virou um planeta! Estrela ele já era. Fez tudo que quis, do jeito que quis e da sua melhor maneira possível, sempre!"

Nelson Xavier em "O Pagador de Promessas" (1988)
Carreira

Televisão
  • 1967 - Sangue e Areia ... Zorba
  • 1973 - João da Silva ... João da Silva
  • 1982 - Lampião e Maria Bonita ... Lampião
  • 1982 - Sol de Verão ... Zito
  • 1983 - Voltei Pra Você ... Zelão
  • 1985 - Tenda dos Milagres ... Pedro Arcanjo
  • 1986 - Hipertensão ... Joel
  • 1988 - O Pagador de Promessas ... Bonitão (Minissérie)
  • 1989 - Kananga do Japão ... Caveirinha
  • 1990 - A História de Ana Raio e Zé Trovão ... Leopoldo Canjerê
  • 1990 - Fronteiras do Desconhecido ... Albano (Ep.: "A Rua do Salto")
  • 1992 - Pedra Sobre Pedra ... Delegado Queiróz
  • 1993 - Renascer ... Noberto
  • 1995 - Irmãos Coragem ... Padre Bento
  • 1996 - Salsa e Merengue ... Mestre Bento Sobral
  • 1997 - Anjo Mau ... Manuel
  • 1999 - Suave Veneno ... Fortunato Queiroz
  • 2000 - O Cravo e a Rosa ... Drº Caio
  • 2001 - As Filhas da Mãe ... Mauro das Flores
  • 2001 - Estrela-Guia ... Purunam
  • 2004 - Senhora do Destino ... Sebastião Ferreira da Silva
  • 2005 - América
  • 2005 - Belíssima ... Bento Pereira
  • 2008 - A Favorita ... Edvaldo
  • 2012 - Gabriela ... Coronel Altino Brandão
  • 2013 - Joia Rara ... Ananda Rinpoche
  • 2015 - Babilônia ... Sebastião


Cinema Como Diretor
  • 1978 - A Queda


Cinema Como Ator
  • 1959 - Fronteiras do Inferno
  • 1960 - Cidade Ameaçada
  • 1963 - Seara Vermelha
  • 1964 - Os Fuzis
  • 1965 - A Falecida
  • 1965 - Arrastão
  • 1966 - Três Histórias de Amor
  • 1967 - O ABC do Amor
  • 1968 - Desesperato
  • 1968 - Massacre no Supermercado
  • 1970 - Dois Perdidos Numa Noite Suja
  • 1970 - Os Deuses e os Mortos
  • 1970 - É Simonal
  • 1971 - As Confissões de Frei Abóbora
  • 1972 - A Culpa
  • 1973 - Vai Trabalhar, Vagabundo!
  • 1974 - Rainha Diaba
  • 1976 - Dona Flor e Seus Dois Maridos
  • 1976 - Marília e Marina
  • 1976 - Ovelha Negra
  • 1976 - Soledade
  • 1977 - Feminino Plural
  • 1977 - Gordos e Magros
  • 1978 - A Queda
  • 1979 - O Bom Burguês
  • 1979 - A Rainha do Rádio
  • 1980 - Bububu no Bobobó
  • 1980 - O Bandido Antonio Dó
  • 1981 - Eles Não Usam Black-Tie
  • 1982 - Amor e Traição
  • 1982 - A Ferro e a Fogo
  • 1983 - Gabriela
  • 1983 - O Cangaceiro Trapalhão
  • 1983 - O Mágico e o Delegado
  • 1984 - Para Viver um Grande Amor
  • 1984 - Tensão no Rio
  • 1985 - O Rei do Rio
  • 1988 - Luar Sobre Parador
  • 1988 - Amor Vagabundo
  • 1989 - Césio 137 - O Pesadelo de Goiânia
  • 1991 - Brincando Nos Campos do Senhor
  • 1991 - Vai Trabalhar, Vagabundo II
  • 1994 - Lamarca
  • 1996 - Sombras de Julho
  • 1998 - O Testamento do Senhor Napumoceno
  • 2001 - Girl |From Rio
  • 2002 - Lua Cambará - Nas Escadarias do Palácio
  • 2003 - Benjamim
  • 2003 - Narradores de Javé
  • 2010 - Chico Xavier
  • 2011 - As Mães de Chico Xavier
  • 2011 - O Filme dos Espíritos
  • 2014 - A Despedida
  • 2014 - Trash
  • 2016 - Comeback


Nelson Xavier no Festival de Cinema de Gramado
Prêmios e Indicações

Festival de Gramado

Vencedor: Melhor Ator por "O Testamento do Senhor Nepomuceno"

Festival de Brasília

Vencedor: Melhor Ator

Ricardo Câmara

RICARDO CÂMARA DA SILVA
(37 anos)
Ator, Escritor e Modelo

☼ Rio de Janeiro, RJ (12/10/1963)
┼ Rio de Janeiro, RJ (28/04/2001)

Ricardo Câmara da Silva, conhecido como Ricardo Câmara, foi um ator, escritor e modelo brasileiro nascido no Rio de Janeiro, RJ, no dias 12/10/1963.

Ricardo Câmara começou a carreira em 1984 quando ganhou o 1º Concurso Garoto de Ipanema. Bonito e com porte atlético, Ricardo Câmara desfilou durante 3 anos nas passarelas de New York, onde trabalhou com Pierre Cardin e Paco Rabanne.

No final da década de 80, dedicou-se a carreira de ator e estudou na Escola de Teatro Dirceu de Matos, lugar de onde também saiu seu grande amigo, o ator Nelson Freitas.

A grande chance de Ricardo Câmara surgiu em 1990, quando interpretou o Dom Juan Serginho na novela "Barriga de Aluguel", de Glória Perez.

Sem ter novas boas chances na televisão, Ricardo Câmara se tornou escritor e dentre seus livros mais conhecidos estão "Janela da Vida", "Amor Espanhol" e "Passo X Realidade". Este último foi uma autobiografia.

Em depressão profunda por não conseguir voltar à televisão, Ricardo Câmara suicidou-se no dia 28/04/2001, com um tiro na boca em seu apartamento no Rio de Janeiro.

Fonte: Wikipédia

Jerry Adriani

JAIR ALVES DE SOUZA
(70 anos)
Cantor, Compositor e Ator

☼ São Paulo, SP (29/01/1947)
┼ Rio de Janeiro, RJ (23/04/2017)

Jerry Adriani, nome artístico de Jair Alves de Sousa, foi um cantor, compositor e ator brasileiro nascido no bairro do Brás, em São Paulo, SP, no dia 29/01/1947.

Jair Alves de Souza tornou-se artisticamente conhecido com o nome de Jerry Adriani e iniciou vida como cantor profissional em 1964, com o LP "Italianíssimo". No mesmo ano gravou o LP "Credi a Me".

Em 1965, Jerry Adriani estourou com "Um Grande Amor", primeiro LP gravado em português. Na mesma época, apresentou o programa "Excelsior a Go Go" pela TV Excelsior de São Paulo, em parceria com o comunicador Luiz Aguiar e tinha em seu set nomes como Os Vips, Os Incríveis, Prini Lorez, Cidinha Santos, dentre outros grandes cantores da época.

Comandou, entre 1967 e 1968, na TV Tupi, "A Grande Parada", junto com Neyde Aparecida, Zélia Hoffmann, Betty Faria e Marília Pera, um musical ao vivo que apresentava os grandes nomes da MPB, consagrando-se definitivamente como um dos cantores de maior popularidade em todo o país.

No cinema fez três filmes como ator/cantor, "Essa Gatinha é Minha" (1966), com Pery Ribeiro e Anik Malvil, "Jerry, a Grande Parada" (1967) e "Jerry em Busca do Tesouro" (1967), com Neyde Aparecida e os Pequenos Cantores da Guanabara. Nessa mesma época, final dos anos 60, ganhou o titulo de Cidadão Carioca com o projeto do deputado Índio do Brasil.


Jerry Adriani foi o responsável pela vinda de Raul Seixas para o Rio de Janeiro, de quem se tornou grande amigo ainda em Salvador. Raulzito e Os Panteras, como eram conhecidos, formavam a banda de apoio que tocou com Jerry Adriani durante 3 anos. "Tudo Que é Bom Dura Pouco", "Tarde Demais" e "Doce Doce Amor", foram algumas das músicas de Raul Seixas gravadas por Jerry AdrianiRaul Seixas foi produtor de Jerry Adriani entre 1969 e 1971, até iniciar sua carreira solo.

Na primeira metade da década de 70, Jerry Adriani já um artista consagrado, expandiu seu talento musical para vários países. O cantor gravou discos e fez shows que tiveram grande sucesso em países como Venezuela, Peru, Estados Unidos, México, Canadá, dentre outros.

Em 1975, Jerry Adriani participou do musical no Hotel Nacional, "Brazilian Follies", dirigido por Caribe Rocha, que ficou um ano e meio em cartaz.

Em 1985, lançou pela Polydor o LP "Tempos Felizes", no qual registrou antigos sucessos da Jovem Guarda, entre as quais "Festa de Arromba", "O Bom Rapaz" e "Quero Que Vá Tudo Pro Inferno".

Em 1986, gravou, de sua autoria, "Planeta Amor" e "Antes do Adeus", com Cury e "Beijos Medrosos", com Carlos Colla.



No inicio da década de 90, Jerry Adriani gravou um disco que trazia de volta as origens do rock'n roll, "Elvis Vive", um tributo a Elvis Presley do qual sempre foi fã. "Elvis Vive" foi o 24° disco de sua carreira.

O ano de 1994 veio acompanhado de um convite do diretor Cecil Thiré para participar da novela "74.5 Uma Onda No Ar", produzida pela TV Plus e exibida pela Rede Manchete. A novela também foi exibida com grande sucesso em Portugal.

No final de 1995, Jerry Adriani se destacou com expressivo sucesso, no lançamento da coleção com "Os Maiores Sucessos dos 30 Anos da Jovem Guarda", pela gravadora Polygram, como convidado especial, onde foram lançados 5 Cds comemorativos ao movimento, relembrando grandes sucessos como "Broto Legal", "Namoradinha de Um Amigo Meu", "Querida" e "Doce Doce Amor".

Em 1996, lançou o CD "Io", com grandes clássicos da música italiana, produção de Roberto Menescal e arranjos e direção de Luizinho Avelar, disco esse que teve uma grande aceitação no mercado.

Em 1997, participou das trilhas sonoras das novelas "A Indomada" da TV Globo, com a música "Engenho", letra de Aldir Blanc e música de Ricardo Feghalli, e "Zaza Internacional" também da TV Globo, com a música "Con Te Partiró" com participação da cantora Mafalda Minozzi.


Participou em 1998 da gravação de "Mil Faces" um dos temas principais do programa infantil "Vila Esperança" da TV Record, e foi convidado para interpretar "Impossível Acreditar Que Perdi Você" (Márcio Greick) para o projeto de "Sucessos dos Anos 70", lançamento da Polygram.

Lançou pela Indie Records, em 1999, o CD "Forza Sempre" com músicas da Legião Urbana gravado em italiano, que Jerry Adriani considerava como um marco em sua carreira, ultrapassando as 200.000 cópias em número de vendagem.

"Forza Sempre" foi produzido por Carlos Trilha, também produtor de Renato Russo no disco "Equilíbrio Distante". Participaram também do trabalho outros músicos que acompanhavam os shows da Legião Urbana: Fred Nascimento e Jean Fabra também autor de sete versões das músicas para o italiano. As outras três ficaram a cargo do cantor e compositor italiano Gabriele de L’utre.

A canção "Santa Luccia Luntana", interpretada por Jerry Adriani, foi uma das mais executadas na trilha sonora da novela "Terra Nostra" (1999). Música incluída como bonus track no CD "Forza Sempre".

Nos anos de 2000/2001, Jerry Adriani gravou "Tudo Me Lembra Você", mesmo titulo da música de trabalho que também fez parte da trilha sonora da novela "Roda da Vida" (2001) exibida pela TV Record.


Em 2006 participou da trilha sonora da novela "Cidadão Brasileiro" novamente da TV Record, só que agora numa releitura atualizada da música "Jailhouse Rock", conhecida mundialmente na inconfundível voz de Elvis Presley.

Em outubro de 2007, gravou, no Canecão, RJ,  seu primeiro DVD, "Jerry Adriani Acústico Ao Vivo", também lançado em CD em formato acústico, no qual faz releitura de sucessos que se tornaram clássicos de sua carreira, apresentando também canções inéditas. Na ocasião deu entrevista a Tarik de Souza, publicada no Jornal do Brasil, na qual o crítico afirmou ter Jerry Adriani exercido influência no modo de cantar do cantor Renato Russo. Também na ocasião, o Canal Brasil transmitiu, em 4 dias e horários, o show da gravação do DVD/CD na íntegra, com a participação de Fernanda TakaiIvo Pessoa, Tavito e Vinimax.

Em agosto de 2008, apresentou show na Modern Sound, em Copacabana, no Rio de Janeiro, lançando o CD/DVD "Acústico Ao Vivo" e interpretando hits da música pop nacional e internacional, como "Monte Castelo", da Legião Urbana e "As Tears Go By", dos Rolling Stones. O DVD foi gravado em Outubro de 2007, no Canecão, RJ, em parceria com o Canal Brasil. Em outubro de 2008, o cantor marcou retorno àquela casa em grande show de lançamento.


Em 2011, lançou o CD "Pop, Jerry & Rock", em que dividiu a produção e os arranjos com Reinaldo Arias. O disco homenageou Raul Seixas e Tim Maia na faixa "2012", e fez alusão à música "Rock Around The Clock", sucesso de Bill Haley, na faixa "Rock Around The Time", além de de ter contado com a parceria de Paulo Mendonça em "Fantasia" e "Highway Virtual".

Em 2012, apresentou o show "Jerry Toca Raul & Elvis", no Teatro Rival, no Rio de Janeiro, RJ. Na apresentação, fugiu do estilo da Jovem Guarda que o tornou nacionalmente conhecido, dando espaço ao repertório com músicas como "Are You Lonesome Tonight?", "Kiss Me Quick", "My Way", "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás", "Medo da Chuva", canção, inclusive, que Raul Seixas compôs para a voz de Jerry Adriani, "Tente Outra Vez" e "Maluco Beleza".

Ainda em 2012, realizou apresentação no programa "Encontro Com Fátima Bernardes", na TV Globo, ao lado de Lafayette e Os Tremendões, Wanderléa, Marcelo Fróes e a banda Del Rey, numa emissão que teve como intenção relembrar a época da Jovem Guarda.

 Em 2014 completou 50 anos de carreira com um show com seus maiores sucessos.

Morte

Em 10/04/2017, a família de Jerry Adriani anunciou que ele foi diagnosticado com um câncer e que o tratamento estava sendo iniciado. Não foram divulgados maiores detalhes sobre a doença.

"Jerry Adriani, 70 anos, e família vêm informar aos fãs, familiares amigos e imprensa, que encontra-se em tratamento contra a doença câncer descoberta após uma série de exames, ao longo das últimas semanas após ter dado entrada no hospital em março com um quadro de trombose venosa profunda. Jerry está começando tratamento para controle desta patologia. Pedimos a todos que independentemente de seus credos solicitem força e pronto restabelecimento ao querido amigo e cantor."

Jerry Adriani morreu às 15h30 de domingo, 23/04/2017, aos 70 anos, no Rio de Janeiro, RJ. Ele enfrentava um câncer e estava internado no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. Recentemente, Jerry Adraini havia sofrido uma trombose em uma das pernas.

O corpo de Jerry Adriani será velado no Cemitério Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária do Rio de Janeiro, na manhã de segunda-feira, 24/04/2017. O enterro será às 17h00, no mesmo cemitério.

Trabalhos

Discografia
  • 1964 - Italianíssimo
  • 1964 - Credi a Me
  • 1965 - Um Grande Amor
  • 1966 - Devo Tudo a Você
  • 1967 - Vivendo Sem Você
  • 1967 - Dedicado a Você
  • 1968 - Esperando Você
  • 1969 - Jerry Adriani
  • 1970 - Jerry
  • 1971 - Jerry Adriani
  • 1971 - Pensa Em Mim
  • 1972 - Jerry
  • 1973 - Jerry Adriani
  • 1975 - Jerry Adriani
  • 1977 - Jerry Adriani
  • 1980 - Jerry Adriani
  • 1983 - Pra Lembrar de Nós Dois
  • 1985 - Tempos Felizes
  • 1986 - Outra Vez Coração
  • 1988 - Jerry
  • 1989 - Parece Que Foi Ontem
  • 1992 - Doce Aventura
  • 1995 - Elvis Vive
  • 1996 - Rádio Rock Romance
  • 1997 - Io
  • 1999 - Forza Sempre
  • 2000 - Tudo Me Lembra Você
  • 2002 - O Som do Barzinho Italiano
  • 2008 - Jerry Adriani Acústico e Ao Vivo
  • 2011 - Pop, Jerry & Rock
  • 2012 - Família

Outros Lançamentos
  • 1995 - Os 30 Maiores Sucessos da Jovem Guarda
  • 1997 - Trilha Sonora "A Indomada" da TV Globo
  • 2000/2001 - Trilhas sonoras de novelas e regrava músicas do Elvis

Televisão
  • 1994 - 74.5 Uma Onda no Ar ... Roberto
  • 1998 - Programa Mil Faces
  • 2001 - Malhação ... Bruno
  • 2010 - A Grande Família ... Celso Tadeu
  • 2011 - Macho Man ... Oliver
  • 2013 - A Grande Família ... Jerry Adriani

Filmografia
  • Essa Gatinha é Minha
  • Jerry, A Grande Parada
  • Jerry Em Busca Do Tesouro

Premiações
  • Prêmio Sharp - Foi indicado 4 vezes, na categoria Cantor Popular
  • 1989 - LP "Marcas da Vida" - Melhor Cantor
  • 1990 - LP "Elvis Vive" - Melhor Disco e Melhor Cantor
  • 1993 - LP "Doce Aventura" - Melhor Cantor
  • 1995 - LP "Radio Rock Romance" - Melhor Disco e Melhor Cantor